quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Valorizando o que tem valor!


"Que voc√™ consiga uma casa maior, mas que quase todos os c√īmodos fiquem vazios por sua fam√≠lia estar unida ao redor de uma √ļnica mesa.
Que você compre o carro dos seus sonhos, e descubra que ele pode ficar parado na garagem enquanto você caminha de mãos dadas por um parque.
Que você realize o desejo de comprar uma TV enorme, 3D, com home theater, mas que ela permaneça desligada durante o jantar, para que você possa ouvir como foi maravilhoso o dia da sua família.
Que sua conta bancária esteja satisfatoriamente recheada, mas sobretudo, que você tenha em seu bolso um ou dois reais para comprar algodão doce e saboreá-lo sujando os dedos.
Que voc√™ tenha um excelente plano de sa√ļde, mas que se esque√ßa que ele existe por n√£o precisar us√°-lo.
Que você jante em badalados restaurantes para descobrir que a maior chef que existe, cozinha todos os dias dentro da sua casa.
Que sua internet trafegue em altíssima velocidade, mas que sua melhor rede seja aquela pendurada entre duas árvores, onde você possa ouvir os pássaros cantarem.
Que voc√™ tenha um smartphone de √ļltima gera√ß√£o, mas que n√£o precise us√°-lo para dizer √†s pessoas mais importantes da sua vida o quanto elas s√£o especiais.
Que você tenha um tablet, mas que use mais as pontas dos seus dedos para fazer cafunés do que para mandar e-mails.
Que você possa comprar boas roupas, bolsas e relógios, mas que sua verdadeira marca seja a "inspiração" deixada pelos lugares por onde passará.
E que assim, conquistando tudo o que voc√™ sempre quis, voc√™ descubra que mais importante do que aquilo que voc√™ tem, √© o que voc√™ faz com tudo o que conquistou. (Mauricio Louzada)”
Felicidades à todos!!!


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A água só corre para o mar...Semelhante atrai semelhante

Tão certas sãos as Leis Universais o princípios que regem a natureza.
Um menor abandonado com uma experi√™ncia dura de vida, normalmente, devido as dificuldades passadas e pelo fato de nunca receber prote√ß√£o e aten√ß√£o, ter√° muita dificuldade em encontrar afago, apoio e carinho. Ele geralmente criar√° uma carapa√ßa de prote√ß√£o, porque j√° se magoou muito na vida e n√£o acredita mais em ningu√©m. Esta carapa√ßa para muitos, cria um bloqueio √† aproxima√ß√£o com esta pessoa. A menos que haja muito interesse envolvido. Por amor verdadeiro, por amizade ou por qualquer outro interesse maior. Lembro-me agora do filme G√™nio Indom√°vel, onde o protagonista, tem muita dificuldade de se relacionar e confiar nas pessoas. Passa pelos melhores psic√≥logos por interesse de um Matem√°tico, que viu nele um g√™nio ao qual ele mesmo , o Matem√°tico, tinha muito a aprender.Percebendo o interesse real por tr√°s da aproxima√ß√£o deste PHD em Matem√°tica, o G√™nio indom√°vel, reage de forma sarc√°stica, desvalorizando todas as tentativas de ajuda por parte dos melhores profissionais. Apenas um, pela sua seriedade e sinceridade, consegue compreender o cora√ß√£o daquele menino assustado, que n√£o passava de apenas uma "crian√ßa", no corpo de um homem. O psic√≥logo vivido na pele de Robbie Williams e o G√™nio Matt Damon.Nem sempre na vida, pessoas carentes tem a sorte de encontrar um "Robbie Williams" ( e agora mesmo que nunca encontrar√°, perda irrepar√°vel). Porque a vida e a natureza tem um regra muito simples: Semelhante atrai semelhante. Ou seja, quem recebe carinho, amor e prote√ß√£o, por todos os lados que for, atrair√° sempre isto. Porque j√° se comporta de forma t√£o natural, que recebe aten√ß√£o de todos. Se uma pessoa √© tratada como rainha por um grupo,  √© que todos os demais far√£o isto,mesmo sem entender o porqu√™ desta pessoa ser t√£o paparicada. Ela pode ter in√ļmeras qualidades negativas, mas, por ser bem tratada sempre, receber√° menos cr√≠ticas.Isto √© muito claro.Os bichos soltos da vida, meninos de rua, n√£o s√≥ no sentido literal, mas simb√≥lico. Pessoas maltratadas pela vida, dificilmente encontrar√° amor e compreens√£o,sendo assim, a solu√ß√£o √© a pr√≥pria pessoa buscar em si mesmo for√ßas para se amar e seguir em frente.Pedindo a Deus for√ßas todos os dias para prosseguir. Me sinto assim, "um menino de rua." Vivo com a minha carapa√ßa.N√£o acredito ao longo de quarenta anos que, nesta vida algo ser√° diferente para mim. Vou tocando a boiada e seguindo em frente....


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

SOCORRO!!!!!!!!!!!!!!!

Sou fr√°gil mesmo!
Para que receber o título de forte e continuar sozinha recebendo o peso do mundo nas minhas costas.
Ser Mulher, engravidar, trabalhar, estudar, criar filho sozinha, ser pai, m√£e, homem, chefe de casa, resolver pepinos, limpar casa, fazer comida, estar com as m√£os impotentes, sentir dores, ter TPM, p√©s inchados, depress√£o, n√£o dormir... e o pulso ainda pulsa e n√£o ter um ombro para apoiar? Um ombro amigo, pai, irm√£o, m√£e, marido, algu√©m!De que me adianta ser forte se n√£o tenho um colo, um afago para aliviar as tens√Ķes do dia? Tamb√©m estar com algu√©m para viver a fantasia de estar acompanhado e continuar s√≥? Hoje e sempre, medito naquela m√ļsica de Tim Maia, Azul da Cor do Mar. "Na vida a gente tem que entender que uns nascem pra sofrer enquanto outros riem." E ainda que eu lute para amenizar a dor, procurando ter pensamentos positivos, ela est√° l√° no fundo,porque n√£o vem de agora, vem de muitos anos. De uma hist√≥ria s√≥ de lutas e poucos afagos.T√ī cansada sinceramente...cansada!!! Sou de carne e osso mas preciso viver como se fosse de ferro. CANSADA!


Socorro, n√£o estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
N√£o vai dar mais pra chorar, nem pra rir
Socorro, alguma alma, mesmo que penada
Me entregue suas penas
J√° n√£o sinto amor, nem dor, j√° n√£o sinto nada
Socorro, alguém me dê um coração
Que esse j√° n√£o bate, nem apanha
Por favor, uma emoção pequena
Qualquer coisa
Qualquer coisa que se sinta
Em tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Socorro, alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento, acostamento, encruzilhada
Socorro, eu j√° n√£o sinto nada, nada



segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Ser complexo esse Ser Humano...

As vezes ou quase sempre, no sil√™ncio da noite, eu fico pensando tanta coisa. Um emaranhado de coisas que s√≥ resolvem vir a noite. Ou quando eu estou com as m√£os ocupadas e n√£o posso naquele exato momento, parar para escrever. Penso no qu√£o louco √© ser humano. Lembrei em parte da aula de Sociologia da Educa√ß√£o, na Universidade, onde o Soci√≥logo, nosso professor, destacou um termo que justamente me falhou a mem√≥ria, para se referir √† forma como a Sociologia define o conjunto de "vis√Ķes, teorias", que explicam o ser humano. Desta vez o Google n√£o me ajudou, ficou devendo. Psicologia, Sociologia, Antropologia, Astrologia...e haja "ias". Quanto tudo isto se junta e se mistura √© muito bom! Pois nos faz perceber que reduzir uma pessoa a partir de um ponto de vis√£o nosso, que pode at√© estar m√≠ope √© extremamente perigoso. Por vezes querem explicar a F√©, terceirizam Deus √†s religi√Ķes, condenam ou absolvem  o Homem por suas a√ß√Ķes, atrav√©s apenas de um olhar.Este ser humano √© biopsicossocial. E ainda vem a Astrologia refor√ßar o pedacinho do "bio", afirmando que as posi√ß√Ķes dos astros no momento do nosso nascimento,influenciam toda a nossa personalidade. O que dizer de mim: Sol em Le√£o, Ascendente em Aqu√°rio, V√™nus em C√Ęncer ( ningu√©m merece) e a Lua, ah!! A lua me traiu! Deixa quieto! De repente o gelado pode ser quente para uns. Um segundo pode ser uma eternidade para outros. O amor exagerado talvez seja complac√™ncia demais. O √≥dio pode ser um amor n√£o manifestado. O ser HUMANO...coisa de louco! O que √© normal ou patol√≥gico, como explica Freud.Quantos tristezas escondem por tr√°s de um sorriso, quantos "sins" existem por tr√°s de alguns "n√£os"? E quem ir√° dizer que existe raz√£o nas coisas feitas pelo cora√ß√£o? Sei l√°? S√≥ sei que nada sei. Estamos em constante crescimento, tudo nos serve para o amadurecimento dependendo da forma como conduzimos. Entendermos o que h√° na cabe√ßa de um Ser Humano √© trabalho bonito, mas inalcan√ß√°vel.Bonito mesmo √© tentar sempre alcan√ßar...ainda que jamais cheguemos l√°..essa √© a ideia, creio eu. 




s√°bado, 13 de dezembro de 2014

REINVENTE, TENTE, FAÇA ALGO DIFERENTE.

Ainda citando a palestra do Dr. Lair Ribeiro, lembrando-me desta sua Cita√ß√£o: " O que voc√™ faz por divers√£o, algu√©m faz por profiss√£o."

Esta semana, assistindo a um certo programa de televis√£o, vi exemplo de alguns profissionais que atuam enquanto trabalham. Uma atua√ß√£o positiva pois alegram o ambiente e ao mesmo tempo, aprendem, utilizando de intelig√™ncia emocional, transformando o que poderia ser mais um dia de " batente" em mais um dia de fazer a diferen√ßa. O exemplo do cobrador de √īnibus que aprendeu algumas frases b√°sicas de v√°rios idiomas a fim de orientar os turistas na cidade,orientando o local certo de parar e as vezes quando √© poss√≠vel, tamb√©m ler. O guarda de tr√Ęnsito que  pelo fato de ter que mudar de dire√ß√£o o tempo todo por ser uma via  com cruzamento, criou para facilitar o servi√ßo, alguns passos, parecendo os de dan√ßa , divertindo a si e aos transeuntes.Sabemos que precisamos trabalhar para a sobreviv√™ncia e que muitas vezes n√£o dispomos de oportunidades para escolhermos a carreira e ainda assim, sempre rola a d√ļvida.Enfim acredito ser fundamental acordarmos toda manh√£ pensando em fazer o  nosso melhor, independente da nossa ocupa√ß√£o. Certamente, isto far√° diferen√ßa na nossa vida e na vida dos "afetados" pelo nosso trabalho. O servi√ßo p√ļblico por exemplo: Imagine ser atendido por um m√©dico compreensivo, atencioso,que antes de diagnosticar  faz alguns questionamentos relevantes para tentar compreender o que se passa na vida de um paciente. N√£o falo de bate papo √≠ntimo, pois seria utopia, mas nos quinze minutos de cada consulta, muitas coisas poderiam ser associadas aos sintomas em si . Afinal, o ser humano √© uno, tudo est√° relacionado e a maioria das doen√ßas v√™m de origem psicossom√°ticas. J√° tive o privil√©gio de ser atendida por profissionais assim no servi√ßo p√ļblico e elogiei-os de imediato, por fazerem a diferen√ßa. Em contrapartida, tamb√©m j√° encontrei no servi√ßo privado, profissionais desestimulados, mal humorados, tecendo coment√°rios desagrad√°veis de forma clara, apresentando sintomas de desgosto pelo que faziam.√Č tr√°gico isto! Fazer a diferen√ßa √© a possibilidade de sempre reinventar! E se n√£o estivermos satisfeitos com o que fazemos, cair fora, isso mesmo, para n√£o infestarmos o ambiente e a n√≥s mesmos com energias negativas. Mas, se isso n√£o for poss√≠vel para o momento, REINVENTE, TENTE, FA√áA ALGO DIFERENTE.



Educação abre portas -parte II

√Č j√° falei sobre este assunto aqui. Mas sem sombra de d√ļvidas a nossa postura, demonstra mesmo o que somos. Longe de citar estas regras de etiquetas criadas na Idade M√©dia para apenas, separar aparentemente o nobre do plebeu. Mas refletir a necessidade de que ,como seres sociais , temos de cultivar h√°bitos de educa√ß√£o. Que certamente, abrem portas.Reflito ao criar a minha filha e ver o comportamento de algumas crian√ßas nas casas dos outros, nas lojas,nas suas pr√≥prias casas, na escola, ambientes em geral. Cito: Falar baixo, n√£o interromper uma  conversa entre adultos, pedir licen√ßa se os pais estiverem conversando, lavar as m√£os ap√≥s a sa√≠da do banheiro, dar descargas ap√≥s o uso do vaso sanit√°rio, n√£o falar de boca cheia ( afinal n√£o √© nada agrad√°vel ver a comida sendo estra√ßalhada entre os dentes  de outra pessoa, enquanto comemos), apagar as luzes ap√≥s sair de um c√īmodo, n√£o ouvir m√ļsica alta ao ponto de incomodar o outro, pedir desculpas e atender a pessoa com a qual machucamos, n√£o utilizar as redes sociais para ofender, humilhar a imagem de algu√©m ou expor coment√°rios negativos, indiretas, na p√°gina desta.Ufa! Falando em rede social, ap√≥s as "luzes dos refletores", podemos perceber que da forma como somos, nos comportamos por sua vez, nas redes sociais. No local de trabalho ent√£o.A boa educa√ß√£o, bem como a qualifica√ß√£o profissional e o modo como fomos criados, deve- nos guiar todos os dias ao tratarmos nossos colegas, subordinados ou superiores hierarquicamente, ao agirmos honestamente quando confiados para n√≥s a responsabilidade de um setor, de uma casa , dos filhos do patr√£o ( no caso de uma bab√°, motoristas, etc). Para isto, n√£o temeremos processos, acusa√ß√Ķes indevidas, medo de perder emprego, de perder amizades, de sentirmos-nos sozinhos. Afinal, quem n√£o deseja estar ao lado de uma pessoa agrad√°vel, que embora seja humana, se esfor√ßa em n√£o incomodar tanto as pessoas ao seu redor, em ser confi√°vel, s√©ria ( n√£o necessariamente sem senso de humor), respeitadora, que controla a l√≠ngua? Bom mesmo √© recebermos in√ļmeros convites para irmos nas casas de conhecidos, amigos e podermos escolher para onde iremos, porque somos bem recebidos. Melhor do que nos oferecermos. √Č claro que existem grupos que mesmo a pessoa sendo educada , muitas vezes √© colocada de lado. Talvez com intuito de desprez√°-la, talvez por inveja ou coisa qualquer. O que n√£o deixa de ser uma falta de educa√ß√£o. E destes certamente queremos dist√Ęncia.Pelo menos eu quero! A educa√ß√£o √© o maior legado que podemos deixar aos nossos filhos. E espero continuar refletindo e analisando sobre isto, durante o processo de constru√ß√£o do car√°ter de minha filha, bem como da minha evolu√ß√£o pessoal.


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

O Caminho da Prosperidade

Ouvindo a Palestra do Médico Dr. Lair Ribeiro sobre o caminho para a prosperidade. Achei muito pertinente o tema e mais instigante a forma como ele aborda. Segundo ele é importante ouvirmos mais vezes a fim de internalizarmos essa nova visão de prosperidade. Sendo assim, resolvi fazer uma resenha para memorização, exatamente MEMORIZAÇÃO.

Segundo Dr. Lair Ribeiro, nossos pensamentos se manifestam na pr√°tica. Sendo assim, se pensarmos que dinheiro √© f√°cil de chegar, o dinheiro chegar√° f√°cil. Ao contr√°rio disto, o mesmo se sucede na mesma propor√ß√£o.Precisamos "DECLARAR, SOLICITAR, ARRISCAR e AGRADECER". Declarando ao Universo o que queremos, solicitando o desejo e arriscando.Mas um risco calculado. Ele cita o exemplo do "trapezista que passa por um per√≠odo de vulnerabilidade"  embora tendo experi√™ncia no que faz, ao trocar de corda, se v√™ no abismo. Afirma que n√£o h√° seguran√ßa em nada, embora tenha "gente que queira seguran√ßa". E que existem oportunidades. Mas se n√£o arriscar n√£o conseguir√° realizar o que quer. E agradecer. Segundo o Palestrante , " A gratid√£o √© a m√£e de todas as virtudes" que devemos " agradecer o que temos para termos mais o que se deseja" comparando esta pr√°tica como um " sistema de retroalimenta√ß√£o". Afirma que nesta palestra s√£o considerados os "aspectos cient√≠ficos, filos√≥ficos e psicol√≥gicos da prosperidade".Conceitua a Ci√™ncia como o "estudo das leis de causa e efeito", a Filosofia como " estudo dos pensamentos" e a Psicologia como o " efeito dos pensamentos no comportamento".Que n√£o existe pensamento errado mas " como pensamos, a coisa √© para n√≥s".Se pensarmos que podemos ou n√£o podemos, est√° certo do mesmo jeito.Exemplifica o caso de uma pessoa que joga na Loteria e percebe que o seu Bilhete fora premiado e embora n√£o seja um dia √ļtil para resgatar o seu pr√™mio,aguarda o dia chegar.Esta pessoa tem a "certeza da prosperidade", embora possua nas suas m√£os, apenas um bilhete premiado.O Dr. Lair Ribeiro afirma "que a mente est√° em conex√£o com a intelig√™ncia divina".E que o nosso corpo tem poder curativo. Se tivermos um corte no ded√£o do p√©, o corpo se encarregar√° de cur√°-lo.Que devemos aprender " a criar do nada". Exemplifica que uma cadeira fora criada do nada. Antes, apenas era uma ideia. Ele aconselha-nos a fazer uma autoan√°lise, indagando-nos: " O que penso que fez a minha vida ser o que √© hoje?" Aborda a palavra SUGEST√ēES.Que sugest√Ķes negativas ouvimos muitas.Desde quando eramos criancinhas.Que " os pais cometem erros de negatividade". A exemplo de uma crian√ßa de quatro anos que para cada elogio recebe dez "n√£os".Precisamos " Escutar e gravar com a voz, pensamentos positivos." Perguntarmos-nos " Qual √© a minha finalidade de vida?" e que "v√°rios milagres acontecem fazendo esta pergunta durante vinte e um dias".Devemos " alinhar as metas com as finalidades".Compara a Lei da Riqueza com a Lei da gravidade. Segundo o palestrante, " todo dinheiro √© criado pela mente humana" e que " problema financeiro se resolve com imagina√ß√£o".Atenta para o caso do Brasil que cada vez que toma dinheiro emprestado ao FMI, n√≥s ficamos " subordinados", citando  assim o termo " neocoloniza√ß√£o".Para ele, o processo criativo come√ßa na mente.Fala em LEI DO GANHAR e LEI DO GASTAR.Na Lei do Gastar " o valor do dinheiro √© determinado pelo vendedor e pelo comprador de cada transa√ß√£o.E que quem enriquece √© quem sabe gastar.Salienta a import√Ęncia da Lei do economizar, utilizando o termo "D√≠zimo Pessoal" ( dez por cento) como sendo o percentual que dever√≠amos tirar de nosso sal√°rio mensal para "pagarmos a n√≥s mesmos". Pois ele atenta-nos que recebemos o dinheiro e pagamos a todo mundo, menos a n√≥s mesmos. E que quando fazemos isso, "uma m√°gica ocorre" porque logo pensamos e mandamos uma recado para o Universo: "tenho o suficiente e ainda sobra".Explanando o significado do numeral um como significando "criatividade" e o numeral zero como "mais".Desta forma este d√≠zimo n√£o deve ser utilizado em "nada perec√≠vel ou roub√°vel". Cita o exemplo da natureza e Lei universal em que a √°gua vai para onde tem √°gua. Da mesma forma " o dinheiro vai para quem tem dinheiro, sendo o cr√©dito paradoxal,vai para quem tem." Lembra-nos que ao chegarmos no banco, mesmo precisados de dinheiro, se n√£o tivermos cr√©dito,ainda em necessidade, n√£o o conseguiremos.Enquanto que quem tem dinheiro e cr√©dito na pra√ßa, mesmo n√£o precisando do dinheiro,  se precis√°-lo, o tem √† disposi√ß√£o." O investimento √© fundamental" que ao investirmos temos que considerar os fatores que neste investimento deve possuir: " mais ou menos LEGALIDADE ( sem burlar a lei) ,mais ou menos RENTABILIDADE, mais ou menos SEGURAN√áA ( n√£o h√° nada seguro) e mais ou menos LIQUIDEZ". A express√£o "mais ou menos"pelo fato de que nada √© cem por cento. O Dr. Lair Ribeiro nos mostra os aspectos psicol√≥gicos da coisa em que " o modo como nascemos faz a diferen√ßa". Na maneira como enxergamos e lidamos com a prosperidade e que dependendo do caso, existem terapias corporais para tal.Que alguns possuem a "s√≠ndrome da desaprova√ß√£o dos pais como uma necessidade inconsciente de ganhar menos que os pais".E as negatividades em rela√ß√£o ao dinheiro. E que "mais importante do que Carma √© o nosso livre-arb√≠trio. Somos co criadores da nossa exist√™ncia." Aponta a import√Ęncia de se "trabalhar inteligentemente" para ganhar dinheiro e que muitas pessoas podem afirmar  "estava t√£o ocupada trabalhando que n√£o tive tempo de ganhar dinheiro". Desta forma nem sempre o trabalho duro implica em ganhar dinheiro pois " o que voc√™ faz por divers√£o, algu√©m faz por profiss√£o."Aconselhando-nos assim a "pegar um Hobby e transformar em profiss√£o.Fazer o que gosta e gostar do que faz". Que a prosperidade independe da Ocupa√ß√£o ou forma√ß√£o acad√™mica. "O estudo por si s√≥ n√£o √© o suficiente". Pois existem pessoas com a mesmas forma√ß√Ķes, mesmas ocupa√ß√Ķes e que diferenciam o n√≠vel da prosperidade. E que "mais importante que a erudi√ß√£o √© a pr√°tica e o universo √© um lugar potencialmente abundante."

    Sabendo que o termo prosperidade se aplica a todas as √°reas da nossa vida: emocional, f√≠sica, financeira, etc.

Palestra dispon√≠vel em: https://www.youtube.com/watch?v=VNP5c-BlPj4