segunda-feira, 6 de março de 2017

O perigo de ver o outro pelos olhos alheios.



De repente, aquele amigo ou amiga deixa de ter as características que tanto admirávamos. E podemos até pensar que ele mudou. Pode até ser. Mas a mudança pode está ocorrendo dentro de nós influenciados ou não por fatores externos ou internos. Estes fatores externos podem ser oriundos de comunicações com ruídos,  de gente que gosta de colocar caramiolas nas nossas cabeças. Por pura maldade, talvez ou por imaturidade. A pessoa madura pede que analisemos sem causar interferências na nossa análise. O maldoso sopra no ouvido o veneno e se apressa em saber a resposta do seu ato perigoso. Há quem pense que o que falo não passa de teoria da conspiração. Assim como há quem quem observa, analisa e estuda  pessoas. Estudando antes a ele mesmo. E nesse autoconhecimento vislumbra a possibilidade ainda que remota de conhecer a si e aos que lhe rodeiam. Isso é maturidade que nada tem a haver com  os anos vividos.

Iracema Correia

domingo, 5 de março de 2017

O que não é definitivamente um amigo.





Quando alguém diz ser seu amigo é porque ele sabe uma boa parte da sua luta. O que lhe dói o que lhe machuca, conhece suas cicatrizes porque Você ao confiar,desnudou a própria alma. É assim que fazemos quando permitimos que alguém tenha a nossa amizade. O que fazer quando este dito cujo amigo, mexe impiedosamente na sua ferida? Quando se torna amigo de quem lhe maltratou? Ou até o defende? A ferida é mexida e não raro volta a abrir. Mais forte desta vez, por conta do peso da traição.  Ei! Tem alguma coisa errada aí!  Amigo não faz isso. Amigo, cuida da ferida. E não deixa ninguém te machucar.

Iracema Correia

Amizade não é troca de favores.





Amizade verdadeira não é troca de favores onde o amigo fica lhe devendo um bem que você faz à ele. Quando somos amigos não precisamos dar explicações enormes simplesmente porque não podemos atendê -lo . Não somos obrigados a nada. A amizade verdadeira é movida  pelo interesse verdadeiro em ver o outro bem, contribuir pelo bem estar coletivo e NUNCA violentar a si próprio e as suas vontades com medo de dizer um singelo NÃO. Não devemos nada à um amigo verdadeiro em troca do bem que ele nos fez. Ele fez ou nós fizemos por livre e espontânea vontade, sem pressão,  sem cobranças. Assim, tudo flui suavemente. E o que é verdadeiro continua o que não é acaba-se. E o mal pela raiz é cortado. Relações pautadas em troca de favores são vampirescas, enfraquecem a nossa energia. Queremos amigos que possamos juntos, evoluir.

Iracema Correia