segunda-feira, 21 de maio de 2018

Eu, Mamãe & Nosso Relacionamento Abusivo ( Por Raquel Gonçalves - 8 de dezembro de 2017)





√Č m√£e, quem diria que um dia eu teria coragem suficiente para assumir a mim mesma que nosso relacionamento (se √© que pode-se chamar assim) √© um abuso da sua autoridade e da minha paci√™ncia.
Voc√™ e seu jeito sutil de impor coisas atrav√©s da ideia de que caso n√£o o fizesse, perderia seu amor. Quantos gritos ouvi, quantas palavras de √≥dio, quantas amea√ßas e palavr√Ķes adentrando meu peito como uma adaga que perfura a alma, e consegue fazer meu amor pr√≥prio ir pelo ralo. Mas nunca foi por mal, n√£o √© mesmo, m√£e? Sempre foi por amor. Sempre foi porque voc√™ queria me proteger do mundo e suas garras.
Estive lembrando noite passada de como voc√™ me prendeu numa jaula da mesma forma que a madrasta de Rapunzel a prendeu naquela alta torre. Voc√™ cortou meus cabelos quando n√£o me permitiu correr atr√°s de meus sonhos; prendeu-me numa torre quando bradou aos quatro ventos que eu deveria permanecer naquela casa para cuidar de voc√™ caso estivesse doente, e cegou todos os pr√≠ncipes que se aproximaram com a acidez de suas palavras sobre como eu era uma relaxada que n√£o daria conta de cuidar de marido e filhos.
E a√≠ vem outra quest√£o: de onde voc√™ tirou a ideia de que minha vida resume-se a buscar um bom casamento? M√£e, eu nasci para conquistar o mundo, e n√£o para ser conquistada por ele. Desculpa se isso √© o fel que amarga sua garganta, mas √© verdade. Talvez por isso voc√™ sempre tenha tentado de toda forma me fazer desistir; deve ser insuport√°vel perceber que a menina educada para ser princesa, dona de casa, bela, recatada e do lar, nasceu para ser guerreira, dona de si, linda, espont√Ęnea e do bar. 
O que mais quis foi ter com voc√™ um la√ßo de amizade. Gostaria de poder lhe contar sobre minhas d√ļvidas, incertezas, dores e desejos, mas como faz√™-lo se a cada palavra recebia de volta a rispidez de frases que diziam que eu era incapaz, fr√°gil e n√£o chegaria a lugar algum na vida? Como ter por melhor amiga algu√©m que aparentemente torce por meu fracasso? Desculpa m√£e, mas voc√™ √© a respons√°vel pelo abismo existente entre n√≥s.
Ainda na inf√Ęncia voc√™ j√° evidenciava seu narcisismo; se meu pai sorria a me ver, voc√™ reduzia a express√£o a uma carranca, e se ele me trazia um presente, prontamente voc√™ questionava sobre o seu. Se meus av√≥s me bajulavam, voc√™ me mandava ficar no quarto, longe das visitas, e se era elogiada na escola, logo ouvia-lhe enaltecer a boa educa√ß√£o recebida de ningu√©m menos que voc√™ mesma. Voc√™ sempre se p√īs em primeiro lugar, e tentou de toda forma abafar meu brilho; talvez por eu ser uma garota, talvez por ter projetado em mim suas frustra√ß√Ķes, talvez por n√£o haver desejado a gravidez… Talvez por perceber desde cedo que me prendendo s√≥ daria ainda mais impulso √†s minhas vontades.
Ent√£o m√£e, hoje eu vim expor umas verdades e agradecer por outras. Vim tomar um caf√© olhando meu reflexo no espelho, enquanto vejo as marcas f√≠sicas e interiores deixadas pela sucess√£o de desaforos e afrontas recebida diariamente.
M√£e… mam√£ezinha querida. Obrigada pelo menosprezo, e por avisar todos os vizinhos sobre minhas roupas jogadas no ch√£o. Obrigada por n√£o se despedir de mim quando eu sa√≠a porta √† fora para trabalhar enquanto voc√™ dizia que eu deveria ficar em casa lhe ajudando. Foi chorando no trajeto que percebi que teria de lutar muito para chegar onde queria. Foi me sentindo s√≥ que descobri que a solid√£o pode ser um massacre ou um √°libi, tudo depende da sua for√ßa de vontade.
Obrigada por dizer que eu era feia por estar gorda, e ainda mais feia por haver emagrecido. Obrigada por rir das feridas em minha pele, e tamb√©m do meu novo corte de cabelo. Obrigada por dizer que n√£o sei me vestir, e por fazer quest√£o de mostrar √†s visitas meu t√™nis sujo. Ouvindo suas palavras aprendi a melhor me arrumar, e a amar cada cent√≠metro meu (na marra). Aprendi que n√£o importa o que pensem de mim, o que vale √© estar bem comigo mesma, e dessa maneira me tornei uma mo√ßa linda, mesmo que voc√™ nunca v√° assumir isso.
Valeu mesmo por reclamar constantemente do peso de ter se casado com meu pai, e por sempre que poss√≠vel esfregar em minha cara que al√©m de ter se casado voc√™ foi engravidar. Obrigada por ressaltar o quanto √© desgastante ser m√£e e esposa. Mas sabe, hoje sei que na verdade voc√™ n√£o queria ser m√£e; bastava-lhe ter filhos. Voc√™ n√£o quis ser esposa; queria apenas ter um casamento. Voc√™ nunca quis assumir uma tarefa m√£e, voc√™ apenas gostava de atuar.
Que voc√™ seja recompensada por desmoronar com minhas conquistas, e por tentar a todo custo me fazer abrir m√£o de ser a mulher que sempre sonhei. Cada palavra dura, cada desaprova√ß√£o, cada enxurrada de l√°grimas choradas sozinha em meu quarto, ou na rua, no √īnibus, na faculdade e at√© mesmo no banho lavaram-me a alma e fortaleceram para o que ainda estava por vir. Seu azar foi pensar que assim como voc√™ eu n√£o era capaz de aguentar um terremoto; enquanto voc√™ se abala com tremores de terra ou dan√ßo em meio ao fogo, logo, nada me assusta.
Parab√©ns m√£e por durante todos os anos desmoronar com minha autoestima e por n√£o apoiar nenhuma de minhas escolhas. Parab√©ns por me fazer acreditar que se n√£o seguisse √† risca seus ensinamentos n√£o seria digna de seu amor. Eu corri atr√°s de uma sombra de aprova√ß√£o com a mesma ferocidade que um le√£o persegue sua presa. At√© que um dia percebi que estava correndo atr√°s do vento, ou seja: eu nunca iria alcan√ßar meu objetivo. Quando se ama, ama-se ao primeiro olhar, e n√£o ao √ļltimo esfor√ßo.
E quando me dei conta disso, deixei de subir sua escada que cada dia era mais √≠ngreme e escorregadia. Percebi que mesmo que subisse ao √ļltimo degrau ainda n√£o seria o que voc√™ sonhou, e n√£o apenas porque voc√™ exigia de mim algo muito grande, mas principalmente porque por voc√™ m√£e, eu estava me tornando tudo o que n√£o queria ser.
Ent√£o m√£e, obrigada. Obrigada mesmo. Obrigada por seguir t√£o bem seu pr√≥prio plano que acabou cega e n√£o percebeu que nosso “relacionamento” era o combust√≠vel de minha revolta. Obrigada por n√£o se dar conta de que dentro de sua menininha h√° um mulher√£o, e isso nem mesmo voc√™ pode mudar. Saiba que logo voc√™ me ver√° conquistando tudo aquilo que voc√™ rogou dizendo que n√£o serei capaz, e que ficarei feliz vendo mais uma vez seu olhar de lamento e desaprova√ß√£o, por que, infelizmente, isso √© o m√°ximo que consigo de voc√™.
Fique tranquila, apesar das marcas n√£o carrego m√°goas em meu cora√ß√£o. Vendo suas atitudes percebi que sou bem mais que isso, e que coisas ruins bastam √†s que j√° enfrentei. Continue com sua vida e que eu continuarei insistentemente conquistando a minha. E se um dia for m√£e, farei o poss√≠vel e o imposs√≠vel para todos os dias entregar aos meus filhos o amor que tanto quis ter.
Mais uma vez m√£e, obrigada. Principalmente por ser meu primeiro relacionamento abusivo, e com isso me preparar para suportar e abolir os demais que ainda viriam, consequentes dos seus abusos que outrora eu chamava de amor.

Retirado do site F√£s da Psican√°lise
"Esta carta é um desabafo, que pode representar um grito de todas as filhas de mães que apresentam Transtornos Narcisistas Patológicos. Vivemos numa sociedade que iguala a palavra MÃE À PALAVRA AMOR. Enquanto isto, muitas filhas adultas sofrem em silêncio pela vergonha de não se sentirem a altura de serem amadas por suas mães. Ditados como: " Toda mãe é igual , só muda o endereço" é extremamente cruel e generalista. Pessoas que foram vítimas de mães narcisistas não se devem sentir culpadas por não atender as expectativas desta sociedade que cobra a perfeição da família. Maiores esclarecimentos e se você se identifica com trechos desta carta. Busque ajuda terapêutica. O livro Prisioneiras do Espelho, um guia de liberdade para filhas de mães narcisistas da autora Michelle Engelke, como o próprio título diz, é um manual de ajuda para filhas que sofreram abusos emocionais durante toda a vida e hoje, desejam libertar-se."
Iracema Correia

s√°bado, 19 de maio de 2018

Din√Ęmica das rela√ß√Ķes familiares com pais t√≥xicos.







(...) " N√£o h√° sequer outra interpreta√ß√£o. √Č perigoso minimizar, ignorar, ou tentar varrer para debaixo do tapete mau comportamento quando √©s confrontado com a hip√≥tese de ter que lidar com predadores sociais.

CONTINUA√á√ÉO - TRAI√á√ēES FAMILIARES

Crimes morais são daquelas injustiças que geralmente, ninguém pode muito bem responsabilizar outra pessoa social ou legalmente. Comportamento deplorável, continua a ser deplorável quer seja uma pessoa presa por isso ou não.
Crimes morais s√£o coisas como promover ou apoiar discursos de √≥dio, contar mentiras para evitar responsabilidade pessoal, enganar amigos e fam√≠lia para esconder uma ac√ß√£o e fazer coisas como, simplesmente comportar-se em p√ļblico de uma maneira enquanto se age totalmente diferente em privado, seja em que circunst√Ęncia for.

Em famílias que vivem em uma casa com muitos filhos, pais tóxicos estrategicamente triangulam filhos/as e netos/as.

Triangulação é feita com a intenção de promover a rivalidade entre irmãos, e muitos cidadãos seniores tóxicos que criaram filhos para competir social e emocionalmente para ter a sua aprovação, atenção e afecto (assim como protecção) tipicamente declaram terem sido criados ao estilo Narcopata pelos seus pais ( Traduzido de um site de língua Inglesa, esta informação não se remete a Portugal). Mais - cidadãos seniores tóxicos que criaram famílias divididas tendem a declarar que também cresceram afastados de seus irmãos emocional, física, ou psicologicamente. Isto não é uma coincidência, como podemos constatar.

Quanto mais tóxico é um progenitor - especialmente uma mãe ou uma figura materna - mais probabilidades há, de os irmãos serem educados a pensar como conformados, competindo entre os membros da família indicados como alvos ou bodes espiatórios fazendo lembrar a história Bíblica de Abel e Caim.

Figuras maternais Narcisistas t√™m tend√™ncia para prosperar social e emocionalmente, esmiu√ßando as suas crian√ßas umas contra as outras. Quanto mais uma crian√ßa se esfor√ßa para ganhar o "amor" da m√£e, mais as outras crian√ßas se v√£o sentindo menos amadas, menos apreciadas, com menos valor, no fundo - que NINGU√ČM GOSTA DELAS.

Ter pais que de facto, gostam de ti - ao invés de simplesmente dizerem em tom vazio (aos outros) que te amam - é uma coisa maravilhosa. Pessoas que crescem tendo uma relação pessoal de união verdadeira de amor com seus pais tendem a ter famílias estáveis e vidas preenchidas.

Mas pessoas que cresceram com figuras que declaram coloquialismos est√ļpidos como: "Porque eu sou tua m√£e e eu √© que sei!" em vez de falarem com um tom verdadeiro de alegria e amor, sentem constantemente a picada das palavras, pensamentos e sistema de credos aceites pela sua m√£e t√≥xica.

Pais cru√©is ir√£o difamar uma crian√ßa da mesma maneira que um irm√£o/irm√£ ir√° fazer tudo o que estiver ao seu alcance para invalidar e prejudicar social e emocionalmente um/a outro/a irm√£/o com quem sempre sentiu dist√Ęncia e rivalidade. Se a/o Filha/o Preferida/o faz algo que desagrada a m√£e, podes apostar na rapidez que membros da fam√≠lia narcisista e anti sociais ir√£o deslizar para se posicionarem como preferidos na esperan√ßa de manter a din√Ęmica da m√£e afastada de outro/a filho/a!

Porque alguém faria tal coisa? Mais do que óbvio para MIMAR OS SEUS EGOS, os/as maiores bajuladores/as na família são aqueles tipicamente orientados para o status, competitivos social e emocionalmente mas que acima de tudo são mesquinhos e obcecados em GANHAR.

√Č aqui que a trai√ß√£o entra no jogo, pois pessoas com tend√™ncias Narcisistas Ocultas, escondem secretamente prejudicar um outro membro da fam√≠lia e v√£o acabar por sugar a energia deste copiosamente.

O padrão inclui não só, mas também:
- ex companheiros/as de adultos/as que foram em crianças, vítimas de Narcisistas, bajulando advogados numa tentativa de se promoverem para se vingarem do/a seu ou sua ex;
- pessoas que vêm em cidadãos seniores com uma mente frágil e são facilmente manipulados psicologicamente e emocionalmente para deixar às/os abusadores/as as suas heranças;
- aqueles/as que apenas pairam e não abusam do alvo directamente (mas sempre escondendo esse facto em segredo para evitar que a pessoa descubra que eles/as têm duas faces, são egoístas e sem ética).

Pais Narcisistas que abusam das suas crianças, geralmente criam pelo menos uma em quatro das crianças para ser abusiva. Persistentemente facilitam à criança, enquanto a inundam de elogios e incansavelmente a protegem socialmente.

Pais Narcisistas com várias crianças, criam fugitivos/as, filhos/as perdidos/as, rebeldes, e filhos/as preferidos/as. O/A adulto/a filho/a Abusador/a (que tem a mesma forma do Grupo B de pensar e agir) não tem que ser necessariamente o ou a filha preferida no seio familiar.

O título é dado à criança mais egoísta e auto centrada de todos os os irmãos. Filhos/as Preferidos/as acabam por vezes a humilhar-se perante seus abusadores para receberem atenção, mas depois acabam por fazer o oposto nas suas costas.

Entende que isto é um tipo de personalidade que faz criar o caos, trair a confiança dos seus irmãos e irmãs e ter atitudes impiedosas para assegurar o seu status social e material.
Por vezes essa pessoa √© a filha adulta de pai/m√£e t√≥xico/a, notavelmente uma conformada por natureza ou cria√ß√£o. Mas tamb√©m pode ser um tio, uma tia, um/a ex, um/a filho/a que por natureza gen√©tica tomou os actos do Grupo B que tinham os seus av√≥s, ou uma pessoa que foi andando at√© se inserir na rede familiar com a √ļnica inten√ß√£o de espiar, sabotar rela√ß√Ķes interpessoais e que compulsivamente procura valida√ß√£o como a pessoa que mais importa na "sua" fam√≠lia alvo h√° anos.

Nota que Abusadores/as mentem, contornam a culpa, envergonham as vítimas, e fazem ou dizem coisas para fazer outras pessoas gostarem de si enquanto vão destruindo a reputação do alvo de narcisismo.

*Também acontece: Predadores/as fracos/as que bajulam tipos de personalidade do Grupo B acabam por ter um "mini acordar" violento, anos depois..."
(...)

continua...

Tradução livre por: Não Mais Vítima do site: FlyingMonkeysDenied@gmail.com

#Tra√≠√ß√£oFamiliar #Abusadores #Narcisismo #SemCulpa #Conhecimento√ČPoder #FilhosAdultosdeNarcisistas  #SeMinhasFeridasFossemVis√≠veis
Imagens: Jovens sem fronteiras; A Mente é Maravilhosa

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Cr√īnicas de um Calango




Amigos, venho por meio desta, contar um causo que aconteceu comigo. Me mudei faz pouco tempo. Na casa anterior, me tinha uns calangos no pequeno quintal, todo murado e fechado, como uma caixa, ali√°s, aquela casa , desconfio que foi constru√≠da por No√©, a prova de Dil√ļvio ūüôĄūüėŹ. Enfim, entre lutas constantes para que os calangos n√£o entrassem, eu coloquei uma tela na grade, tamb√©m n√£o tenho coragem de matar, eles limpam o local de insetos, apesar de toda luta, ingl√≥ria, "os monstros" ūüźäūüźäentravam as vezes, e era um Paran√° u√© para tirar, eu cheia de coragem, s√≥ que n√£o ūü§£, minha filha  gritando em desespero ao ataque de monstros de t√£o grande porte. Os gatos, que por ali passaram, deram cabo ūüôŹ Muito bem.... ūüėŹ Me mudo, e qual n√£o √© a minha surpresa que ap√≥s tr√™s dias, me aparece um, que veio junto com a mudan√ßa ūüôĄ, num apartamento, ūü§ĒūüĎĆ. O que fazer com um calango num AP? ūü§Ē KDCORAGEM? Enfim, a criatura das trevas, fingia medo qd me via. ūüėŹ ūüôĄ Depois de dez dias, se escondendo pela cozinha, ela desapareceu misteriosamente. Ontem em meio a caixas ainda e baldes, encontro o corpo l√° petrificado dentro de um balde. ūüôŹ Peguei o balde, como toda a coragem que n√£o tinha e joguei pra fora da janela, caiu no telhado alheio, eu ouvi o baque. Enfim, livre. Hoje pela manh√£, a minha filha me chama e mostra a criatura, "sambando na cara dazinimigas no  telhado", o corpo n√£o estava mais l√°. ELA SIMULOU A PR√ďPRIA MORTE ūüė≥ELA PLANEJOU A MUDAN√áA! TUDO ARQUITETADO! N√£o tive como n√£o relacionar a minha experi√™ncia surreal com a lembran√ßa do filme de terror, sim pra mim era de terror, ALIGATOR. Naquela cena em que o homem pega o infeliz do crocodilo ūüźä ainda beb√™ ūü§Ē e joga no vaso sanit√°rio. Tempo depois, ele aparece, um monstro terr√≠vel, para se vingar do personagem. ūüėĪūüė®ūüė®ūüė®

Cr√īnicas de um calango
Iracema Correia "Medeiros" ūü§Ē

segunda-feira, 23 de abril de 2018

O Direito ao FODA-SE!



O n√≠vel de stress de uma pessoa √© inversamente proporcional √† quantidade de “foda-se!” que ela fala”. Existe algo mais libert√°rio do que o conceito do “foda-se!”? O” foda-se!”aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor, reorganiza as coisas, me liberta. “N√£o quer sair comigo? Ent√£o foda-se!“.Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Ent√£o foda-se!” O direito ao “foda-se!”deveria estar assegurado na Constitui√ß√£o Federal”.
Os palavr√Ķes n√£o nasceram por acaso. S√£o recursos extremamente v√°lidos e criativos para prover nosso vocabul√°rio de express√Ķes que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genu√≠nos sentimentos. √Č o povo fazendo sua l√≠ngua. Como o Latim Vulgar, ser√° esse Portugu√™s Vulgar que ingar√° plenamente um dia. “Pra caralho”, por exemplo. Qual express√£o traduz melhor a id√©ia de muita quantidade do que “pra caralho”? Pra caralho” tende ao infinito, √© quase uma express√£o matem√°tica. A Via-L√°ctea tem estrelas pra caralho . O Sol √© quente pra caralho, o universo √© antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende?
No g√™nero do “Pra caralho”, mas, no caso, expressando a mais absoluta nega√ß√£o, est√° o famoso “Nem fodendo!” O “N√£o, n√£o e n√£o!” √© tampouco e nada eficaz e j√° em nenhuma credibilidade. O “Nem fodendo!” √© irretorqu√≠vel e liquida o assunto. Te libera, com a consci√™ncia tranq√ľila, para outras atividades de maior interesse em sua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? N√£o perca tempo nem paci√™ncia. Solte logo um definitivo: “Marquinhos, presta aten√ß√£o, filho querido, NEM FODENDO!”. O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa, e voc√™ fecha os olhos e volta a curtir a sua musica.
Por sua vez, o “porra nenhuma!” atendeu t√£o plenamente as situa√ß√Ķes onde nosso ego exigia n√£o s√≥ a defini√ß√£o de uma nega√ß√£o, mas tamb√©m o justo esc√°rnio contra descarados blefes, que hoje √© totalmente poss√≠vel imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional. Como comentar a gravata daquele chefe idiota sen√£o com um “√© PHD porra nenhuma!”ou “ele redigiu aquele relat√≥rio sozinho porra nenhuma!”. O “porra nenhuma”, como voc√™s podem ver, nos prov√™ sensa√ß√Ķes de incr√≠vel bem estar interior. √Č como se estiv√©ssemos fazendo a tardia e justa den√ļncia p√ļblica de um canalha. S√£o dessa mesma g√™nese os”aspone”,”chepone”,”repone” e mais recentemente o “prepone” – presidente de porra nenhuma.
H√° outros palavr√Ķes igualmente cl√°ssicos. Pense na sonoridade de um “Puta que pariu!”, ou seu correlato “Pu-ta-que-o-pa-riu!!!”, falados assim, cadenciadamente, s√≠laba por s√≠laba. Diante de uma not√≠cia irritante qualquer um “puta-que-o-pariu!” dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neur√īnios t√™m o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitir√° dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabe√ßa.
E o que dizer de nosso famoso “vai tomar no cu!”? E sua maravilhosa e refor√ßadora deriva√ß√£o “vai tomar no olho do seu cu!”. Voc√™ j√° imaginou o bem que algu√©m faz a si pr√≥prio e aos seus quando, passado o limite do suport√°vel, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: Chega! Vai tomar no olho do seu cu!”. Pronto, voc√™ retomou as r√©deas de sua vida, sua auto-estima. Desabotoa a camisa e sai √† rua, vento batendo na face, olhar firme, cabe√ßa erguida, um delicioso sorriso de vit√≥ria e renovado amor-√≠ntimo nos l√°bios.
E seria tremendamente injusto n√£o registrar aqui a express√£o de maior poder de defini√ß√£o do Portugu√™s Vulgar: “Fodeu!”. E sua deriva√ß√£o mais avassaladora ainda: “Fodeu de vez!”. Voc√™ conhece defini√ß√£o mais exata, pungente e arrasadora para uma situa√ß√£o que atingiu o grau m√°ximo imagin√°vel de amea√ßadora complica√ß√£o? Express√£o, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e auto-defesa. Algo assim como quando voc√™ est√° dirigindo b√™bado, sem documentos do carro e sem carteira de habilita√ß√£o e ouve uma sirene de pol√≠cia atr√°s de voc√™ mandando voc√™ parar: O que voc√™ fala? “Fodeu de vez!”.
“Liberdade, igualdade, fraternidade e foda-se!!!”
Millor Fernandes

terça-feira, 17 de abril de 2018

Infidelidade



Apenas tecendo observa√ß√Ķes pontuais sobre o filme Infidelidade, protagonizado por Diane Lane, Richard Gere e Olivier Martinez.


S√£o filmes atemporais. Costumo assistir a filmes antigos, n√£o me jogo na onda de "tenho que ver primeiro". Creio que o filme deve ser apreciado, como um bom vinho ou qualquer comida apetitosa. Faz bem a minha alma e ao meu c√©rebro, assistir bons filmes. Como sou apaixonada por dramaturgia, n√£o √© qualquer "coisa posta √† mesa" que me satisfaz. Sim, tenho gosto bem peculiar para bons filmes, e bons atores, de fato. Numa vis√£o extremamente particular e pessoal, te√ßo abaixo as observa√ß√Ķes a seguir:


Connie, uma mulher, bem casada com um marido extremamente fam√≠lia, certinho, met√≥dico, p√© no ch√£o, um filho de aproximadamente cinco a seis anos, a quem, tinha toda a devo√ß√£o, e aten√ß√£o. O pai, Edward, cuidava deste garoto com afeto, dando-lhe a aten√ß√£o que todo filho √ļnico normalmente recebe, momentos √≠ntimos do casal eram subitamente quebrados por um chamado do garoto. Eram  quebrados. Nesta cena, o filme mostrou uma rotina de todo casal com filho pequeno. A mulher do lar, acorda toda manh√£ e cuida do caf√©, vestu√°rio, merenda, roupa do marido, preocupa√ß√£o com o almo√ßo, com bazares, quest√Ķes sociais e l√° se vai o marido ganhar o p√£o, garanti-lo, numa rotina entediante entre a cidade e o sub√ļrbio. Escolha de Connie, morar no sub√ļrbio. Achou melhor para o crescimento e desenvolvimento do filho Charlie. Idas e vindas √† cidade, Connie esbarra literalmente com Paul Martel, um franc√™s, jovem, que a convida para entrar e cuidar dos ferimentos causados pela queda ,estava ventando muito e mal dava para manterem-se de p√© na rua. Connie entra, ressabiada e d√°i veremos Connie entre desejo e culpa, seduzida pelo novo, jovial, aventureiro, sempre disposto em qualquer hor√°rio para proporcion√°-la orgasmos devassadores, contrastando com a sua rotina, enquanto mulher de Edward. O casamento dos dois √© posto sutilmente em an√°lise, principalmente na mente da esposa que traia, pois na mente de Edward, o esposo, tudo parecia, normal, a√≠ √© que t√°, PARECER NORMAL. Esta aparente normalidade que Connie tentou manter por um tempo, apenas por um tempo, enquanto tentava se dividir entre, o desejo ardente por Paul e suas obriga√ß√Ķes enquanto mulher, fez com que a mesma fosse liberando aos poucos, em doses homeop√°ticas, como um peixe indo a caminha da isca, toda a discri√ß√£o que queria manter. Na verdade, nem ela sabia o que estava acontecendo. Seu esposo, detalhista Edward, l√≥gico que come√ßou a notar que algo mudou a sua rotina, algo estava ANORMAL. E da√≠ toda o desenrolar do filme acontece entre um crime cometido, o seu encobertar, e a lealdade entre os casais que veio se fortalecer, bem no final do filme.


    LEALDADE √© a palavra, creio que antes de algu√©m ser infiel, este algu√©m j√° deixou de ser leal. Quando Connie d√° um presente que Edward lhe deu e passa para Paul, ela demonstra um total desleixo pelos tempos vividos, com o esposo. Penso que ainda que voc√™ esteja numa nova rela√ß√£o, o que voc√™ viveu por anos a fio com outra pessoa, deve ser respeitado e mantido l√°, onde s√≥ pertence aos dois. Seria Connie uma mulher Vadia, vagabunda? Acho perigos√≠ssimo este julgamento. Pois √© assim que a sociedade machista sempre atribui √† mulher este t√≠tulo, independente de circunst√Ęncias, o homem a traindo ou ela traindo o homem. N√£o, n√£o a vejo assim e o pr√≥prio Edward sentiu, culpa, por talvez, ter deixado, na mente dele, o casamento chegar √† um n√≠vel de rotina onde a sua esposa buscava ardentemente SER MULHER, desejada, tocada, de uma forma especial, inusitada, livre, lasciva, libidinosa.Isso era not√≥rio na cena do metr√ī, onde o filme apresenta cenas quentes entre Connie e Paul que passam enquanto Connie, fecha os olhos, sorri marotamente e ao mesmo tempo, faz gestos de censura, como se algu√©m estivesse lendo os seus pensamentos. Not√≥rio √© perceber que o fim de tudo n√£o foi dado por ela, nem pelo amante, nem tampouco pela "trai√ß√£o" do amante. Que era apenas uma rapaz, sedutor que tinha v√°rias "Connies" pela cidade. Ainda assim, ela queria ele como que um v√≠cio. Dividindo a sua mente entre desejo, culpas e responsabilidades. O pior ou o melhor √© que seu marido descobriu tudo. Para quem j√° assistiu sabe o desfecho e para quem n√£o, corre l√° e assista, caso interesse. 

    O que eu diria a Connie? Dif√≠cil viu. Primeiro que ela n√£o me perguntaria ( risos) e √© muita responsabilidade saber. Penso que quando a gente est√° com algu√©m e est√° de olho em outro, √© porque h√° algo de errado. Por outro lado, se sairmos por a√≠ envolvendo-se em aventuras mil, podemos perder o sabor inusitado da primeira mordida, como a droga faz com o organismo da pessoa. Casamento e conviv√™ncia, nos leva √† circunst√Ęncias diversas ao lado de um outro que, nem toda hora estar√° sensual, libidinoso, disposto, inovador, mas que poder√° estar ao seu lado, TALVEZ, em outros momentos que somados ao sexual e √≠ntimo, sedimentam uma rela√ß√£o. O novo, o lascivo, aventureiro e irrespons√°vel, um dia torna-se tamb√©m rotineiro.Paul foi grosso, na primeira oportunidade de desentendimento entre os dois, coisas que n√£o aconteciam entre ela e Edward. Aqui √© uma leitura, resenha minha sobre o filme e minhas considera√ß√Ķes, obviamente bem sucinta deste filme que conseguiu me prender. N√£o atribuo aqui, valores morais a nada e nem a ningu√©m. Afinal cada um sabe a dor e a del√≠cia de ser quem √©.


Iracema Correia



s√°bado, 14 de abril de 2018

Eu não quero mais mentir....usar espinhos que só causam dor.






"Eu n√£o enxergo mais o inferno que me atraiu 
dos cegos do castelo me despeço e vou
a pé até encontrar
um caminho, o lugar
pro que eu sou..."

    Hoje uma pessoa me disse que ao ouvir esta bel√≠ssima m√ļsica de Nando Reis, se lembrou de mim. E cantou o trecho acima que ela considerava mais forte a caracter√≠stica. Como n√£o sentir-se lisonjeada ao ouvir uma m√ļsica de boa qualidade ser associada a minha pessoa? √Č certo que a m√ļsica, como uma bela poesia, √© sentida e tocada por cada pessoa de uma forma muito particular, peculiar, subjetiva, ainda que o autor desta, tenha outro prop√≥sito. Essa √© o real sentido da mesma. Ser sentida, fecharmos os olhos ao ouv√≠-la e "viajarmos" para qualquer dimens√£o.
    Deveras...., ultimamente tenho fugido dos espinhos que me causam dor,esquecendo e n√£o querendo enxergar o inferno que me atraiu. Buscando, at√© a p√©, um caminho em que eu me encontre. E essa √© a grande sacada da vida, seguir estes instintos mentais. O que faz voc√™ pulsar, o que te traz paz e n√£o guerra. As vezes √© dif√≠cil se libertar de situa√ß√Ķes de padr√Ķes, repeti√ß√Ķes de situa√ß√Ķes desnecess√°rias. Sair de um universo  que n√£o passa de uma mentira, tantos universos,muitas vezes preferidos do que este mund√£o real. Como o mundo √© algo "amea√ßador", as vezes utilizamos de todas as formas de fuga e todos os seus "efeitos colaterais", a infelicidade √© um destes efeitos e o seu ant√īnimo o desejo de todos.
    Vejo nesta m√ļsica, independente de qualquer situa√ß√£o, um algu√©m que acorda pra vida, que percebe que n√£o d√° mais para continuar, seja l√° qual for a situa√ß√£o.Dormindo de olhos abertos, vendo a vida passar, estando inerte, n√£o.  Chega!!!  EU VOU LEVANTAR! Por mim, pois h√° muita vontade de mudar, de viver literalmente ' e SE ' caso' voc√™ quiser me achar, e se voc√™ me trouxer o seu lar, eu vou cuidar, do seu jardim,... jantar...c√©u e mar'.

Iracema Correia
    

Tantas vidas pra viver!



As vezes penso em puni√ß√£o do universo. Uma conspira√ß√£o contra uma pessoa que tem muitas vidas pra viver, antes de partir desta vida f√≠sica. Tantas pessoas cheias de sa√ļde mas t√£o vazias de vida, que n√£o aproveitam esta vida para dar o seu melhor. Tanta vida pra viver ! E me vejo limitada entre dores, cansa√ßo e fadiga eterna, uma depress√£o qu√≠mica que me foi apresentada desde crian√ßa. Tanta vida pra viver! Querendo tanto conhecer o melhor do mundo, das pessoas. Criar projetos e os por em pr√°tica. Ent√£o n√£o raro me vejo paralisada diante da dor. A dor atinge o meu ser e me faz pensar em se estou pagando uma multa muito alta nesta vida. Paro, penso e como viver lamentando √© algo nada positivo. Prefiro pensar que a vida est√° me dando uma chance de aprender a viver um dia de cada vez.. . Aos poucos, se n√£o consegui hoje, teremos o amanh√£, quem sabe. Aprendendo com muito afinco, a adaptar a vida conforme a Fibromialgia vai me permitindo. Na procura de serotoninas naturais, analg√©sicos naturais, relaxando a fibra muscular, o m√°ximo poss√≠vel. Essa sou eu em minha passagem por esta doce e amarga vida.

Iracema Correia ūüíč

terça-feira, 27 de março de 2018

ETERNO - Por Pedro Barroso









  • 
    
  • 
    
  • . 
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • Quero que gostes de Pina Baush, ou at√© j√° nem gostes, 
    queiras mais queiras diferente; 
    que gostes da cor e do risco forte de Miró 
    e do canto desiludido e fundo de Ferré; 
    quero que aprecies os cheiros sensíveis da eternidade 
    do grande bruto grande e do pequeno sensível e pequeno; 
    quero que mores nas p√°ginas da Photo e que, sendo um modelo de virtudes 
    representes a cortes√£ mais lassa para mim; 
    quero-te com m√£os de pedra e de veludo; 
    quero que ames o chique e a Serra d´Aire 
    - mais o safari que a recepção, 
    quero que mores e sofras nas p√°ginas de Guido Crepax 
    e que te irrites com a perfeição absoluta de um retrato de Medina 
    quero que, se poss√≠vel vivas dentro do an√ļncio do Martini 
    felina e ondulante numa ilha tropical 
    quero que sejas capaz de divertir-te, de soltar uma ampla gargalhada, 
    ante o espectáculo ridículo e obsceno de um homem de Quinhentos 
    a quem atribu√≠ssem um n√ļmero de contribuinte 
    quero que ames o longe e a miragem, como o Régio 
    e que sejas louca e s√°bia 
    que tenhas l√°bios e mordas, 
    língua e sorvas, sexo e sexes, salto e salto, riso e rias, 
    sorvedouro inteiro de vida, arrepio de garça, sacudir de cisne, 
    passos de corsa, graça de arlequim, 
    pose de Diva, corpo de areia e luz. 
    E quero que me dês, me dês muito, que me dês tudo, 
    e que abras as janelas de par em par ao Tejo 
    e fecundes um poema em cada gesto 
    e voes como a gaivota em cada espreguiçar 
    e partas para a √ćndia em cada cacilheiro 
    e que sejas, mores, vivas e creias 
    longe 
    muito longe daqui... 
    
    quero que sejas profundamente minha e ritual 
    obsessiva e l√ļcida, doente, febril, tremendo de desejo 
    disposta a tudo e a mais e a muito mais, 
    boca de Mundo, seios de M√°rmore, corpo de Alfazema 
    e sobretudo Mulher e sobretudo amante. 
    Se existires assim, nua, inteira, absoluta e pessoal 
    responde-me 
    que eu fico aqui, eterno, à tua espera.

Pedro Barroso

segunda-feira, 26 de março de 2018

Sobre Família desunida






Sobre o apoio familiar :
Veja Gisele Bundchen, a sua irm√£ g√™mea √© a sua empres√°ria. A sua irm√£ poderia sentir-se frustrada com o sucesso da Gisele e, apesar de ser tamb√©m uma mulher bonita, n√£o preencheu os mesmos padr√Ķes que a sua irm√£ g√™mea, preencheu, para as passarelas. Poderia ela sentir-se infeliz? Sim, justificando o ELA TEM TUDO, sabotando os planos da irm√£. Hoje a Modelo Gisele, empresaria a sua sobrinha. N√£o sei se √© a filha da sua g√™mea. A fam√≠lia Abravanel, creio que dispensa coment√°rios. Em ambos os casos, vemos duas fam√≠lias unidas e fortes, num prop√≥sito de "mosqueteiros", UM POR TODOS E TODOS POR UM. Em contrapartida, quando assisto aquele filme O guarda-costas, √© triste ver o n√≠vel da inveja da personagem que faz o papel da irm√£ protagonista, no caso da Whitney Houston, assustador a forma como ela age pelas costas, sabotando e assustando a irm√£, ao ponto de deseja-la morta. Desejando at√© o homem por quem a sua irm√£ estava envolvida. Na desculpa de ELA TEM TUDO EU N√ÉO TENHO NADA. A vida de uma certa forma, infelizmente imitou a arte, no caso da cantora Whitney que morreu em condi√ß√Ķes estranhas, ainda se comenta sobre se foi homic√≠dio ou suic√≠dio mesmo. A sua filha, morrera nas mesmas condi√ß√Ķes da m√£e, s√≥ que desta vez, o principal suspeito que foi preso, foi o seu ent√£o irm√£o adotivo, adotado por Whitney aos doze anos. Whitney deixou uma fortuna a ser herdada e reclamada na justi√ßa por este filho, contestada pelo ex-marido da cantora. N√£o era porque ela era rica. Uma fam√≠lia desunida encontra-se em qualquer n√≠vel social. √Č tamanha burrice de um ser humano, invejar, ao inv√©s de apoiar o seu semelhante, principalmente onde h√° la√ßos consagu√≠neos." N√£o a toa que o pr√≥prio Cristo disse que os inimigos do homem seriam pessoas da pr√≥pria fam√≠lia". Uma cidade fortificada, no caso, a fam√≠lia, quem a pode derrubar? ūü§Ē


Iracema Correia ūüíč

Meu Plano Perfeito- Um Planner de vida.





segunda-feira, 19 de março de 2018

QUANDO O EGO√ćSMO √Č BOM.







Sabe o que √© voc√™ cansar de ser boazinha. A psic√≥loga ou o ouvinte de todo mundo? Pois. √Č Cansativo incentivar as pessoas que chegam lamuriando seus problemas, a fazerem terapias, buscarem uma ajuda de um psic√≥logo E PERCEBER QUE NO FUNDO, A MAIORIA S√ď QUER JOGAR O SEU LIXO EMOCIONAL em cima de algu√©m. E quem √© a v√≠tima? Sim, aquela pessoa que para e ouve e escuta. Que tem o h√°bito de manter-se discreto e ser amigo ou amiga para todas as horas. Por√©m o que muitos n√£o entendem √© que queremos ver a pessoa bem.No entanto, existem profissionais habilitados para lhes ouvirem e dar a devida orienta√ß√£o, e as vezes at√© eu insisto e percebo que a pessoa s√≥ quer falar, apenas, mas ajuda, n√£o quer, de fato. Paro e penso: Porque cargas d’√°gua eu tenho que ouvir o tempo todo o problema de uma pessoa que n√£o quer ser ajudada? E detalhe, creio ser o pior. Quando voc√™ j√° n√£o e mais necess√°rio, a pessoa encontra outro algu√©m com quem passear, namorar, se divertir, como se voc√™ fosse apenas um dep√≥sito de problemas, onde elas se esvaziam, recuperam as energias e saem todas felizes ao lado dos seus parceiros de emo√ß√Ķes positivas. De quem √© a culpa? √Č sua, √© minha, √© claro! Se colocou no lugar do outro, se doou tanto e PIMBA! , PENSOU QUE SERIA O AMIGO OU A AMIGA ESPECIAL, OU A PESSOA ESPECIAL DE QUEM ELA NUNCA LARGARIA. Engano, querido e querida. O que acontece √© que somos colocados no papel que vestimos neste cen√°rio do teatro da vida. Algumas pessoas, se n√£o a maioria, ir√£o te procurar pelos simples fato de voc√™ ser √ļtil. Esquecem que voc√™ tem vontades, desejos, anseios, como qualquer outra pessoa e a√≠, s√≥ pensam nelas. J√° teve um amigo que voc√™ ouvia como confidente e trocava conselhos e depois que esta pessoa melhorou emocionalmente simplesmente te trocou por uma pessoa nada a ver, √© e ama esta pessoa nada a ver e nunca te veria no lugar desta pessoa? Nesta vibe. Ou uma amiga que estava em processo de separa√ß√£o que sempre te procurava e da√≠ quando voc√™ ajudava tava tudo legal, mas quando voc√™ desabafava ela n√£o queria te ouvir, pedindo que voc√™ mudasse o rumo da conversa? E ent√£o,quando estava bem com o marid√£o e o namorado, nem lembrava de ti? J√° foi o filho preocupado com a m√£e ou o pai, doador que em todos momentos estava do lado deles e de repente, na hora dos afagos e agrados, esse carinho √© direcionado para outro que n√£o t√° nem a√≠, na maioria das vezes, pelos seus pais? Nessa vibe. Longe de mim est√° incentivando ningu√©m a ser frio, mas sim a cuidar-se, estar bem, zelar por quem zela por voc√™. A medida que voc√™ √© cuidado , voc√™ cuida. E assim fica tudo certo, sem diferen√ßas. Lembre-se, a humanidade √© desumana, e nos dias de hoje ser uma pessoa tipo “descolada” que n√£o se apega √© considerado quase um Deus. N√£o gosto deste  pensamento, "portanto, N√ÉO ACEITO que ningu√©m me fa√ßa de escuta e depois me descarte. Eu tenho sentimentos tamb√©m. Pense assim! PARTIU, O EGO√ćSMO AQUI S√ď TE FAZ BEM.


Prosperidade à todos!
Iracema Correia
Visite o  meu Canal no Youtuber Iracema Correia e se caso desejar, inscreva-se  e ative o sino de notifica√ß√Ķes. Abra√ß√£o!

sexta-feira, 9 de março de 2018

Quando falamos de Astrologia.... ūüėŹ







Alguns torcem o bico”: AFF! At√© tu brutus? Sim, at√© eu. J√° ouvi coisas do tipo : √Č ser muito burra acreditar em “hor√≥scopo “... ūüėŹ Ent√£o eu digo. N√£o pessoa, eu estudo Astrologia, ci√™ncia emp√≠rica. Da√≠ vem a minha mente Carl Gustav Jung que em um certo epis√≥dio, obrigou um aluno a estudar Astrologia para nunca mais criticar o que n√£o conhecia. Bem pouco! ūüėČ Vacil√£o ūü§£.

Vejo um mont√£o de “especialistas” em B√≠blia, religi√£o, Fibromialgia, Educa√ß√£o, que sequer pararam para estudar o assunto do seu suposto objeto de conhecimento. Por isso que quando falo de Freud, falo pouco do “falo” ( entendedores entender√£o) ūüėā, e falo das fases da inf√Ęncia oral, f√°lica(olha ela), anal, etc e tal, que foi o que estudei em um semestre da Faculdade ūüéď, se eu for falar mais eu me perco toda, at√© porque Freud j√° era um “perdido “. ūüėŹ Cabra louco, inteligente e concordo, QUEM SOU EU NA FILA DO P√ÉO PRA CONCORDAR OU DISCORDAR DE FREUD? ūü§Ē, Enfim, taurino, persistente, acreditava no seu ideal e foi a luta, passando por cima dos seus mestres e ate superando-os. Incompreendido, e quem  compreende taurino, nem eles ūü§£, cabe√ßa duraaaaa, Taurino como Joseph Murphy, autor de v√°rios livros consagrados, entre eles o Poder do Subconsciente que amo ūüėć, onde nos ensina o poder da nossa mente, o que alimentamos a nossa mente. Se tivermos uma mente mal evolu√≠da, poderemos gastar toda a nossa habilidade nata em levar uma vida errante, o caso do taurino Hitler que poderia hoje ser lembrado por sua contribui√ß√£o positiva na hist√≥ria mas que usou toda a sua persist√™ncia e determina√ß√£o em querer dominar o mundo e as pessoas. Alguns sites comentam que Hitler escolhia para a sua guarda pessoal, os arianos e escorpianos, por que ser√° n√©? ūü§Ē Certa ou errada esta informa√ß√£o, quem conhece os nativos de √Āries e escorpi√£o, devem saber como s√£o altamente competitivos, regidos por Marte, Deus da Guerra, na Mitologia Grega. Arianos s√£o o primeiro  signo do Zod√≠aco, querem ser os primeiros em tudo. O filho mais velho, o pentelhop  E se forem  mal evolu√≠dos , principalmente do segundo decanato, do miolo de quatro a + ou – treze de abril, s√£o regidos pelo Sol, influenciados pelo Signo de le√£o ūü¶Ā, extremamente egoc√™ntricos, assim como o leonino do terceiro decanato de mais ou menos 10 a 23 por a√≠ de agosto, regidos por √°ries, haja egocentrismo num ser s√≥. S√£o pessoas que acreditam que as suas opini√Ķes s√£o absolutas e n√£o costumam tolerar diverg√™ncias. O leonino n√£o √© muito de partir pra briga, enquanto que o ariano n√£o perde uma oportunidade, e cria se for o caso, uma confus√£o s√≥ pra ver o circo pegar fogo ūü§£ūü§£ūü§£ūü§£. Somos muito mais do que o nosso signo solar. Somos uma pizza com doze peda√ßos que influenciam determinados aspectos da nossa vida. Tenho trinta p√°ginas sobre mim, no meu Mapa Astral e digo que, junto com as terapias e leituras, foi uma das mais importantes descobertas da minha vida. Porque sei muitas vezes em que terreno estou mais ou menos pisando.  A minha  for√ßa e a minha fraqueza. Pretendo logo em breve ser capaz de construir e interpretar um Mapa Astral. Sem ideias predefinidas, s√≥ observando e confirmando cada dia as minhas impress√Ķes. 

Iracema Correia 


Eu MULHER




Sobre  o dia das Mulheres
Minha impress√Ķes

Sei que a data √© devidamente atribu√≠da aos direitos conquistados pelas mulheres. Direito de ter voz e ser vista como um ser humano, com todos os direitos  que o homem tem. N√£o sou feminista, n√£o levanto bandeira alguma, costumo dizer que que levanto a bandeira ūüö© do respeito m√ļtuo. Se voc√™ quer respeito, respeite-se. Por√©m sabemos que muitos precisaram e precisam impor esse respeito com muita luta pois fazer o outro enxergar, ter empatia, entender o sentimento de quem vive outra realidade da sua, n√£o tem sido tarefa f√°cil. Principalmente para aqueles que n√£o querem se colocar no lugar do outro. Dif√≠cil √© quando este algu√©m √© tamb√©m do mesmo grupo social que voc√™, neste caso, sendo mulher e receber tratamentos ofensivos por parte de m√£es, irm√£s, colegas de trabalho, m√©dicas, etc. A exemplo de profissionais da √°rea de sa√ļde, desfazerem da dor do parto de uma mulher e at√© debocharem com coment√°rios do tipo: “quando estava fazendo ningu√©m reclamou. “Ou crescer num lar de m√£e narcisistas do tipo de m√£e que n√£o se resolveu bem como mulher e v√™ na filha uma concorrente. Ou, ir √† praia e esconder-se do coment√°rio de outras mulheres porque o seu corpo n√£o preenche os padr√Ķes “permitidos”. Ora, ser mulher √© ser tudo isso e ainda passar por TPM, criar filhos e ter que trabalhar, haja vista que o macho alfa nem sempre consegue arcar com as despesas da casa, n√£o vejo isso como benef√≠cio para a mulher, pasmem, gostaria de ser Am√©lia, mas com vaidade, curiosa, inteligente, culta, com tempo de dar o melhor pra mim e pra minha fam√≠lia, fina, podendo ser ouvida e acalentada nos momentos mais dif√≠ceis. Eu gosto de ser mulher e sou uma mulher retada, a vida real me transformou numa guerreira que eu nunca quis ser. Dou conta de tudo, do meu recado, com Fibromialgia, limita√ß√Ķes, trabalhando, cuidando de filha, educando-a, para se preparar para este mundo nada acolhedor. Sou bipolar, as vezes rio as vezes choro, mas sempre de cabe√ßa erguida porque eu n√£o devo nada a ningu√©m. Amo a Deus sobre todas as coisas e acredito piamente que ele sempre prepara o melhor para mim. E aguardo suas b√™n√ß√£os, de todos os lados, sinto as suas b√™n√ß√£os, que cada negativa, cada desejo meu n√£o realizado √© a certeza de que aquele caminho n√£o era o ideal. Que ELE me conceda um grande amor pra viver at√© o fim dos meus dias, um amor que saiba tratar-me com toda as a√ß√Ķes que eu mere√ßo, carinho, aten√ß√£o, prazer, tes√£o, admira√ß√£o e tudo o de melhor que uma mulher deseja. Feliz dia da mulher! Com todos os Buqu√™s de rosas cheirosas, chocolates e beijos, principalmente para mim, MULHER.

Iracema Correia ūüíĄ

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Resguarde o teu coração.







" Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração, pois dele procedem as fontes da vida." Provérbios 4: 23 ( Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas)

"O coração calmo é a vida do organismo carnal." Provérbios 14:30

" O coração alegre serve de bom remédio." Provérbios 7:22 ( Versão Almeida)




                                             Palavras do Rei Salom√£o.


    Segundo muitos estudos, a preven√ß√£o e o tratamento eficaz das doen√ßas coron√°rias incluem, al√©m de terapia f√≠sica farmacol√≥gicas convencionais, cuidados psicol√≥gicos com √™nfase no controle da raiva e da hostilidade. Desta forma, muitos estudos apontam a rela√ß√£o entre doen√ßas f√≠sicas e sa√ļde emocional.
    A palavra "cora√ß√£o" no sentido figurativo se refere a todo o √≠ntimo da pessoa, incluindo os seus sentimentos.Mais uma vez a B√≠blia confirma isto neste trecho de Prov√©rbios 1:7" Quando a sabedoria entrar no teu cora√ß√£o e o pr√≥prio conhecimento se tornar agrad√°vel √† tua pr√≥pria alma, guarda-te-√° o pr√≥prio racioc√≠nio, resguardar-te-√° o pr√≥prio discernimento." Est√° a√≠ o sentido figurativo da palavra cora√ß√£o como sendo a sede ou origem das motiva√ß√Ķes.
    Voc√™ j√° se perguntou como anda o seu cora√ß√£o figurativo? O que voc√™ anda dando cr√©dito? Por exemplo, se voc√™ acreditar que √© v√≠tima da sociedade, assim voc√™ ser√°. Afinal voc√™ bateu o martelo e emitiu uma senten√ßa a si mesmo. Palavras ditas, pensamentos limitantes, culpas guardadas, medo intenso, tudo isso influencia e age como bloqueio para o nosso desenvolvimento pessoal. Qual a tua vis√£o em rela√ß√£o ao dinheiro? A sa√ļde? A idade? √Č voc√™ quem controla . √Č voc√™ quem decide. Sente-se culpado ao comprar algo que voc√™ batalhou para adquirir, com receio de machucar as pessoas, sobretudo as da fam√≠lia, porque n√£o alcan√ßaram um sonho que era SEU? Quando voc√™ decide no seu cora√ß√£o que a pobreza √© o seu destino e mant√©m pensamentos de limita√ß√£o de que NUNCA, JAMAIS conseguir√° sair de uma determinada situa√ß√£o, ent√£o √© isto o que vai acontecer. Voc√™ atrai todos os seus medos, culpas e inseguran√ßas.
    " Porque o cora√ß√£o √© mais trai√ßoeiro do que qualquer outra coisa e est√° desesperado. Quem o pode conhecer? ( Jeremias 17:9 Tradu√ß√£o do Novo Mundo das escrituras Sagradas)

O teu coração pode te enganar com pensamentos obscuros e nada sábio que pode mascarar a tua verdadeira situação. Talvez outros vejam em você coisas que por cegueira autoimposta, você não queira enxergar.

Exemplo 01

Muitos exaltam a viol√™ncia nas redes sociais e compartilham com outros o  qu√£o " a humanidade √© desumana"_ palavras do fil√≥sofo contempor√Ęneo Renato Russo. O mesmo Renato, continuou afirmando," mas ainda temos chances. O Sol nasce pra todos s√≥ n√£o sabe quem n√£o quer." Ent√£o estas pessoas compartilham entre si esta rede de negatividade e saem as ruas com um medo absurdo que muitas vezes atraem para si situa√ß√Ķes que elas mesmos tanto valorizaram. S√£o roubadas, etc. Em contrapartida, outras mant√©m um esp√≠rito calmo, cheio de sonhos, objetivos, viajam pelo mundo, curtem, passeiam, sem medos , sem ansiedades, gozam a vida. Elas vivem no mesmo mundo, mas t√™m comportamentos diferentes e por sua vez, resultados diferentes.


Exemplo 02


Conhece o ditado rid√≠culo que diz: " Papagaio velho n√£o aprende a falar"? Ao usar este termo, voc√™ emita uma SENTEN√áA. De que est√° tudo perdido na sua vida, pois a idade avan√ßada n√£o lhe permite mais realizar os seus objetivos. Em contrapartida, vejo pessoas idosas, com 65 anos ou  at√© mais, cursando Universidades, malhando, enfrentando o novo com tanta garra, que envergonha qualquer um de n√≥s que formos mais jovens.


Exemplo 03

O empres√°rio com vis√£o, observa que a qualidade de vida do brasileiro, a exemplo, est√° aumentando, e adaptam produtos para terceira idade.Os consumidores mais velhos tamb√©m est√£o com mais dinheiro. A faixa et√°ria representa 43% da classe de renda mais alta (acima de dez sal√°rios m√≠nimos) e indica que a tend√™ncia √© que o pa√≠s envelhe√ßa melhor. Este empres√°rio com vis√£o empreendedora, investe nesta √°rea. Em contrapartida, um empres√°rio com a mente lim√≠trofe, n√£o investe no novo, lamenta pelas n√£o vendas, culpa o mercado, demite alguns funcion√°rios e emite para si mesmo que n√£o h√° mais sa√≠da. O Mercado est√° a√≠ para todos. O que diferencia √© a motiva√ß√£o, o querer. 


TUDO √Č O SENTIR, N√ÉO SE ESQUE√áA QUE O CORA√á√ÉO √Č A SEDE DAS MOTIVA√á√ēES.


Iracema Correia