quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Este Brasil sei n√£o viu!!







Resultado de imagem para foto do personagem justo verissimo
Não sejais como o cavalo ou a mula, que não possuem compreensão, mas precisam ser controlados com o uso de freios e rédeas, caso contrário não poderiam obedecer. Salmo 32:9


O povo tem força, mas só usa para brigar contra o outro.
Fico aqui observando em como o Brasileiro, digo brasileiro, pois √© o povo com quem convivo, isto √©, em sua maioria o que demonstram. Nesta sangria desatada de impeachment, crise, desvaloriza√ß√£o do real (que insistem em dizer que √© aumento do d√≥lar), corrup√ß√£o, etc. Vejo o povo desunido como se fossem dois grupos de fac√ß√Ķes, gangues ou sei l√° o qu√™. O chato de tudo √© que √© o meu imposto que est√° no bolo. Porque se n√£o eu nem comentava, como de fato, nunca votei e quem quiser que fale que isso √© falta de exercer a cidadania que eu irei dizer o que √© ser um cidad√£o. O povo briga feio e o pior √© a l√≥gica dos racioc√≠nios e a forma da briga, parecendo briguinha de crian√ßa, mas com ofensas adultas, grotescas. Tipo quando uma crian√ßa diz que a outra √© feia e a outra para n√£o ficar por baixo, aponta outra fei√ļra nela. N√£o se pode reclamar da p√©ssima administra√ß√£o brasileira que logo vem um “f√£-n√°tico”, doido de plant√£o, dizer que os da direita s√£o ladr√Ķes tamb√©m. O ponto em quest√£o n√£o √© este. O buraco √© mais embaixo pow. Raciocina galera desprovida de massa encef√°lica!! √Č o nosso dinheiro que est√° em jogo, √© desvio de verba de estatais, √© aumento de minist√©rio e cargos p√ļblicos desnecess√°rios para empregar os apoiadores durante as campanhas. S√£o impostos altos e retorno n√£o proporcional, √© monop√≥lio de um s√≥ partido que h√° anos governa e nada muda. Proliferaram as empresas privadas, prevalece a privatiza√ß√£o em descaso para com as Institui√ß√Ķes p√ļblicas que est√£o sucateadas. Programas para financiamento da Educa√ß√£o Superior seria desnecess√°rio se a Educa√ß√£o superior p√ļblica fosse acess√≠vel a todos, se houvesse uma melhor fiscaliza√ß√£o na educa√ß√£o de base e investimentos. Isso √© antigo, n√£o √© deste ou daquele partido, mas da√≠ manter no poder por anos a fio um governo que n√£o ta ajudando em nada √© burrice!!! Santo Deus, defender pol√≠ticos corruptos acredito que seja porque a pessoa deva estar ganhando algum cargo ou grana com isso. Eu n√£o quero esmola, n√£o quero financiamento de nada. Quero sal√°rio justo para viver com qualidade. Porque os sal√°rios dos pol√≠ticos continuam a subir tanto e o m√≠nimo nada? Qual √©? E o brasileiro enrola a l√≠ngua pra dentro, se matam entre si e ainda idolatram pol√≠ticos. Valha-me Deus!!! Como √© f√°cil se formar um culto, vigaristas conseguem criar seguidores e adoradores. Est√£o lendo muitos manuais de como ter o poder, s√£o muito bem assessorados. E o povo, como dizia Justo Ver√≠ssimo: EU QUERO QUE O POVO SE EXPLODA!!!! E n√£o fiquem ai pensando que pobre √© s√≥ os que ganham sal√°rio m√≠nimo n√£o, √© o povo mesmo, que trabalha e principalmente quem paga al√©m dos impostos embutidos, o Imposto de Renda, IPVA e o escambau!!! Fiquem a√≠ rebanho de trouxas, defendendo pol√≠ticos enquanto eles est√£o subindo e descendo nos seus jatinhos particulares, regados a caviar e champanhe com o nosso dinheiro suado. Enquanto isto, voc√™s pegam o buzu lotado, pagam ped√°gio  e  vivem a vida de pe√£o. Arrgggggg!!!


Prosperidade à todos que sabem viver com dignidade e não compactuam com erros!!
Iracema Correia


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Defeque (cague) e ande para as opini√Ķes alheias






    Coloquei a palavra defeque porque o Word insistentemente obrigou-me a trocar a palavra cagar pela palavra defecar. Mas t√ī nem ai, t√ī cagando e andando pro Word.
    Assisti a um v√≠deo em que uma garota ensaia boas respostas para dar √†s pessoas que se metem literalmente em sua vida e nem sequer perguntam se podem opinar ou n√£o. E valha-me Deus! Como s√£o tantas! Sempre tive receio de dar a tal chamada “queimada”, “indireta”, “coice”, ou sei l√° o qu√™. Tinha na mente que como eu gostaria de ser tratada, procurava da mesma forma, tratar os outros. Como diz o ditado: “Quem tem vergonha n√£o mete vergonha.” Por√©m, n√£o costumo andar dizendo pra ningu√©m o que acho das suas roupas, do seu cabelo, da sua orienta√ß√£o sexual e por ai se vai. E ainda que solicitada, procuro n√£o dizer muita coisa porque afinal, √© apenas um ponto de vista meu que pode estar distorcido, como de fato sempre est√° em se tratando dos gostos do outro. √Č... mas at√© para ser educada e cuidadosa com os outros eu paguei o pre√ßo e passei a impress√£o de ser boba. De ouvir certas coisas, n√£o entender o porqu√™ da tamanha grosseria, engolir, me sentir mal e pedir a Deus paz.  Ora, pois, se eu ou√ßo coment√°rios idiotas sobre mim, na minha frente e n√£o expresso a minha opini√£o de imediato, e deixo pra l√°, algumas pessoas irritantes e “senocensses”, como j√° convivi, continuar√£o insistindo na sua pol√≠tica de irritar com coment√°rios rid√≠culos. Embora saibamos que podemos permitir ou n√£o que certas pessoas nos incomodem, podemos at√© ficar zen, por um momento, mas, h√° certos momentos de um basta, para pessoas sem limite. J√° ouvi coisas que hoje paro e penso: “Como eu n√£o respondi nada?” Sou da paz, tenho esp√≠rito pac√≠fico. Olho nos olhos, evito o m√°ximo ser preconceituosa, afinal, toda forma de generaliza√ß√£o √© burra. Procuro humanizar qualquer situa√ß√£o, j√° sofremos demais em um mundo frio e desumano. Criei o maravilhoso h√°bito de sempre que me fizerem um favor, por menor que seja, agradecer e dizer: “Deus o aben√ßoe ou a aben√ßoe!” Pois acredito que √© o melhor que eu possa desejar para algu√©m, √© que esta pessoa seja aben√ßoada. Mas ocorre que h√° pessoas que por mais que no dia a dia voc√™ trate-as bem, sempre continuar√£o a tratar voc√™ com deboche, porque o problema est√° dentro dela, mal resolvido, e, portanto eu n√£o quero que a energia desta venha sobre mim. Em sua maioria s√£o amargas, mas com fachadas de calmas, s√°bias, SINCERAS (i.e grossas mesmo, indelicadas) e se incomodam at√© com o seu sorriso. √Č incr√≠vel, como √© incomum ouvirmos esta frase: “Em que posso ser √ļtil? Posso te ajudar em algo?” E ajudar mesmo, chegar junto! Pelo contr√°rio, a quantidade de pessoas que se disp√Ķe a falar mal de voc√™ √© inversamente proporcional √†quelas que te querem bem de verdade. Quem te quer bem, vai torcer para te ver bem de verdade, feliz, n√£o se importa com as tuas escolhas, desde que elas n√£o te fa√ßam mal. Tudo bem, os problemas s√£o seus, cada um carrega a sua carga, mas os fardos, cito doen√ßas n√£o esperadas, acidentes, morte, entre tantos, devemos ajudar cada um a carregar, isto √© b√≠blico, ensino de Cristo. Pasmem! Embora vivamos num pa√≠s Laico, respiramos ainda o Cristianismo. No entanto √© muita palavra e pouca a√ß√£o. Mas se caso, fizermos diferente, e ajudar algu√©m, NUNCA, nunca mesmo, usar isso contra O OUTRO e dizer: “Eu te ajudei viu!” Arg! Isto √© rid√≠culo! Mesquinho! A recompensa vem da Lei do Retorno. Com isto, chego a dizer que, paradoxalmente, as pessoas que me ajudaram, contanto de dedo do m√©dio para a esquerda ou direita, tanto faz, s√£o aquelas que est√£o pouco importando com a cor que pinto o meu cabelo, com quem namoro, aonde vou e se rio alto e falo besteira (que por sinal adoro, aonde chego e me sinto bem, me espalho, sacudo os meus cabelos como uma t√≠pica leoa, rio at√© n√£o querer mais, brinco pra cacete, paquero homem interessante porque tenho excita√ß√£o pela vida e por homens interessantes tamb√©m, l√≥gico, tenho tes√£o por um bom papo cabe√ßa, por conversas jogadas fora, pra falar sacanagem e rir, apenas rir.), querem mesmo √© que eu esteja feliz, apenas isto. N√£o me divirto nem um pouco com a vida alheia porque a minha j√° tem muitos epis√≥dios para eu me divertir. Eu me divirto sozinha, rio sozinha. At√© dois anos atr√°s, n√£o percebia que isto incomodava. Eu incomodo por estar solteira e simplesmente existir e ser mais uma mulher que sabe o que quer e n√£o tem medo de se posicionar. Cansei de cara feia de mulher casada que n√£o se garante e sente ci√ļmes. Que olham para outra mulher com uma saia curta e viram o rosto, olham de cima pra baixo ou a condenam logo. Medo, medo mesmo! Como diz a m√ļsica de Lulu Santos: “Voc√™ vive me dizendo que o pecado mora ao lado, favor n√£o entra nessa que um dia ainda te explico direito.” Incr√≠vel como mulher se incomoda com a roupa da outra!   CANSEEEEEEEEI, POXA!!! SE TEU MARIDO T√Ā PAQUERANDO OUTRA MULHER NA TUA CARA, ELE N√ÉO TE RESPEITA, PAQUERA UM HOMEM INTERESSANTE E MANDA ELE PRA MERDA, O FAZ EXPERIMENTAR DO MESMO VENENO POW! CHUMBO TROCADO N√ÉO D√ďI!NINGU√ČM FERI SEM SE FERIR! SE GARANTA! SEJA CAPAZ DE OLHAR UMA MULHER BONITA E N√ÉO FICAR INSEGURA! Manda para merda um relacionamento que n√£o est√° te acrescentando em nada, para de ser amarga e vai ser feliz!! Eu amo mulher bonita, fico louca admirando, embora n√£o goste da fruta, acho que √© a obra mais maravilhosa de Deus. Mulher √© linda demais e quando est√° amando e feliz √© verdadeiramente bela, n√£o importa sua massa corporal, cor de pele, n√≠vel social e por ai se vai. Importa o que voc√™ tr√°s de dentro, sua energia. Se tiver baixa, se tornar√° antip√°tica, cr√≠tica. Mas quando est√° alta, √© maravilhoso aprender um pouco mais com aquelas mulheres que s√£o lindas independentes e que sabem gozar a vida, da forma em que gostam. Se estiverem infelizes devem chutar o pau da barraca, ao inv√©s de viverem de fachadas com medo das opini√Ķes alheias, apenas vivam e v√£o √† luta. Enfim, cague e ande para as opini√Ķes alheias e viva! Assim estou fazendo eu! A vida √© curta e quando a pessoa morre, √© um adeus, UM CHORO NA HORA, e vida que segue, at√© as roupas de quem morreu, as pessoas querem dist√Ęncia e medo de olhar at√© para as fotos. Se tiver grana, ou uma coisinha pra dividir, come√ßa a briga pelos bens. Enfim, assim estou eu fazendo, CAGANDO E ANDANDO PRA MUITA GENTE!!!!!!
  
Boas defecadas “cagadas” e andadas!
Iracema Correia







s√°bado, 19 de setembro de 2015

30 COISAS PARA FAZER AO INV√ČS DE SE APAIXONAR NOVAMENTE...



Para quem deseja dar um tempo entre rela√ß√Ķes, abaixo est√£o algumas sugest√Ķes para curtir um pouco mais a si pr√≥prio.
Iracema Correia


1. Aprender uma nova l√≠ngua. Baixar um aplicativo de l√≠nguas, conseguir um parceiro de conversa√ß√£o ou um dicion√°rio bil√≠ng√ľe e for√ßar sua mente em uma nova forma de compreender outras pessoas.
2. Ir para um pa√≠s distante por um per√≠odo indeterminado de tempo. Voltar quando sentir vontade, ou nunca mais voltar.
3. Tirar carteira para motos. Alugue uma moto e ande pela cidade quando quiser se sentir “fod√£o”.
4. Entrar na melhor forma de sua vida. Apreciar o seu corpo n√£o apenas pela forma como ele √© visto atrav√©s dos olhos de outra pessoa, mas como √© visto por voc√™. Saiba seus novos limites f√≠sicos, e depois supere-os novamente.
5. Visitar um amigo que se afastou – o que voc√™ sempre diz que vai visitar, mas nunca realmente vai.
6. Aprender a tocar um instrumento. Dedique uma hora por dia para praticar e assistir-se melhorar. Crie um canal no Youtube, para sentir-se inspirado.
7. Seja volunt√°rio em algum lugar. Se voc√™ est√° cansado do mundo dentro de sua pr√≥pria mente, comece a dedicar o seu tempo a uma causa que n√£o te envolva. Perceba que h√° um universo inteiro fora de sua casa e que ele precisa de sua ajuda.
8. Aprenda a mergulhar, escalar, ou asa delta. O que voc√™ achar mais legal.
9. Tornar-se financeiramente independente (se ainda n√£o for). Perceba que o dinheiro n√£o compra felicidade, mas com certeza compra a paz de esp√≠rito, e isso √© um conceito similar.
10. Come√ßar ioga. Torne-se uma daquelas pessoas que postam fotos em determinada posi√ß√£o em um penhasco no por do sol e sentem absolutamente zero de vergonha nisso.
11. Escrever um livro. Todos n√≥s temos algo para contar.
12. Voltar para a escola. Receba uma boa educa√ß√£o de qualquer escola que puder ir, sem se preocupar com a dist√Ęncia.
13. Comprar um pijama confort√°vel e uma caneca bem grande para preencher com ch√° e aprender a consolar-se nas noites em que estiver sozinha.
14. Dormir o dia inteiro se quiser. Fique tranquilo, mas n√£o muito.
15. Planejar seu futuro sem restri√ß√£o. Permita que a sua imagina√ß√£o corra solta e perceba que n√£o h√° muito te impedindo de tornar esses sonhos uma realidade.
16. Cometer um grande, enorme, gritante erro. Invista dinheiro em algo tolo. Namore uma pessoa terrivelmente errada para voc√™. Perceba que apenas voc√™ √© respons√°vel por si mesmo. E que ainda tem muito tempo para fazer as coisas direito.
17. Ir para casa e passar algum tempo s√©rio com sua fam√≠lia. Conhe√ßa-a como pessoas, como adultos e como amigos.
18. Sair com os amigos e ficar fora at√© o sol nascer
19. Espalhar seu sono pela cama.
20. Escolher algo sobre o qual se interesse, ir a biblioteca local e conferir todos os livros que puder encontrar sobre o assunto. Leia todos eles. Torne-se um especialista.
21. Tornar-se √≠ntima com seu pr√≥prio corpo.
22. Fazer amigos que compartilham seus interesses.
23. Abrir sua casa para intercambistas. Se voc√™ n√£o pode se dar ao luxo de viajar, tenha essa experi√™ncia para fazer amigos de todo o mundo.
24. Aprender a dan√ßar. Mantenha seu corpo em movimento.
25. Redecorar a sua casa, apartamento ou quarto. Pinte-o de uma cor voc√™ que nunca pensou.
26. Treinar para uma maratona. Em seguida, realiz√°-la.
27. Aprender a cozinhar tr√™s refei√ß√Ķes muito bem. Impressione os amigos com esses tr√™s pratos para basicamente o resto de sua vida.
28. Identificar uma coisa da qual voc√™ tem medo e faz√™-la.
29. Praticar medita√ß√£o. Ficar confort√°vel estando a s√≥s com seus pensamentos e ouvindo o que est√£o tentando dizer.
30. Pegar todas as caracter√≠sticas que deseja em um parceiro e cultiv√°-las em si mesmo. H√° uma pessoa com quem voc√™ definitivamente passar√° o resto de sua vida: voc√™. Ent√£o, torne-se um √≥timo companheiro.
 Fonte:http://thesecret.tv.br/2015/09/30-coisas-para-fazer-ao-inves-de-se-apaixonar-novamente/

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

As Mil e Uma Noites


Especialmente emocionada, acompanhei a novela Turca Mil e Uma Noites, como sou apaixonada por dramaturgia, as artes c√™nicas, entre outras artes, me cativam, em especial. Enfim, amo e respiro a arte. Esta novela me emocionou, principalmente o final. Durante os epis√≥dios, foram altos e baixos e mudan√ßas de comportamento muitas vezes estranhos para protagonistas, nos fazendo ver que essa coisa de mocinha e bandido √© uma vis√£o ultrapassada e manique√≠sta e  que,dependendo das circunst√Ęncias, poderemos nos tornar bandidos tamb√©m. N√£o houve um apelo sexual, por vezes, exagerou na dose com rela√ß√£o a assassinatos, mas isso, j√° no terceiro epis√≥dio. Uma vez que a novela l√° na Turquia fora uma s√©rie com tr√™s epis√≥dios. A forma como a mulher √© vista na Turquia, dualidades, percebi na novela que tendo ela posses, sendo esposa de um rico parece que exerce grande poder, √© chamada de m√£e at√© pelas noras. Acredito que no caso das fam√≠lias mais tradicionais. O deixar o sapato sujo da rua ao entrar em casa, o jogar √°gua no caminho em que um parente sai para viajar e por ai se vai. A quest√£o dos castigos impostos √† mulher ad√ļltera, √† mulher que se prostitui. Enfim, me emocionei no √ļltimo cap√≠tulo. A novela n√£o foi capaz de me viciar, bom,pois n√£o consigo me prender muito tempo a enredos. Mas foi boa o suficiente para me fazer reservar 30 minutos as vezes at√© 10 minutos do meu precioso tempo e apreciar a obra. Linda, muita linda. S√≥ sab√≠amos que mulheres engravidaram, que casais se beijaram, mas uma"cortina" se passava e o resto ficava por conta da nossa imagina√ß√£o. A m√ļsica de abertura, a ´√ļnica por sinal: Eu s√≥ queria te amar. Bel√≠ssima muito bem interpretada numa voz doce e forte. Emocionada com o final. Segue o conto em que se baseou a novela. E boa leitura!
Iracema correia

NARRAR PARA NÃO MORRER:

Contam que há muito tempo, havia um rei chamado Schahriar, que era capaz de governar sobre a terra, o mar e os céus.
Um dia, quando voltou da caça, Schahriar descobriu que sua esposa o enganava com um de seus escravos. Não pode acreditar no que via e matou sua esposa imediatamente.
Desde ent√£o, toda vez que falava das mulheres, ele dizia: “Amigo, n√£o acredite nas mulheres. Ria de suas promessas… ”
Schahriar acreditava que as mulheres eram ingratas e infiéis.
Dormia cada noite com uma jovem diferente e assim que amanhecia, lhe cortava a cabeça. Odiava tanto as mulheres que as mães entre seu povo tinham medo de ter filhas que pudessem sofrer em suas mãos.
Um dia a jovem filha do vizir, Sherezade, decidiu proteger as mulheres jovens das m√£os do malvado rei. Pediu a seu pai que por favor, a entregasse como esposa para o rei Schahriar. O bom vizir aceitou o pedido e, entre l√°grimas, entregou sua filha.
Naquela noite, Scherezade dormiu no colo do rei e começou a lhe contar um maravilhoso conto, mas quando começou a amanhecer, Sherezade interrompeu o conto na parte mais interessante.
Schahriar não deixou que cortassem a cabeça de Sherezade, pois queria saber o final do belo conto que tanto o havia cativado.
Sherezade lhe contou contos durante mil e uma noites, sempre os interrompendo ao chegar o amanhecer. No fim dessas mil e uma notes, Schhariar se convenceu de que nem todas as mulheres eram ruins como ele acreditava, e se casou com Sherezade.
Esses maravilhosos contos que Sherezade contava ao rei nessas noites intermin√°veis s√£o os contos das mil e uma noites.

*Você pode ler o livro em PDF online no link abaixo onde copiei este resumo.
Boa leitura
Iracema Correia
http://mileumanoites.net.br/2015/03/a-origem-dos-contos-de-as-mil-e-uma-noites/

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

OBSERVE mais e veja MENOS!!



Observar √© muito mais do que ver com os olhos f√≠sicos. Observamos situa√ß√Ķes, fazendo an√°lises mentais, sem nem mesmo estarmos nelas, fisicamente. √Č algo que a intui√ß√£o e a experi√™ncia nos ensinam, independente da idade. Isso porque creio que a maturidade √© algo que necessariamente n√£o est√° relacionada com os anos vividos, mas sim com o que fazemos destes anos e como o aproveitamos. √Č muito comum, observarmos pessoas, com idades biol√≥gicas iguais e com comportamentos completamente diferentes, idades mentais em tempos diferentes. Alguns, querendo curtir uma adolesc√™ncia n√£o vivida, homens comprometidos desde a adolesc√™ncia querendo pegar todas, pois n√£o viveu o que tinha de viver, enquanto outros sendo s√©rios demais para a idade, entre tantos exemplos. Nada contra, cada um sabe o que √© melhor para si. A capacidade da observa√ß√£o √© maravilhosa. Quando temos como aliado o autoconhecimento, conseguimos silenciar a mente e adquirir o √™xtase no sentido de afastamento f√≠sico de uma situa√ß√£o e passamos a enxerg√°-la de longe e ainda ver os atores no palco da vida. Quando somos observadores, conseguimos ter sensa√ß√Ķes, o que alguns chamam de ser sensitivo. O tempo e o autoconhecimento aperfei√ßoam isto, quando queremos, ao ponto de come√ßar a “sentir” e entender uma situa√ß√£o, sem nem mesmo estar presentes nela. √Č incr√≠vel como neste mundo de imagem, surge a necessidade de tudo que √© visto com os olhos f√≠sicos ser considerado digno de confian√ßa. Qualquer situa√ß√£o pode ser simulada e nem sempre o que vemos, nem sempre, √© o que √©. Pessoas t√™m a capacidade de fazer um marketing pessoal t√£o eficaz que a olho “nu”, nos apaixonamos e at√© endeusamos se for o caso, por√©m quando nos aproximamos mais de perto, convivemos por um certo per√≠odo e passamos a observar bem as suas a√ß√Ķes, em muitos casos, o que vemos, s√£o egos obesos e mente anor√©xicas. Muita infantilidade falta de maturidade diante de situa√ß√Ķes diversas. De fato, s√≥ conhecemos uma outra pessoa atrav√©s da conviv√™ncia e das circunst√Ęncias. Por isto ocorre muita decep√ß√£o em relacionamentos. Acreditam no que v√™em, na imagem apresentada ao olho f√≠sico. E come√ßam a criar grandes interroga√ß√Ķes nas suas mentes, d√ļvidas, pois n√£o conhece quem de fato, est√° ao seu lado. Pessoas vivem buscando “ver” em celulares, liga√ß√Ķes, fotos e mensagens que possam lhe dar ind√≠cios de quem √© a pessoa com a qual est√£o envolvidos quer como amores, amigos, entre tantas rela√ß√Ķes. Como n√£o podem inserir um chip na pessoa com a qual est√° envolvida, chegam ao extremo de colocarem vigias para segui-las, monitorarem-nas, vasculham e policiam as suas redes sociais, pedem para amigos bater papos com elas, fingindo serem outras pessoas, batem plant√£o na porta da casa, chegam de ponta de p√© em casa para poderem ouvir conversas e por ai se vai. S√£o pessoas doentes que precisam ver para entender as coisas que se apenas observassem, se tivessem a capacidade da observa√ß√£o agu√ßada, conseguiriam perceber sinais de longe. Esta imaturidade acaba por fazer a pessoa crer que o outro lhe pertence. E, portanto, deve ser monitorado com um bem f√≠sico que pode ser tomado de assalto. Ningu√©m pertence a ningu√©m e quando chegamos a este ponto, entramos numa dan√ßa doentia e perigosa. Fazemos bem em evitar estes tipos de relacionamentos. Na verdade, ningu√©m rouba ningu√©m. Deixamos ser “roubados” por n√≥s mesmos quando fechamos os olhos √† realidade. Paramos de observar o nosso comportamento em rela√ß√£o ao outro e o comportamento do outro em rela√ß√£o a n√≥s mesmos. O outro d√° sinais, muitas vezes n√£o vis√≠veis, mas com uma boa observa√ß√£o sentimos, quando estamos sendo agrad√°veis, amados, queridos, etc. S√≥ n√£o enxergamos quando n√£o queremos. Nem sempre o que vemos com os olhos f√≠sicos constitu√≠sse uma verdade absoluta. O palco da vida talvez seja mais complexo do que pensamos. Basta observar, n√£o apenas ver. Por isto estou percebendo tudo e s√≥ observo.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Te encontrei ! – Mais uma vez! (para a nossa alegria!)





E ent√£o na minha caminhada natural, o noto sentado sem camisa, apreciando o nascer do Astro Rei. O suor em got√≠culas se espalhando pelo corpo malhado. O que fazer? Penso eu. Procurar conversa seria muito √≥bvio! Alongo-me desta vez, bastante, at√© demais, dando tempo, pra surgir uma ideia, oportunidade, sei l√°! Dou uma discreta olhada para os lados e continuo a caminhada, pensando comigo mesmo: “Burra! Porque n√£o falou com ele? “ E a minha outra eu,  puritana dizia : “ N√£o pode! Deixa ele tomar a iniciativa! Vai perder o gosto da conquista!” “ Que gosto da conquista que nada! – retrucava a eu “prafrentex”- Homens j√° n√£o s√£o mais assim, gostam de mulheres de atitude! “- E enquanto as minhas “eus” dialogavam na minha cabe√ßa numa bipolaridade total, eis que percebo algu√©m correndo atr√°s de mim. N√£o, n√£o correndo atr√°s de mim, como se quisesse me pegar, quer dizer, ser√°? (d√ļvida no ar). Fazendo o exerc√≠cio da corrida e logicamente estava na posi√ß√£o detr√°s de mim e, surpreendentemente, ouvi mais um bom dia delicioso e a agrad√°vel pergunta: “Prefere caminhar? N√£o gosta de correr?” Dentro de mim eu pensava: “ Com voc√™ eu corro as tr√™s Am√©ricas de norte a sul coisa linda da mam√£e!”. Ai! Mas que cantada boba, grotesca! N√£o falei (gra√ßas a Deus! Ufa!), apenas com uma voz quase rouca que n√£o saia, embolei palavras que nem eu sei o que e como falei, mas lembro-me, “vagamente” que informei para ele que a caminhada era mais confort√°vel para mim, ainda n√£o poderia for√ßar os exerc√≠cios. E ele me disse ofegando, por causa da corrida: “Ok, fa√ßa o que te faz bem e v√° ao seu ritmo, agora preciso correr mesmo, fiquei apreciando a beleza da paisagem e perdi a hora, preciso trabalhar!- Deu uma discreta piscada por baixo dos olhos num sorriso discreto e disse: Boa caminhada! Tchau!”. Morri! Bateu-me uma tontura! Jesus! Lembrei-me daquele trecho da m√ļsica: “De tanto levar frechada do seu olhar, meu peito at√© parece sabe o qu√™? T√°bua de tiro ao alvaro, n√£o te mais onde furar. Teu olhar mata mais do que bala de carabina, do que veneno estriquinina do que peixeira de baiano...” Imagine que s√≥ foi uma olhada! Falta de ar!  Uma d√ļvida cruel subia na minha cabe√ßa: Esta paisagem seria o nascer do sol ou (...) ficou algo subentendido! Hum... Como estas coisas s√£o capazes de nos deixar com sorriso bobo! Mas onde ser√° que aquela beldade trabalha? Quem tem o privil√©gio de conviver com aquela paisagem, sim que bela obra de arte meu Deus! Terminei a minha ent√£o “boa” caminhada, volto para casa animad√©rrima. Nunca senti tanta vontade de acordar cedo e malhar!


To be continued

Iracema Correia

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Tape os ouvidos e realize os seus sonhos.






Este texto √© uma compara√ß√£o com a nossa vida. No √≠mpeto de realizar nossos desejos, pedimos opini√Ķes alheias ou at√© sem pedir, ouvimos coment√°rios desastrosos. Principalmente quando n√£o recebemos motiva√ß√£o alguma para atingir nossos objetivos e o pior, ser considerado um louco ou sonhador. Ao longo do texto pontuo as minhas impress√Ķes. Portanto o grifo em vermelho √© meu. Iracema Correia



A história do sapo surdo

Todos os anos, na floresta das √°guas, havia uma grande festa sempre quando chegava o inverno.
Todos iam para uma lagoa e l√° faziam diversas competi√ß√Ķes. Ent√£o veio a surpresa.
Quando todos os animais estavam presentes, perceberam no centro da lagoa uma enorme construção coberta. Então várias folhas foram puxadas e apareceu no meio da lagoa uma grande torre.
A multid√£o de animais aplaudiu.
Era a competição da subida dos sapos, uma novidade naquele ano. O primeiro sapo a chegar ao alto da grande torre seria o sapo vencedor.
Muitos sapos pularam na água, cem, duzentos, trezentos. Então começaram a saltar na torre para escalá-la. (Para tudo na vida a concorrência é grande, sejamos nosso maior concorrente, vencer a nós mesmos.)
Mas a torre era alta e lisa e a maioria dos sapos começaram a cansar e desistir. (A persistência, foco e disciplina nos ajudam a tornarmos vencedores.)
A multidão que não queria nenhum vencedor passou a gritar: (Normalmente as pessoas querem ver você bem, mas nunca melhor do que elas.)
– Vai cair, vai cair, vai cair!
E caíam de dez a vinte sapos de vez. A multidão ria. (Ouvir muito a opinião alheia é dar para eles combustível para continuar fazendo críticas.)
E o tempo ia passando. Agora, a multidão gritava alegre fazendo espetáculo, bastava ver um sapo se destacar na subida e o coro ficava mais alto. (Quanto mais você vence mais alvo de críticas se torna.)
РCai, cai, cai Рe lá iam os sapos caírem. Muitos sapos cansados já nadavam para as margens e saíam da lagoa.
A multidão ainda gritava para os poucos que restavam então um dos sapos começou a se aproximar do cume da alta torre.
A multidão percebeu e começou a gritar ainda mais alto:
– Vai cair, vai cair, vai cair!
Finalmente, o sapo chegou ao cume e se tornou campe√£o.
Raivosa e cheia de inveja daquela façanha, a multidão quis saber o mistério do campeão. (Depois que você vence começa a brilhar e despertar admiração daqueles mesmos que te criticavam.) A resposta foi dada por seu primo que disse a uma garça repórter: ele é forte, só tem um defeito, é surdo.
Moral da hist√≥ria: Acredite em si, lute, a inveja e o negativismo alheio s√£o nossos piores inimigos. Pense nisso!




segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Eu te encontrei !



      Bom mesmo √© quando n√£o procuramos. Semelhante atrai semelhante.
    Hollywood √© culpada por tudo isto. Nas com√©dias rom√Ęnticas o amor simplesmente acontece num esbarro, numa briguinha de estacionamento e por ai se vai.
    Eu te encontrei caminhando e √© claro, n√£o deixo voc√™ perceber, mas √© l√≥gico que admiro seu porte atl√©tico, sua seriedade que me estremece de desejo. N√£o, voc√™ n√£o √© metrossexual √© s√≥ um cara que se ama e se cuida. Moreno alto, cabelos negros como a noite, barba por fazer, discreto e lindo, simplesmente lindo. Uma beleza misturada com eleg√Ęncia e sutileza que me olha discretamente por baixo dos olhos me deixando na d√ļvida se de fato “olhou ou n√£o olhou?”. Volto para casa empolgad√≠ssima para mais uma nova caminhada matutina, sozinha √© claro.
    O dia acorda e eu tamb√©m, desta vez, com um leve passar de batom, discret√≠ssimo, s√≥ para destacar os l√°bios mais ainda, antes de me exercitar, dou aquela fingida de que acordei despojada, despojada nada, deixei o cabelo arrumado para o outro dia e amarrado num alto rabo de cavalo, com fios soltos, para demonstrar que suei muito, correndo, mas correndo mesmo, curiosa para encontrar aquele gato que fez o meu dia ficar mais delicioso sem querer. L√° de longe ele aparece, com aquele bermud√£o preto, camisa nas m√£os e o corpo todo suado. As gotas de suor passeando naquele corpo maravilhoso, a espera de uma pegada matinal perfeita. Olho discretamente nos dedos e n√£o vejo “o anel de saturno” nem as sombras dele. Uau! Bom come√ßo! Cumprimenta-me com um bom dia macio. Ah! Esta barba por fazer, este olhar por baixo, fiquei tonta, vou parar e tomar um f√īlego. Como um Bom Dia pode mexer tanto com uma pessoa! E amanh√£? Amanh√£ √© outro dia, avan√ßaremos na “negocia√ß√£o”.

To be continued
Iracema Correia




domingo, 6 de setembro de 2015

Ser MULHER ser INDEPENDENTE ser DELICADA...




“Dizem que a mulher √© um sexo fr√°gil, mas que mentira absurda. Eu que fa√ßo parte da rotina de uma delas, sei que a for√ßa est√° com elas...” Erasmo Carlos

Quando se √© independente, encontrar o equil√≠brio entre ser dependente e esperar a resolu√ß√£o de algo por algu√©m √© muito desafiador. Principalmente quando temos caracter√≠sticas de pro atividade, o que √© o meu caso. Decido as coisas com praticidade e se poss√≠vel, para ontem. Um misto de “Para√≠ba masculina mul√© macho sim senhor” com “sexo fr√°gil que n√£o foge a luta”. Complicado mais ainda √© quando percebemos que a pessoa na qual dependemos temporariamente, n√£o faz jus ao que esperamos dela. No caso o agir para a tomada de decis√£o. Unir estes dois mundos √© literalmente um INFERNO se √© que este existe, mas na mitologia ou n√£o √© para se fazer ideia do que pode significar. Quando acostumamos a n√£o depender de criatura nenhuma abaixo de Deus, √© complicado demonstrar um m√≠nimo de subservi√™ncia ou at√© mesmo, deixar passar a vez. Se n√£o houver cuidado, queremos resolver os problemas dos filhos, deixando estes acomodados ou sem rea√ß√£o para com a vida. Lideramos a casa, deixando o marido de bra√ßos cruzados e se j√° tiverem esta tend√™ncia, ser√° um prato cheio para uma rela√ß√£o  sem equil√≠brio, onde um se doa demais. A menos que haja combinados. H√° mulheres t√£o independentes que ficam sem gra√ßa quando cortejadas por homens que sabem ser cavalheiros (gra√ßas a Deus ainda existem tais, assim como ainda existem mulheres rom√Ęnticas tamb√©m , embora independentes.). √Č muito comum alguns homens confundirem o fato de uma mulher ser independente e ao mesmo tempo acreditarem que ela n√£o curtiria ser tratada com carinho, presenteada, enfim, sou independente, mas ainda gosto do “amante amo a moda antiga, do tipo que ainda leva flores, que apesar do velho t√™nis e da cal√ßa desbotada, ainda chama de querida a namorada.
    A economia e as circunst√Ęncias obrigaram as mulheres ao mercado de trabalho. Umas desejam a competitividade com os homens, sal√°rios iguais que no caso, deveria ser at√© maior, devido √† dupla jornada de trabalho, liderar empresas, grupos empresariais, etc. e tal. Ma isto, tenho certeza que nunca as deixaram mais masculinizadas, at√© porque, tenho certeza de que h√° homens tamb√©m que desejam ser tratados com carinho e aten√ß√£o, como canta Erasmo Carlos:

 “Quando eu chego em casa √† noitinha
Quero uma mulher só minha
Mas pra quem deu luz n√£o tem mais jeito
Porque um filho quer seu peito

O outro j√° reclama a sua m√£o
E o outro quer o amor que ela tiver
Quatro homens dependentes e carentes
Da força da mulher
 Sou destas, d√īo o que desejo receber. E sinceramente, a independ√™ncia me torna mais feliz, √ļtil, realizada. Em contrapartida, o carinho e a aten√ß√£o de um homem rom√Ęntico, maduro, honesto, que sabe o que quer e sabe o valor de uma MULHER, complementam esta realiza√ß√£o de forma perfeita. “Mulher, mulher, do barro de que voc√™ foi gerada, me veio a inspira√ß√£o pra decantar voc√™ nesta can√ß√£o.
    Independ√™ncia e sorte para todas as mulheres “arretadas” que apesar de puxarem muitas responsabilidades em suas costas, n√£o perderam a feminilidade e o sonho de serem amadas o quanto merecem.


Iracema correia

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Filhos...





Ser mãe é padecer no paraíso!
Filho é um pedacinho do nosso coração que sai para outro corpo.


   Duas frases que resumem o sentimento que considero mais nobre. Quando falo m√£e √© no sentido mais puro da palavra. Pois h√° M√ÉES e m√£es. Mas √© por estas M√ÉES como eu que estou discorrendo agora. Li uma mat√©ria em que a maioria das m√£es sente culpa por tudo. Culpa por n√£o poder dar o melhor ao filho ou filha, por n√£o ter tempo e por ai se vai. Sei muito bem o que √© isso. Quando tenho que dizer n√£o e estabelecer o hor√°rio para dormir e ver a cabecinha baixa chorando porque queria ficar mais um pouco acordada. Mas √© pensando no bem das nove ou dez horas de sono boneca que a mam√£e faz isso! √Č para voc√™ amanh√£ n√£o ter problemas s√©rios de sa√ļde por conta de noites mal dormidas. O cora√ß√£o de m√£e fica pequeno quando v√™ o olho vermelho de sono, mas a insist√™ncia do bebez√£o em querer resistir. Depois olho para a cama e fico morrendo de pena. Pensando: Ser√° que fui muito dura? Ser√° que deveria ter ido para cama junto? Mas eu estava t√£o cansada hoje que n√£o ag√ľentei. Enfim, queremos ser super hero√≠nas. Deixar de amamentar ent√£o para mim foi terr√≠vel! Foram tr√™s anos muito bem sugados! ( rsrsrs) Mas parei por recomenda√ß√£o m√©dica porque se dependesse de mim, n√£o estava nem ai. Sempre fui destas m√£es que amamentava em qualquer lugar, desde que ela estivesse bem. At√© hoje me emociono quando vejo uma crian√ßa mamando. Choro de emo√ß√£o. O contato com a m√£e o olho no olho, a depend√™ncia e os “contratos” afetivos ali firmados. Coisa divina!
    M√£e sente culpa. E em alguns casos sim, deve ter precau√ß√Ķes, ser mais atenciosa com certas coisas, examinarmos a cada dia nossas a√ß√Ķes com nosso pequerruchos. A crian√ßa costuma reproduzir o ambiente, por isto √© sempre bom atentarmos para o comportamento dela para assim observarmos o que estamos passando para elas. Se a crian√ßa grita demais, certamente ela est√° sendo gritada ou at√© n√£o ouvida. E essa coisa de n√£o ser ouvida √© extremamente perigoso. Lembro-me quando pequena, por volta dos seis anos que avisei aos meus respons√°veis que eu e a minha “irm√£zinha” mais nova, (sobrinha) est√°vamos apanhando da ent√£o bab√°. Eles preferiram n√£o acreditar, por se tratar de uma pessoa que passava muita confian√ßa. Mais adiante,  com a minha sa√≠da da casa, esta pessoa piorou o tratamento com a minha irm√£zinha ( sobrinha) e depois de tantos anos, ela foi demitida. Assim como foi isto, poderia ser um caso mais grave de abuso sexual ou sei l√° coisa pior.
    Tr√™s seres que tenho verdadeira paix√£o e sinto que devemos zelar e escutar: As crian√ßas, os idosos e os animais. Machucar um incapaz de se defender √© de uma maldade insuport√°vel.
    Sempre pedindo a Deus sabedoria, para tomar decis√Ķes pautadas em princ√≠pios e √©ticos, racionais. Criar  filhos e ser separado √© demasiadamente desafiador. Ent√£o l√° vem a culpa por n√£o ter sido forte o suficiente para manter uma fam√≠lia completa para os filhos, por afastar um dos pais deles. Depois a gente para e pensa. Fam√≠lias que se dizem completas, mas “desfuncionalizadas “ ou seja, m√£e que n√£o faz papel de m√£e, pai de enfeite e por ai se vai. Muitas fam√≠lias sem pai nem m√£e acabam dando mais certo. Ou com av√≥s etc. e tal.
   Perigo grande √© se envolver com outra pessoa e permitir que a mesma tenha liberdade para entrar e sair na nossa casa quando temos filhos. Abrir bastante os olhos porque cora√ß√£o de gente √© terra que ningu√©m vai. A crian√ßa √© incapaz de se defender mas d√° sinais que para enxergarmos precisamos estar atentos. H√° muitos casos de pais, padrastos que abusam e violentam os menores e m√£es que alegam n√£o ter percebido nada. Um pouco de precau√ß√£o nunca √© demais.
    No mais , tendo cuidado com a alimenta√ß√£o, a sa√ļde, a amizades, a educa√ß√£o, os pensamentos, o cabelo ( no caso da menina ainda tem isso), os namoradinhos ou namoradinhas, o comportamento, as pessoas que colocamos na nossa casa, o que assistem, a internet, a hora de dormir, a espiritualidade, etc. ( s√≥ isso, mas acho que esqueci de mais alguma coisa). Na verdade, criar outro ser √© privil√©gio divino. Nossos filhos s√£o a heran√ßa de Deus. E como toda heran√ßa devemos zelar e saber que mais tarde, prestaremos contas ao pr√≥prio Deus. Portanto sempre √© primordial pedir a ELE sabedoria, at√© naquelas horas em que a vontade √© de dar umas palmadas, conta at√© dez e pede sabedoria, Deus responde na hora. Por vezes nos irritamos com t√£o pouco e deixamos o t√£o grande para l√° e a crian√ßa percebe. N√£o √© f√°cil ser m√£e ou pai. Mas que √© gostoso demais, isso √©!

Que Deus encha de luz, prosperidade e muita proteção os nossos filhotinhos!
Paz e amor à todos!
Iracema Correia