quarta-feira, 27 de abril de 2016

Socorro!

Nesta vibe


Que não tardemos em escrever uma nova história.



Somos autores da nossa própria história. Em parte concordo, em parte não. Somos senhores do nosso destino no presente momento em que tivermos condições emocionais e mentais de entender e perceber o mundo que nos gira. Sermos capazes de olhar como que de fora, diante de uma situação, se afastar dela para podermos então resolver as incógnitas que a vida nos oferece. Normalmente, as crianças no ensino fundamental 1 não costumam aprender sentenças matemáticas complexas envolvendo álgebras, no máximo com uma incógnita, justamente para que elas compreendam a oposição entre as operações matemáticas. Isto porque, segundo estudos diversos, é por volta do alvorecer, ( normalmente), da adolescência, que começam as formulações de hipóteses. É onde o tal "aborrecente" começa a questionar tudo num nível de autoridade compatível a uma pessoa bem vivida e por vezes costumam nos assustar, em alguns casos, porque superam alguns adultos, até os pais, na capacidade lógica e fria de racionalizar e fornecer respostas para problemas que outrora eram complexos para nós. E rimos, principalmente se forem nossos rebentos.
     Infelizmente, muitos de nós enterramos a nossa vida na infância e adolescência, e o tempo passa, e não permitimos crescer. Estamos apegados ainda a visão fantasiosa que fizemos da vida e do mundo. Quando criança, é normal sonhar, fantasiar até um certo limite. Quando adolescente, questionar, se rebelar, buscar um grupo de identificação, chorar, gritar, apaixonar-se perdidamente, etc. Muitos não conseguem ter adolescência e sim apenas a puberdade. Adolescentes forçados a "amadurecer" antes do tempo e como toda fruta forçada ao amadurecimento, não compreendem o verdadeiro sabor da vida. Outros são protegidos como que dentro de uma bolha, pelos pais, religião, etc. , também ficam abafados, como uma mola apertada nas mãos que de repente quando abrimos a mão, ela sai pulando para todos os lados. Bom mesmo, é viver todas as fases no seu tempo. Não quero dizer assim que devemos abandonar a nossa criança interior, mas aprender a olhar o mundo com os olhos menos fantasiosos, bobos de uma criança que ainda é levada por um estranho que lhe é oferecida uma bala  e ela acredita e julga que aquela pessoa é boa, quando pode ser um monstro por dentro. Para isso, precisamos alertar e cuidar desta criança.
     As nossas pessoinhas aqui, dentro de nós, precisam de constantes alertas. Precisamos nos lembrar constantemente que nem toda oferta de doce é um carinho em si, que o bicho papão não aparece quando apagamos a luz, que muitos medos estão dentro das nossas cabeças, que não somos mais aquele ou aquela adolescente taxada de rebelde ou superprotegidos pelos pais. Que na vida, nem sempre a frieza do oito ou oitenta funciona, nem tudo  Que não somos a formação religiosa da nossa família. Enfim, libertarmos-nos.
     Segundo rege a nossa Justiça, a partir dos onze ou doze anos, a criança pode escolher com qual membro da sua família prefere ficar, em caso de separação. A sua idade já lhe permite arrazoar. Que possamos, juntos com o nosso adolescente interno, fazer escolhas com base no que nos faz bem, sem a pressa da adolescência que insiste em pensar que tudo precisa se resolver hoje, mas com a maturidade de um adulto que acordou para a vida e entendeu o que passou na sua história e prefere hoje, escrever com uma nova tinta e caligrafia, o seu novo caminho.
    Nem sempre somos nossos senhores...mas tudo na vida passa. E que bom que passe e vá embora, levando consigo seus efeitos.       


Obrigada pela leitura.
Iracema Correia  

quarta-feira, 20 de abril de 2016

A receita da vida é não ter receita pronta.




Porque repetimos histórias tão semelhantes em nossas vidas. Será carma meu Deus? Por vezes parece, até para quem nem conhece a teoria do reencarnacionismo. Uma sucessão de desventuras como a tal roda gigante. Um ciclo de acontecimentos parecidos que nos fazem por vezes concluir,  que não temos sorte na vida, no amor, nas amizades, entre tantos setores. Enfim, a vida esta aí para aproveitarmos dela o melhor que pudermos, usando nossas faculdades de raciocínio da melhor forma. Aproveitando os aprendizados. E que os dias vividos sejam acrescidos de sabedoria, aprendizados, até alcançarmos a tal maturidade. Que não necessariamente vem sempre com o tempo,  mas sim com o que fazemos deles. As lições existem para serem aprendidas. Os erros como uma forma de saber como não devemos conduzir algo. E acima de tudo, seguirmos a intuição do nosso coração que nos orienta onde realmente poderemos sentir completos. Somos seres únicos e as experiências alheias assim como as roupas, nem sempre nos servem. Na verdade precisamos mudar as atitudes, a fim de encontrarmos resultados diferentes. As vezes o que precisa mudar é apenas um ingrediente a fim de obtermos um resultado satisfatório na nossa vida. As vezes, a receita toda. Só nós saberemos no fim de tudo, qual receita utilizar. Mas com certeza, receitas prontas não têm o mesmo sabor do que aquela criada naturalmente por nós mesmos.

Iracema Correia

terça-feira, 19 de abril de 2016

4 coisas simples, difíceis de fazer quando se tem fibromialgia



A Fibromialgia (FM) e a Síndrome da Fadiga Crónica (SFC) podem afetar cada área da nossa vida, incluindo as tarefas mais básicas da nossa vida quotidiana. Às vezes conseguimos ser surpreendidos pela dificuldade que temos em fazer coisas em que, normalmente, nem pensávamos que estávamos a fazer.

Falando com várias pessoas com a doença, foram identificadas 4 rotinas diárias que, frequentemente, se tornam complicadas, por causa dos diversos sintomas que nos afetam. É importante que os doentes saibam que não estão sozinhos e que mais companheiros sentem isto.

Higiene diária
Básico, certo? Levantas-te, tomas chuveiro, penteias o cabelo e tentas ficar o mais apresentável possível antes de sair de casa e encarar o mundo. Certo?
Para nós não é assim tão simples.

Primeiro, o chuveiro: o calor pode fazer-nos sentir tonturas e ativar a nossa hipersensibilidade à temperatura, o que leva ao aparecimento de outros sintomas. A água em chuveiro, para muitos de nós, é dolorosa para a pele, a qualquer temperatura. Este sintoma chama-se alodinia, e é caracterizado pela sensação de dor a estímulos (normalmente) não dolorosos.
Ficar de pé a tomar o chuveiro e usar vigorosamente os braços para lavar a cabeça causa-nos dor muscular e cansaço. Muitos de nós optam pelo banho de imersão, para contornar estes problemas.
Secar e pentear o cabelo, manter os braços levantados e sentir o calor do secador ou do ferro de alisar, principalmente a seguir ao duche, pode fazer-nos sentir como se estivéssemos numa cozinha quente há bastante tempo. Alguns de nós começam a transpirar excessivamente o que pode eliminar o esforço do banho de chuveiro... A maquilhagem pode tornar-se, também, extremamente cansativa.

A roupa a vestir
Etiquetas, tecidos ásperos, elásticos nas meias, cintos, as alças do soutien... Tudo isto pode ser demasiado incómodo, por causa da alodinia. Somos obrigados a escolher cuidadosamente a roupa que vestimos, todos os dias. A sensibilidade à temperatura desempenha um grande, grande papel na escolha. Uma camisola quentinha e confortável usada num dia frio pode tornar-se uma autêntica sauna se entrarmos num sítio com ar condicionado mais quente. Uma brisa suave facilmente nos faz arrepender de usar aquela blusa ou a t-shirt de algodão. Uma escolha errada, principalmente para quem tem sensibilidade ao frio e ao calor, acaba por nos sujeitar a um incómodo insuportável pois acabamos por gelar ou sobreaquecer ou ainda, alternar entre as duas sensações.

Falar ao telefone
Quando se tem disfunção cognitiva ou "nevoeiro cerebral" uma simples conversa pode ser extenuante. Qualquer interação social requer energia e, se não estiver face a face com o interlocutor, ainda mais energia. Uma grande parte da comunicação é feita através da linguagem corporal, o que não acontece quando se fala ao telefone, logo, isto exige mais concentração. Para a maior parte das pessoas isto passa completamente despercebido, para nós não. Para alguém com fibromialgia, uma conversa telefónica pode ser uma tarefa impossível.

Quando estamos ao telefone podemos ser facilmente distraídos pelo que acontece no nosso meio ambiente e passa despercebido à pessoa com quem falamos. Muitos de nós têm grandes dificuldades em realizar múltiplas tarefas ao mesmo tempo e, por isso, o nosso cérebro pode "bloquear" por breves instantes e perder algumas das palavras ditas pela outra pessoa. Como consequência "perdemos o fio à meada" o que pode ser embaraçoso e frustrante.

Muitos de nós têm também dificuldade em encontrar a palavra certa no momento certo. Mais uma vez, num dia mau, podemos, facilmente ficar frustrados e estressados o que ainda agrava mais o problema.

Existe ainda um problema físico: segurar o telefone pode ser muito cansativo. Se tivermos que manter a mesma posição por algum tempo, acabamos cansados, se tivermos que inclinar a cabeça ficamos com dores... Enfim, todos estes factores podem tornar uma conversa agradável em desagradável, para dizer o mínimo.

Conduzir
O "nevoeiro cerebral" pode ser um grande problema quando estamos atrás do volante.
Alguns de nós esquecem-se frequentemente do nosso destino ou como chegar até lá. Pior ainda, podemos ficar desorientados e sem saber onde estamos. Quando isto acontece é muito assustador e pode levar até um pico de ansiedade o que, por sua vez, agrava os sintomas.
Também pode ser difícil prestar atenção a tudo o que convém quando estamos a conduzir. Nem sempre conseguimos processar toda a informação decorrente do ato de conduzir, o que leva uma pequena percentagem de portadores de fibromialgia a desistirem de o fazer. Outros limitam as viagens às que nos levam a sítios mais familiares enquanto a maior parte conduz normalmente e apenas evita a condução em dias piores.

Esta é uma decisão pessoal mas não podemos deixar de ter em consideração a nossa segurança e a dos outros. Não é má ideia pedir a opinião de familiares ou amigos que já viajaram conosco, já que eles podem aperceber-se de algum sinal ao qual não tenhamos prestado atenção.

Conhecer o corpo; Adaptação
Perante a realidade de ter uma doença crónica podemos ser confrontados com algumas mudanças no estilo de vida. Identificando as maiores dificuldades, estas podem ser evitadas ou contornadas para não terem um peso tão decisivo na nossa vida e poupando energia de que precisamos para outras tarefas com maior prioridade.
Seja honesto consigo próprio ao avaliar-se. Preste atenção ao seu corpo e aos seus padrões de comportamento perante os sintomas que sente.

@ About Health

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Um mês de greve na segunda cidade mais rica do estado da Bahia.




"Camaçari, cidade riquíssima. Segunda maior arrecadação do Estado da Bahia. Nelas praias. Jauá, Arembepe, entre tantas. Maior Polo Petroquímico da região Nordeste. E há exatos um mês os professores em greve aguardando o Executivo lhe repassar o que lhes é de Direito. O seu salário corrigido com percentual de aumento vergonhoso de 11,36 por cento dado pelo Ministério da Educação. Eis a Bahia! Eis o Brasil! Que todos políticos afirmam a anos a fio planejar melhorias na Educação. Palmas para uma gestão que demonstra desprezo pelos Educadores. "Iracema Correia



À COMUNIDADE CAMAÇARIENSE! ( Ao Brasil, ao mundo!! *o grifo é meu.)

"Os professores da Rede Pública Municipal de Camaçari vêm, por meio deste comunicado, pedir desculpas e informar a todos que não é interesse dessa categoria sofrida permanecer em greve.

Essa situação vem se alongando desde o dia 18 de março, devido ao descaso do prefeito Ademar Delgado e do seu Secretário da Fazenda, Sr. Camilo Pinto.
Os professores entregaram a pauta de reivindicações- 2016 desde o dia 09 de dezembro de 2015, tendo como data base, o mês de janeiro.

O prefeito informou, no inicio de fevereiro, que só poderia dar uma resposta no dia 14/03/16, intervalo de tempo respeitado e esperado, com muita ansiedade, pela categoria, a qual, na data supracitada, na mesa de negociações, foi surpreendida com uma negativa do Secretário da Fazenda do Município e do atual Secretário de Educação, Professor Juipurema Sanches, quando afirmaram não haver proposta de reajuste para os professores dos níveis 1, 2 e 3 (graduados e pós graduados), sendo somente contemplados os 105 professores especiais, e que são a minoria, excluindo deste, aproximadamente, 1.800 professores, alegando limite prudencial, o que fez a categoria deflagrar greve por tempo indeterminado, a partir de 18/03.

Até o dia 08/04, décimo quarto dia útil da greve, o governo se manteve calado, ignorando o movimento dos professores e os 50.000 alunos sem aulas.

Somente em 11/04 que o governo apresentou a primeira proposta de 2% em maio e 8,67% em dezembro, ambos sem retroativo, a qual foi extremamente desrespeitosa.

Hoje a proposta do governo é: 2% maio, 8,67% outubro, sem retroativo.
Desta forma, o desrespeito continua, quer oferecer a inflação dividindo e sem retroativo, ou seja, quer retirar os direitos (da nossa data base e do nosso plano de carreira).

Vale ressaltar que, em 2015, sofremos redução salarial de 2,17%. Esse ano, o governo quer reduzir ainda mais com justificativas de não ter dinheiro, mas não abre as contas para que professores e pais de alunos possam saber como atingiu esse limite prudencial, já que esta é uma cidade rica, que arrecada bilhões por ano.

Queremos esclarecer também, que municípios que têm uma arrecadação muito menor do que CAMAÇARI, já pagaram aos seus professores, com o percentual do piso (11,36%), como exemplo: Dias D'Ávila, Simões Filho, Saubara, Santo Amaro, Maracás...
Vale ressaltar, que esse percentual de reajuste, Camaçari e todos os outros municípios brasileiros já estão recebendo por aluno, desde 01/01/16.

O Ministério da Educação estabelece que se os municípios não tiverem como pagar aos professores, devem solicitar da União uma complementação, mas para tanto, as contas têm que ser abertas para provar que não tem o dinheiro. Por que será que a prefeitura não quer pedir dinheiro para a UNIÃO?

Salientamos que a nossa luta é também por uma melhor qualidade de ensino, transporte escolar, revisão plano de carreira dos professores, que está engavetado desde 2012, merenda escolar de qualidade, transporte digno para os professores, material didático e de limpeza nas escolas.

Hoje, 18/04/2016, a nossa greve está completando um mês!!
Estamos protagonizando 20 dias sem aulas. E ainda não temos uma proposta do governo que seja no mínimo aceitável para que a greve acabe."

*Comissão de greve dos professores da rede pública municipal de Camaçari.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Martha Medeiros: OS VIRGENS Sou virgem e meu signo é... OS VIRGENS








Martha Medeiros: OS VIRGENS Sou virgem e meu signo é...
OS VIRGENS

Sou virgem e meu signo é Leão. Sou casada e sou virgem, tenho filhos e sou virgem. Tão virgem quanto você.

Quando falamos em virgindade, logo pensamos em sexo, e a partir do dia que o experimentamos, o mundo parece perder seu mistério maior. Não somos mais virgens - que grande ilusão de maturidade.

Virgindade é um conceito um tanto mais elástico. Somos virgens antes de voltar sozinhos do colégio pela primeira vez. Somos virgens antes do primeiro gole de vinho. Somos virgens antes de conhecer Nova York. Somos virgens antes do primeiro salário. E podemos já estar transando há anos e permanecermos virgens diante de um novo amor.

Por mais que já tenhamos amado e odiado, por mais que tenhamos sido rejeitados, descartados, seduzidos, conquistados, não há experiência amorosa que se repita, pois são variadas as nossas paixões e diferentes as nossas etapas, e tudo isso nos torna novatos.

As dores, também elas, nos pegam despreparadas. A dor de perder um amigo não é a mesma de perder um carro num assalto, que por sua vez não é a mesma de perder a oportunidade de se declarar para alguém, que por outro lado difere da dor de perder o emprego. Somos sempre surpreendidos pelo que ainda não foi vivido.

Mesmo no sexo, somos virgens diante de um novo cheiro, de um novo beijo, de um fetiche ainda não realizado. Se ainda não usamos uma lingerie vermelha, se ainda não fizemos amor dentro do mar, se ainda cultivamos alguns tabus, que espécie de sabe-tudo somos nós?

Eu ainda sou virgem da neve, que já vi estática em cima das montanhas, mas nunca vi cair. Sou virgem do Canadá, da Turquia, da Polinésia. Sou virgem de helicóptero, Jack Daniels, revólver, análise, transa em elevador, LSD, Harley Davidson, cirurgia, rafting, show do Neil Yong, siso e passeata. A virgindade existencial nos acompanha até o fim dos nossos dias, especialmente no último, pois somos todos castos frente à morte, nossa derradeira experiência inédita. Enquanto ela não chega, é bom aproveitar cada minuto dessa nossa inocência frente ao desconhecido, pois é uma aventura tão excitante quanto o sexo e não tem idade pra acontecer.
Martha Medeiros MEDEIROS, M. Felicidade Crônica. Porto Alegre: L&PM, 2014.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Sobre o curry...


Sobre o curry...


Com esta onda de preocupação alimentar saudável, eu ficava pensativa com relação a utilização do caldo de carne, frango,etc., uma vez que os mesmos são ricos em sódio, conservantes,etc. Resolvi então por acaso, utilizar o curry pois nunca tinha utilizado como tempero, na verdade eu estava a procura do açafrão, que amo por demais. Resolvi então testar o curry e fui gostando tanto, principalmente no frango e peixe, que esqueci quase por completo dos caldos industrializados. Amo muito tudo isso. Amo a possibilidade da natureza poder nos dar coisas tão puras e funcionais. Só cabe desfrutarmos.
IRACEMA CORREIA    


" O Curry é uma especiaria de Origem indiana composta por vários ingredientes, que podem variar conforme a região onde ele foi produzido. Entre esses ingredientes, encontramos: gengibre, pimenta dedo-de-moça, pimenta vermelha, canela em rama, cominho, pimenta-do-reino, cardamomo, cravo, erva-doce, cúrcuma e coentro em grãos. No seu preparo, esses temperos são torrados, moídos e usados em diferentes proporções.
O pigmento que dá a coloração amarela ao curry é chamado de curcumina. A curcumina é um importante antioxidante para o nosso organismo, protegendo as células dos danos causados pelos radicais livres. Dessa forma, ´previne o envelhecimento Celular, nos protege de doenças crônicas como as doenças cardiovasculares, câncer e diabetes, e doenças neuro-degenerativas como a doença de Alzheimer e Parkinson. A curcumina possui ainda efeitos anti-inflamatórios antibacterianos e antivirais. Acrescentando 1 colher de chá de cúrcuma ao dia é uma maneira simples, rápida e econômica de proporcionar diversos benefícios à saúde.
Na culinária, é uma especiaria que fornece sabor às carnes, peixes, aves, molhos, sopas de peixes, moluscos, assados em geral e cozidos. Veja aqui 9 dicas de como usar o condimento e trazer sabores diferentes para as receitas do dia a dia.


1- Substituto do sal
Tempere carnes, mariscos, legumes e arroz com ele e elimine o sal do preparo.
2- Bom até com frutas
Corte as peras ao meio. Coma polpa, faça um recheio de gorgonzola, nozes e curry. Grelhe alguns minutos e voilá!
3- Aperitivo diferente
Leve ao forno damascos secos, avelãs, amendoim, uvas-passas embebidas em cerveja, castanhas-do-brasil  e de caju. Coloque curry e sirva!
4- Casamento perfeito
O curry é um excelente ingrediente para acrescentar no seu chocolate quente
5- Purê com peixe
Cozinhe maçãs e bata a polpa com curry para criar um purê delicioso e acompanhar pratos de peixe e carne branca.
6- Mistura com maionese
Patês de sardinha podem receber uma pitada do tempero para diminuir o gosto.
7- Para comer com vinho
Pratos à base de peixe e carne branca com curry combinam bem com vinhos aromáticos.
8- Toque vegetariano
O condimento em pó combina com queijos e ovos e fica ótimo com tofu. Dá um toque especial às comidas vegetarianas.
9- Batatas ao forno
Inclua o curry para temperar batatas e, em seguida, as leve para assar. Elas ficam com uma coloração linda e um sabor bem mais apurado.


FONTE: http://www.biotipopsicologia.com.br/novosite/index.php/component/content/article/37-receitas/135-conheca-os-beneficios-e-maneiras-de-utilizar-o-curry