domingo, 28 de fevereiro de 2016

SE VOC√ä AMA ALGU√ČM COM FIBROMIALGIA"

SE VOC√ä AMA ALGU√ČM COM FIBROMIALGIA"




Se ama algu√©m com fibromialgia, saber√° que padecemos de dores severas, dia a dia, hora a hora. Isso n√£o podemos prever. Por isso queremos que entenda que √†s vezes temos de cancelar coisas na √ļltima hora, e isso nos desagrada tanto como a voc√™.
“Queremos que saiba que n√≥s mesmos temos que aprender a aceitar nosso corpo com suas limita√ß√Ķes, e isso n√£o √© f√°cil. N√£o h√° cura para a fibromialgia, mas tratamos de aliviar os sintomas diariamente. N√£o queremos sofrer. •Muitas vezes nos sentimos angustiados e n√£o conseguimos lidar com mais tens√Ķes do que as que temos. Se for poss√≠vel, n√£o acrescente mais tens√Ķes ao nosso corpo”.
Ainda que nos veja bem, n√£o nos sentimos bem. Aprendemos a viver com uma dor constante a maioria dos dias. Quando voc√™ nos v√™ felizes, isso n√£o quer dizer, necessariamente, que n√£o temos dor, mas, simplesmente, que estamos lidando com ela. Algumas pessoas pensam que n√£o podemos estar t√£o mal se nos v√™em bem. A dor n√£o se v√™. Essa √© uma enfermidade cr√īnica “invis√≠vel”, e t√™-la n√£o √© f√°cil para n√≥s.
Entenda, por favor, que porque não podemos trabalhar como antes não é porque somos preguiçosos. Nosso cansaço e nossa dor são imprevisíveis, e devido a isso temos que fazer ajustes em nosso estilo de vida. Algo que parece simples e fácil de fazer não o é para nós, e pode causar-nos muita dor e cansaço. Algo que fizemos ontem talvez não possamos fazer hoje, mas isso não quer dizer que não voltaremos a ser capazes de fazê-lo.
Às vezes nos deprimimos. Quem não se deprimiria com uma dor forte e constante?
Foi constatado que a depress√£o se apresenta com a mesma freq√ľ√™ncia na fibromialgia ou em qualquer outra condi√ß√£o de dor cr√īnica. N√£o sentimos dor por estar deprimidos, mas nos deprimimos pela dor e pela incapacidade de fazer o que queremos.
Também nos sentimos mal quando não existe o apoio e entendimento dos médicos, dos familiares e amigos. Por favor, compreenda-nos, com seu apoio você ajuda a diminuir a nossa dor.
Ainda que durmamos toda à noite, não descansamos o suficiente. As pessoas com fibromialgia têm um sono de má qualidade, o que piora a dor nos dias em que dormem mal.
Para nós não é fácil permanecer em uma mesma posição (ainda que seja sentados) por muito tempo. Isso nos causa muita dor e leva tempo para nos recuperarmos. Por isso não vamos a algumas atividades que sabemos prejudiciais.
Não estamos ficando loucos se às vezes nos esquecemos de coisas simples, do que estávamos dizendo, do nome de alguém, ou se dizemos uma palavra errada.
Esses s√£o problemas cognitivos que fazem parte da fibromialgia, especialmente nos dias em que sentimos muita dor. √Č algo estranho, tanto para voc√™ quanto para n√≥s.
Mas ria junto conosco e ajude-nos a manter nosso senso de humor.
A maioria das pessoas com fibromialgia s√£o melhores conhecedoras desta condi√ß√£o que alguns m√©dicos e outras pessoas, pois fomos obrigados a educar-nos para entender nosso corpo. Assim, por favor, se voc√™ quiser sugerir uma “cura” para n√≥s, n√£o o fa√ßa. N√£o √© porque n√£o apreciemos a sua ajuda ou n√£o queiramos melhorar, mas porque nos mantemos bastante informados e temos nos tratado.
Nos sentimos muito felizes quando temos um dia com pouca ou nenhuma dor, quando conseguimos dormir bem, quando fazemos algo que há muito tempo não conseguíamos, quando nos entendem.
Apreciamos, verdadeiramente, tudo o que você tem feito e pode fazer por nós, incluindo seu esforço por informar-se e entender-nos.
Pequenas coisas significam muito para mim e necessito que voc√™ me ajude. Seja gentil e paciente. Recorde que dentro deste corpo dolorido e cansado continuo estando eu. Estou tratando de aprender a viver dia a dia com minhas novas limita√ß√Ķes e a manter a esperan√ßa no amanh√£. Ajude-me a rir e a ver as coisas maravilhosas que Deus nos d√°.”
Obrigado por ter lido isso e me dedicado o seu tempo. Talvez agora possa me compreender melhor. Agradeço verdadeiramente seu interesse e apoio.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Aprendemos e apreendemos de diversas formas. Vamos explorar qual a melhor delas!




Atividade de matemática, solução de problemas, com análise, onde a criança pode expressar de diversas formas em que souber, a situação e a resolução do problema, através do raciocínio lógico, expressando este raciocínio através da sentença matemática e conta armada.Utiliza a leitura, interpretação textual e escrita.



Aqui estou eu, m√£e, como sempre, me sentindo culpada por n√£o ter tido for√ßa f√≠sica para levar hoje a minha pequena √† escola. Isto porque como Portadora da Fibromialgia e STC (S√≠ndrome do T√ļnel do Carpo), qualquer emo√ß√£o muito forte, desencadeia em mim dores, os nervos ficam abalados, dificuldades em dormir, enfim, mas isto √© assunto pra outro texto, afinal, tenho muito a “expelir” com rela√ß√£o √† falta de conhecimento das pessoas, que deveriam em tese, serem bem informadas sobre aquilo em que trabalham.

Quanto a m√£e Pedagoga, m√£e que sente culpa por tudo, enfim, m√£e. Como n√£o quero que o ditado, “Casa de ferreiro, espeto de pau" fa√ßa parte da minha fam√≠lia,  procuro, quando ocorre o fato de a minha filha faltar a escola por culpa minha e n√£o por uma quest√£o de sa√ļde dela,  coloc√°-la para realizar tarefas, n√£o estou aqui excluindo a import√Ęncia do contexto escolar para a sua aprendizagem, mas sim, citando possibilidades de “compensa√ß√£o”  diante da perda do dia de aula. O que n√£o deixa de ser uma oportunidade, mais uma vez, de analis√°-la e aproximar-me mais ainda. N√£o tem como! (risos) Filhos de professores costumam ser “ratinhos de laborat√≥rio”, se o bi√≥logo Piaget fez isto, porque n√£o posso fazer ora pois?N√£o fa√ßo tarefas aleat√≥rias, procuro os Par√Ęmetros Curriculares Nacionais para o quarto ano, associo com o que est√° sendo trabalhado em sala e combino com as dificuldades que ela vem apresentando com rela√ß√£o a qualquer assunto em quest√£o. Hoje mesmo, fizemos um treino com a boca para que ela sentisse as diferentes posi√ß√Ķes da l√≠ngua quando falamos os d√≠grafos LH e NH. N√£o tive como n√£o lembrar do personagem Clar√™ncio, o Otimista, desenho animado exibido no Cartoon, haja cuspe pela boca, mas esta rela√ß√£o com o conv√≠vio do mundo animado dela, permite associa√ß√Ķes para o fluir da aprendizagem. Por vezes, ela faz esta troca, ao escrever ( milhoca ao inv√©s de minhoca) o que √© comum, no ciclo de alfabetiza√ß√£o, mas que deve ser o quanto antes, sinalizado e conduzido com diversas atividades que possam explorar tais d√≠grafos, com o objetivo de identificar quando √© apropriado, utilizarmos cada um. Existem crian√ßas que aprendem mais pela repeti√ß√£o, outras pela compara√ß√£o, observa√ß√£o, e ainda outras pelas sensa√ß√Ķes. Somos muito complexos como seres humanos,  a nossa forma de melhor aprender e apreender o conhecimento tamb√©m varia. Existem pessoas cinest√©sicas  t√™m uma forte habilidade em compreender aquilo que lhe faz sentido por meio de experi√™ncias concretas. Para estas, o uso de material l√ļdico, experi√™ncias matem√°ticas, cient√≠ficas em geral, no popular, p√īr a m√£o na massa, servem-lhe como "catalisador" da aprendizagem. A Eureka, o insight, o estalo, etc. Outras s√£o mais auditivas, aprendem pela repeti√ß√£o, decoreba, hist√≥rias contadas, m√ļsicas. Se o professor faz apresenta√ß√£o de um tema dos conte√ļdos usando recursos auditivos, o aluno que tem este estilo de aprendizagem vai se concentrar e processar sua aprendizagem. O aluno visual √© aquele do tipo que se o professor levar aqueles tipos de filmes do estilo fic√ß√£o cient√≠fica, ele vai amar. Lembro-me, de certa vez, ter levado o filme O Quarteto Fant√°stico, e trabalhamos entre tantas coisas, materiais condutores e n√£o condutores de eletricidade. A aula fluiu, a aprendizagem efetiva foi percept√≠vel, quando pintava a d√ļvida, lembr√°vamos das cenas do filme. Uma pessoa visual √© muito observadora no conjunto e nos detalhes. E √© dessa forma que armazena as descobertas e relaciona conhecimentos adquiridos anteriormente com novos conhecimentos. Com certeza, os bons publicit√°rios devem ter excelentes conhecimentos de neurolingu√≠stica para atingir o seu p√ļblico alvo. Haja cores! Enfim, o professor que conseguir reunir todas estas possibilidades nas suas aulas, poder√° alcan√ßar com maestria, o cerne do processo de aprendizagem do educando. Muitas vezes, parte das frustra√ß√Ķes dos professores se devem a pouca oportunidade de analisar e conhecer melhor os seus alunos. Papel este, que no caso dos professores do Fundamental dois e Ensino M√©dio, se torna mais complicado devido ao pouco contato e pelo excesso de alunos. √Č nesta hora que entramos, quais Coordenadores Pedag√≥gicos, PEDAGOGOS, REPITO PEDAGOGOS, o porqu√™ da repeti√ß√£o √© uma forma de ressaltar as falhas nas escolas da rede p√ļblica e privada que colocam professores licenciados como coordenadores, ou at√© mesmo sem forma√ß√£o alguma, para executar uma tarefa t√£o complexa que tem como objetivo principal : Mediar o processo de aprendizagem entre o aluno e o professor. Ta l√° na LDB.
 - Senhor Coordenador Pedag√≥gico, aqui entre n√≥s, n√£o estamos aqui para s√≥  ficar cortando papel e arrumando festinhas na escola. Nem tampouco para cobrarmos planos de aula de professores apenas. Estamos aqui para interferir positivamente na Comunidade Escolar, se assuma, pois do jeito que est√° indo a Educa√ß√£o Brasileira, o nosso papel est√° sendo deixado de lado.
Apesar de algumas características citadas acima, sabemos que encontramos na escolas, alunos que podem sofrer de dificuldades de aprendizagem. Necessitando ainda de mais atenção. Sem falar nos raros mas muitas vezes não reconhecidos superdotados que por vezes são apenas taxados de hiperativos. Além do mais, li um artigo que me apaixonei, As doze Inteligências, onde uma professora analisa a aprendizagem e a relação dos alunos com a execução da mesma, pelos seus signos astrológicos. Muito interessante!

A cada idade corresponde uma forma de vida que tem valor, equil√≠brio, coer√™ncia que merece ser respeitada e levada a s√©rio; a cada idade correspondem problemas e conflitos reais (...), pois o tempo todo, ela (a crian√ßa) teve de enfrentar situa√ß√Ķes novas (...). Temos de incentiv√°-la a gostas da sua idade, a desfrutar do seu presente.”
                                            George Snyders


 Iracema Correia

s√°bado, 20 de fevereiro de 2016

Há espaço para todos! O Universo é abundante!




Conhece aquela pessoa que quando voc√™ aparece na empresa como novo funcion√°rio e ela n√£o te orienta direito no que fazer? Com isto, voc√™ pode correr o risco de n√£o ser bem avaliado. Conhece alguma pessoa que vive sabotando todos os seus planos? Percebe que quando voc√™ n√£o est√° bem na foto, ela √© mais curtida nas redes sociais, do que quando voc√™ est√° de fato bonito? Por mais que estas perguntas sejam subjetivas, e n√£o queiramos alimentar pensamentos negativos ou atribuir m√°s motiva√ß√Ķes aos outros, isso de fato acontece. E o pior, √© quando percebemos que n√≥s mesmos podemos estar nos auto-sabotando. Com pensamentos negativos e com excesso de preocupa√ß√£o em concorrer a todo custo. O medo da perda! Lembro-me e estas coisas simples, n√£o costumo esquecer, que em uma aula  de Psicologia na Faculdade de Hist√≥ria, ficava disponibilizado, durante a tarde, principalmente ap√≥s o almo√ßo, o famoso cafezinho. E os copinhos de 50 ml's. Era incr√≠vel observar que assim que o mesmo chegava na sala, uma multid√£o ( de Educadores), voavam literalmente em cima do mesmo, como se n√£o houvesse mais a chance de experimentar na vida, um novo cafezinho. Parece mesquinho, mas o interessante √© que a professora de Psicologia, observou e de forma bastante educada, transformou aquela situa√ß√£o em uma aula. Salientando que o medo da perda, historicamente existente em nossa cultura, faz com que n√≥s n√£o percebamos o quanto estes tipos de comportamento √© desnecess√°rio. N√£o estou falando aqui de regras de etiquetas bobas que julgam definir o plebeu do nobre. Isto com a economia capitalista j√° caiu por terra h√° muito tempo. Mas, de uma cultura de que o compartilhar provoca pobreza. Isso √© not√≥rio, quando algu√©m se destaca no local de trabalho e algu√©m, por inseguran√ßa, cria fantasmas nas suas cabe√ßas de que a sua cabe√ßa possa estar a pr√™mio. Infelizmente, ainda n√£o percebo na cultura brasileira, a aplicabilidade correta da Meritocracia. Ainda assim, acredito que h√° espa√ßo para todos. E o nosso conhecimento, potencial, poder√° nos levar aonde quisermos, desde quando tomarmos consci√™ncia do poder criativo que existe dentro de n√≥s ao inv√©s do poder competitivo. Quem cria n√£o copia. Quem copia, n√£o √© seguro do que faz. Quem tem seguran√ßa do seu potencial, al√ßar√° v√īos mais altos. Caminhando de forma honesta, limpa sem precisar passar por cima nem competir com ningu√©m. Esse √© o lance. Mirar no seu objetivo e dentro deste objetivo, encontrar a sua forma de prosperar. Cada um tem a sua vis√£o do que seja prosperidade. Existem pessoas que possuem a mesma forma√ß√£o acad√™mica, os mesmos produtos a vender, e uns prosperam financeiramente enquanto que outros continuam no mesmo lugar, resmungando e com medo da concorr√™ncia. Precisamos ter um objetivo, focar nele e atingi-los, sem precisar competir com ningu√©m. Mentalizar os nossos desejos, desenhar se caso desejar e em cada a√ß√£o buscar a coer√™ncia com o que se prop√Ķe.Isto vale pra tudo na vida. N√£o precisa ter medo de ajudar quem est√° chegando, orientar, afinal, cada um tem o seu desenvolvimento e os seus objetivos.

Prosperidade à todos.
Iracema Correia

Frida Kahlo, quanta força de vontade pra viver!



Parei para assistir Frida, me chamou a aten√ß√£o a sua curiosa hist√≥ria de vida. Quantas incoer√™ncias, quanta vontade de viver!Quantas contradi√ß√Ķes em uma mulher s√≥. A frente do seu tempo, mas aprisionada a um amor dependente, que aceita tudo, at√© a trai√ß√£o, trai√ß√£o esta em que ela preferia encarar n√£o como falta de lealdade e sim de fidelidade, pois para ela, a lealdade era mais importante. Uma for√ßa de vontade inabal√°vel, roupas coloridas que refletiam uma personalidade alegre (mesmo diante das dores) brilhantemente criativa, daquelas pessoas que conseguem expressar os seus sentimentos e ideias, materializando-os. Acredito que a sensibilidade √© algo que, se permitirmos, evolui mais ainda com o tempo. Dizem que a mesma sofria de Fibromialgia, mas desconfio que as suas dores foram decorrentes do acidente que sofrera e das sequelas da Poliomielite, o que a fazia mancar e prejudicar mais ainda o seu corpo.Que determina√ß√£o, numa √©poca de medicina e tecnologia ainda n√£o avan√ßada, a for√ßa de vontade desta mulher a fez voltar a andar e se transformar numa grande artista. Ela foi amada, viveu tudo que tinha para viver, intensamente, o que acreditou ser poss√≠vel para ela, assim o fez. Interpreta√ß√£o brilhante da atriz Salma Hayek. Fico pensando em o quanto podemos ser limitados hoje, diante de tanta facilidade em nossas m√£os, e da avan√ßada tecnologias, nos limitarmos a pensar e ser escravos de outros. A produzir t√£o pouco. A ser t√£o mesquinho, diante das dificuldades alheias, a permitir que pessoas sofram  a dureza de  suas vidas, atrav√©s de uma doen√ßa, ou falta de oportunidade para crescer, se educar, ser amado, ou qualquer outra coisa que possamos fazer pelo outro, estando em nossas m√£os o poder. Quantos dias dif√≠ceis a humanidade atravessou por conta de ideologias "fundamentalistas" , que s√≥ causaram sofrimentos e abortaram sonhos. Quantos inocentes sofrendo nas m√£os de egos inflados e mente anor√©xicas, quantas pessoas tiveram que morrer para que ideias e direitos fossem considerados. E parar e ver hoje, com o andar da carruagem o retrocesso de pensamentos e ideologias, muitas dessas baseadas em interesses financeiros,causando, mais uma vez sofrimentos. Enfim, enquanto assistia ao filme, me permiti divagar sobre tantos assuntos. √Č um filme forte, como o pr√≥prio Diego Rivera cita as obras de Frida, √°cida e doce. Talvez seja assim a vida, ora √°cida, ora doce. Muitas vezes mais √°cida para uns e mais doces para outros. Mas que n√£o deixemos de aproveitar os momentos doces que ela nos oferece, e quanto aos √°cidos, transform√°-los, assim como fez a artista Frida, com suas pinturas extra√≠das do fundo sa sua alma e pintada por muitas vezes deitada na cama, ou sei l√° o qu√™ que produzirmos, deixando um legado positivo para a humanidade. Particularmente, terminei o filme solu√ßando, com l√°grimas nos olhos, embora deteste esta sensa√ß√£o que um filme possa me deixar, aprendi tamb√©m mais um pouco sobre a vida. Acredito que se vivesse agora, Frida teria um melhor tratamento, talvez, para as suas dores, e a sua for√ßa quem sabe, seria mais bem aproveitada, com dias mais felizes e realizados. Que possamos aproveitar dos recursos que dispusermos, para melhorar o mundo e a n√≥s mesmos.

*Eu vejo a esperança do mundo em vocês!
*No final de tudo podemos aguentar mais do que imaginamos!


Algumas frases citadas no filme.

Iracema Correia


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Encare um livro!



Me pego escrevendo repetidamente, com engano, o nome do livro no qual estou me deleitando em ler, j√° nas √ļltimas folhas infelizmente. OS SEIS CAMINHOS DO AMOR, mas observei hoje, s√≥ depois que enviei a mensagem para o autor que , estava escrevendo AS SEIS FACES DO AMOR. Putz! Logo com o autor! Elogiando esta obra maravilhosa que me fez viajar pela Psicologia, Filosofia, Astrologia, Mitologia, etc. Um comp√™ndio, um manual. Aprendi muito. Reaprendi. Sou amante da Filosofia, do pensar, de inesgotavelmente perguntar para aprender. Gosto de sugar todo o "leite" da sabedoria humana. Gosto de gente que acrescente na minha vida. Quando estudava, as vezes era interpretada por alguns colegas, como uma pessoa questionadora, e de forma err√īnea, era  mal encarada. Este √© o grande problema, principalmente dos brasileiros. Acreditar que, se questionarmos qualquer coisa, passaremos uma m√° impress√£o. O inconformismo parte da necessidade da n√£o aceita√ß√£o de situa√ß√Ķes que precisam ser mudadas. Em tudo em nossa vida. Por isto √© sempre bom olharmos para dentro de n√≥s e fazermos uma busca, faxina , v√°rios questionamentos sobre o que queremos e como levamos a vida. As vezes pregamos tanto uma coisa e justamente √© esta coisa que mais precisamos aprender. Dizem que quanto mais pregamos algo, √© porque mais precisamos aprender a respeito. Tudo que diz respeito ao autoconhecimento me encanta, me cativa. Gosto de ouvir hist√≥rias antigas de pessoas idosas s√°bias , que contam seus amores, suas aventuras, viajo junto, para longe. Sinto falta de um caf√© gostoso, cheiroso e um bom papo regado ao toque de viol√£o e, se for na beira do mar de tardinha, tenho certeza que j√° posso morrer feliz. Este misto de natureza, bom papo, boas companhias, caf√© e cheiro de mar, ah!, que del√≠cia! Uma fogueirinha n√£o cairia mal. Gosto do nobre, da riqueza da simplicidade e da pureza da sabedoria. Por isto amo degustar publica√ß√Ķes escritas  com amor criativo, n√£o com intuito competitivo de ser mais um comp√™ndio vendido. Rindo at√© agora com a minha confus√£o , encasquetei que o nome do livro seria As seis Faces do Amor, deve ser para nunca mais eu esquecer que o amor tem diferentes formas de se apresentar e que ningu√©m √© obrigado a amar como queremos. √Č s√≥, ao ser apresentado √†s faces do amor, identificar qual a que mais nos interessa, com a identifica√ß√£o, ser√° amor a primeira vista. Somos um pouco de tudo, em maior ou menor grau. Um pouco jogadores, pr√°ticos, afetivos altru√≠stas, em outras vezes cheios de eros, ou curtimos paix√Ķes intensas, ora amor amigo. Bom, n√£o importa qual forma escolhemos ou saibamos amar, o que importa √© estar com a pessoa certa que entenda e valorize o amor que temos para oferecer. Agora √© mais uma nova leitura que espero ser deliciosa, viajar junto com outro autor, e sentir o prazer, a paz e a sabedoria  que a cada dia o conhecimento pode nos oferecer, se assim o quisermos.

Face a book
Iracema Correia

Portador de fibromialgia e seus direitos previdenci√°rios



O que é a Fibromialgia?

A Fibromialgia - tamb√©m conhecida por s√≠ndrome de Joanina Dognini- √© uma s√≠ndrome dolorosa n√£o-inflamat√≥ria, caracterizada por dores musculares difusas,fadiga, dist√ļrbios de sonoparestesiasedema subjetivo, dist√ļrbios cognitivos e dor em pontos espec√≠ficos sob press√£o (pontos no corpo com sensibilidade aumentada).
V√°rias pesquisas indicam que anormalidades na recep√ß√£o dos neurotransmissores s√£o frequentes, em pacientes com fibromialgia. Essas altera√ß√Ķes podem ser o resultado de stress prolongado grave.
Depress√£o transtornos de ansiedade, especialmente transtorno de estresse p√≥s-traum√°tico, s√£o os mais comuns. Dentre os v√°rios prov√°veis respons√°veis pela dor constante est√£o problemas no sistema dopamin√©rgico, no sistema serotonin√©rgico, nohorm√īnio de crescimento, no funcionamento das mitoc√īndrias e/ou no sistema end√≥crino.

Sintomas:

A fibromialgia √© um estado de sa√ļde complexo e heterog√™neo no qual h√° um dist√ļrbio no processamento da dor por mais de 3 meses associado a outras caracter√≠sticas secund√°rias como:
· Fadiga;
· Problemas no sono;(dificuldade pra dormir, agita√ß√£o e acordar regularmente)
· Rigidez matinal;
· Parestesias/Discinesia; (Como formigamento ou dorm√™ncia nos dedos)
· Problemas de concentra√ß√£o e mem√≥ria;
· Sensa√ß√£o de edema (incha√ßo).

Diagnósticos:

Não possui um método de diagnóstico direto, portanto há a necessidade de se diagnosticar tal síndrome por exclusão.
Desta forma, o (a) médico (a) necessitará fazer vários exames de imagem e de laboratório para excluir a possibilidade de os sintomas serem provocados por algum outro acometimento e se acaso o resultado for negativo para estes, o profissional tocará os pontos pré-determinados para o diagnóstico de fibromialgia e constatará ser de fato a síndrome.
Por isso, a Associação Brasileira de Reumatologia, recomenda aos médicos que sejam excluídos ao se fazer o diagnóstico de Fibromialgia os seguintes acometimentos:
· S√≠ndrome da dor miofascial;
· Outros reumatismos extra-articulares;
· Miopatias end√≥crinas: hipotiroidismohipertiroidismohiperparatiroidismo, insufici√™ncia adrenal, hiperglicemia; miopatia metab√≥lica por √°lcool;
· Efeito colateral de drogas: corticoster√≥idecimetidinaestatinafibratos e drogas il√≠citas.
Tal enfermidade encontra-se inclu√≠da na D√©cima Revis√£o da Classifica√ß√£o Estat√≠stica Internacional de Doen√ßas e Problemas Relacionados √† Sa√ļde (CID-10), da Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde, atualmente com c√≥digo individualizado (M79.7).
Esta s√≠ndrome tem como caracter√≠stica o sofrimento causado aos portadores, ou seja, quanto mais avan√ßado o est√°gio, maior os sofrimento, principalmente no √Ęmbito psicol√≥gico.

Estudo desta enfermidade:

A fibromialgia acomete cerca 2% a 4% da popula√ß√£o adulta nos pa√≠ses ocidentais e as mulheres s√£o 5 a 9 vezes mais afetadas do que os homens. A idade predominante do aparecimento dos sintomas oscila entre os 20 e os 50 anos. As crian√ßas (h√° cita√ß√Ķes de casos com 2 anos de idade), os jovens e tamb√©m os indiv√≠duos acima de 50 anos tamb√©m podem apresentar Fibromialgia. A preval√™ncia de dor cr√īnica difusa na popula√ß√£o em geral est√° entre 11 e 13%.

Obst√°culos enfrentados pelos portadores da Fibromialgia na sociedade:

No seio social, os portadores da fibromialgia sofrem diversos julgamentos causados pelo desconhecimento que as pessoas possuem acerca do tema, pois at√© os pr√≥prios m√©dicos t√™m dificuldades em chegar a este diagn√≥stico, conforme exposto anteriormente, que procrastina o tratamento, sem falar nas dores m√ļltiplas que impedem o enfermo de ter uma vida social mais ativa.
Os amigos e familiares, ignorantes acerca dos seus efeitos, se irritam com as permanentes queixas e com o quadro depressivo que geram des√Ęnimo para a execu√ß√£o das tarefas mais simples.
No ambiente de trabalho, se torna totalmente imposs√≠vel uma pessoa trabalhar com mal-estar permanente, com sintomas como dor cr√īnica e generalizada, falta de energia e disposi√ß√£o em decorr√™ncia do baixo n√≠vel de serotonina, fraqueza f√≠sica, fadiga, altera√ß√£o no sono, dores de cabe√ßa e por fim dist√ļrbios psicol√≥gicos.

Direitos do Fibromialgico perante ao INSS:

O portador de Fibromialgia que estiver afastado do trabalho por mais de 30 (trinta) dias, poder√° requerer diretamente ao INSS o benef√≠cio de aux√≠lio-doen√ßa, conforme os artigos 59 ao 64 da Lei n¬ļ 8.123/1991.
Tal benefício previdenciário somente será concedido e implantado, caso o médico perito desta Autarquia Previdenciária detecte a incapacidade total e temporária deste para o trabalho, bem como suas atividades habituais.
Não terá direito ao benefício caso o trabalhador comece a recolher o INSS já possuindo a doença, somente terá direito se a enfermidade agravar depois que este tiver cumprido a carência, da qual falaremos adiante.
Mesmo se o trabalhador, portador de fibromialgia for aut√īnomo poder√° requerer tal benef√≠cio, desde que este contribua para com o INSS.
Caso seja detectado a incapacidade total e permanente do portador da doen√ßa em quest√£o para o trabalho e suas atividade habituais, dever√° ser concedida a aposentadoria por invalidez, conforme artigos 42 e 62 da Lei n¬ļ 8.213/1991.
Antes de dirigir-se ao posto do INSS, o segurado (enfermo), dever√° agendar sua per√≠cia m√©dica pelo telefone 135 ou pela internet: www.mpas.gov.br. Ser√° com base nesta per√≠cia agendada que o portador da Fibromialgia, ter√° ou n√£o o seu benef√≠cio previdenci√°rio deferido.
Mas se o portador/segurado tiver seu benefício negado, este poderá recorrer ao Poder Judiciário, a fim de ver seu direito reconhecido, onde este passará novamente por uma nova perícia, porém, tal avaliação será efetuada pelo médico perito de confiança do juiz.
No entanto, √© importante frisar que tais benef√≠cios previdenci√°rios n√£o s√£o concedidos em raz√£o da Fibromialgia em si, mas sim, em raz√£o dos demais sintomas que provocam a incapacidade laborativa no trabalhador, tais como: dores pelo corpo todo, quadro depressivo, falta de √Ęnimo para o trabalho e demais atividades do dia a dia, perda de mem√≥ria e outros problemas.

Carência

A quantidade m√≠nima de contribui√ß√£o que o enfermo/segurado necessita possuir para usufruir do benef√≠cio, seja ele de aux√≠lio-doen√ßa ou aposentadoria, s√£o de 24 contribui√ß√Ķes mensais, sem interrup√ß√£o que possa causar a perda da qualidade de segurado, conforme artigo 25I da Lei n¬ļ 8.213/1991.
Caso venha perder, ser√° necess√°rio recolher 1/3 das contribui√ß√Ķes, ou seja, ap√≥s o recolhimento do 4¬ļ (quarto) m√™s consecutivo, este reaver√° a sua qualidade de segurado.
Se a incapacidade for causada em raz√£o de acidente de qualquer natureza, seja profissional (causada pelo trabalho) ou n√£o, n√£o ser√° exigida car√™ncia m√≠nima, conforme art. 26I da Lei n¬ļ 8.213/1991.

Conclus√£o

Desta forma, como o portador de Fibromialgia na maioria das vezes perde o seu emprego, causado por faltas e afastamentos médicos em decorrências das fortes crises de dor, associadas ao quadro depressivo, advém, vem a necessidade do enfermo em pleitear o benefício previdenciário, vez que o mesmo necessita custear seus remédios, tratamentos fisioterápicos, alimentação adequada, médicos especializados, bem como o próprio sustento e de sua família.

Fontes:
INSS – www.mpas.gov.br;
Associa√ß√£o Brasileira de Reumatologia – http://www.reumatologia.com.br/;
http://networkedblogs.com/pBjXb - Dr. Vin√≠cius de Abreu;
Lei n¬ļ 8.213/1991 – Disp√Ķe dos benef√≠cios previdenci√°rios.

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Viver com fibromialgia – 10 coisas a evitar




A fibromialgia √© uma doen√ßa cr√≥nica caracterizada por queixas de dores neuromusculares difusas e pela presen√ßa de zonas dolorosas em regi√Ķes anatomicamente determinadas. Adicionalmente, manifesta√ß√Ķes como fadiga, dist√ļrbios emocionais e perturba√ß√Ķes do sono e gastrointestinais, s√£o igualmente comuns nestes pacientes. Conhe√ßa os 10 erros que nunca devem ser cometidos por quem sofre desta doen√ßa, de modo a n√£o a agravar.
  1. Permanecer muito tempo na mesma posição

  2. Indiv√≠duos com fibromialgia devem evitar permanecer longos per√≠odos de tempo na mesma posi√ß√£o, seja sentado, deitado ou de p√©. √Č este o motivo pelo qual as pessoas afetadas por tal doen√ßa tendem a sentir-se piores ao acordar, uma vez que ficaram deitadas na mesma posi√ß√£o durante horas. Quando o corpo n√£o se movimenta, os m√ļsculos tendem a ficar mais r√≠gidos, causando dores adicionais. Assim, atividades aparentemente inofensivas como, por exemplo, estar no computador ou lavar a loi√ßa, devem ser cronometradas para evitar distra√ß√Ķes que podem, mais tarde, implicar dores profundas.
  3. √Āgua fria

  4. Aqueles que sofrem de fibromialgia n√£o devem mergulhar qualquer parte do seu corpo em √°gua cuja temperatura seja inferior a 30 graus. A resposta a baixas temperaturas costuma ser imediata e dolorosa mas, em alguns casos, a sensa√ß√£o de desconforto surge apenas algumas horas ap√≥s a exposi√ß√£o a √°gua fria. Al√©m disso, a √°gua quente √© particularmente indicada porque ajuda a aliviar dores musculares e √≥sseas.
  5. Movimentos repetitivos

  6. Utilizar repetidamente os mesmos grupos musculares contribui para uma rápida escalada da dor. Assim, atividades que exijam repetição prolongada de certos movimentos devem ser evitadas ou interrompidas por pausas frequentes. Um estudo canadiano recente demonstrou que, quando submetidos à tarefa de levantar e pousar 18 latas, doentes com fibromialgia reportaram dores mais intensas do que pacientes com dores de costas crónicas.
  7. Saltos altos

  8. Apesar de esteticamente apelativos, os saltos altos vertiginosos são medicamente desaconselhados a todas as mulheres. Não obstante, a maioria ignora os potenciais perigos deste acessório em nome da beleza. Está cientificamente provado que a utilização prolongada de saltos altos pode provocar problemas graves nos pés, joelhos e postura corporal. Assim sendo, não é difícil entender que sejam totalmente proibidos a mulheres que sofram de fibromialgia. Em fases avançadas da doença, a maioria refere que o seu uso é totalmente insuportável.
  9. Roupa justa

  10. Pessoas com fibromialgia devem usar roupa leve, solta, e que não constrinja os movimentos. Os soutiens, por serem justos ao peito e terem armação, são normalmente uma das principais fontes de queixa por parte das mulheres que sofrem desta doença, sendo que os modelos desportivos são os ideais. As restantes peças de vestuário devem ser fáceis de vestir e despir, e os tecidos sintéticos devem, sempre que possível, ser preteridos em nome de materiais naturais como lã ou algodão.
  11. Pressas

  12. Situa√ß√Ķes em que indiv√≠duos com fibromialgia sejam for√ßados a apressar-se devem ser evitadas a todo o custo. A adrenalina que resulta de circunst√Ęncias deste g√©nero pode aumentar os n√≠veis de fadiga, exaust√£o, dor e stress. Neste sentido, √© necess√°rio realizar todas as tarefas com tempo, pelo que levantar mais cedo e planear/preparar cuidadosamente tudo o que deve ser feito s√£o bons conselhos. Pausas para descansar s√£o tamb√©m uma boa op√ß√£o.
  13. Asp√°rtamo

  14. Trata-se de um a√ß√ļcar artificial utilizado para ado√ßar os mais variados produtos: refrigerantes, iogurtes, sobremesas, e outras comidas em que o objetivo √© n√£o adicionar calorias. V√°rios estudos reportam casos de doentes com fibromialgia que, ao descontinuarem o consumo de asp√°rtamo, verificaram melhorias significativas.
  15. Cafeína

  16. Por vezes, pode ser tentador combater um dos principais sintomas da fibromialgia – a fadiga – com uma boa dose de caf√© ou Coca-Cola, mas a cafe√≠na pode interferir com os padr√Ķes de sono, e uma noite bem dormida √© um dos principais fatores respons√°veis pela minimiza√ß√£o das dores provocadas pela doen√ßa. Um estudo noruegu√™s publicado no jornal cient√≠fico Arthritis & Rheumatism sugere que os dist√ļrbios de sono desempenham um papel prejudicial no desenvolvimento da fibromialgia. Para aqueles que n√£o dispensam as bebidas com cafe√≠na, o mais indicado √© consumi-las durante as primeiras horas do dia.
  17. Gl√ļten

  18. A doen√ßa cel√≠aca, uma intoler√Ęncia ao gl√ļten, encontrado em trigo, cevada e centeio, √© uma condi√ß√£o que pode, em alguns casos, agravar a fibromialgia. Em caso de diagn√≥stico desta intoler√Ęncia, devem ser eliminados da dieta produtos como: massa, p√£o e cereais. Todos eles s√£o pass√≠veis de ser substitu√≠dos por alternativas √† base de arroz e milho. √Č importante ter em conta que muitos molhos, marinadas e doces cont√™m gl√ļten. Indiv√≠duos com fibromialgia devem considerar eliminar um produto de cada vez e manter um di√°rio para anotar quaisquer melhorias verificadas. Desse modo, ser√° poss√≠vel apurar quais os produtos que mais negativamente afetam os sintomas da fibromialgia.
  19. Glutamato monossódico e nitrito de sódio

  20. Estas subst√Ęncias s√£o utilizadas como conservantes e aromatizantes em muitas comidas processadas, como comidas curadas e molhos. Tais alimentos possuem muito sal, que pode agravar a dor ou incha√ßo em alguns pacientes com fibromialgia. De modo a minimizar o impacto destas subst√Ęncias na fibromialgia, dever-se-√° evitar comidas pr√©-preparadas sempre que poss√≠vel, e apostar em alimentos como lentilhas, arroz integral e peixe.
Muitas pessoas diagnosticados com fibromialgia procuram grupos de apoio com o objetivo de encontrar compreens√£o, apoio, partilhar experi√™ncias, trocar informa√ß√Ķes, de forma a ajudar a lidar com a doen√ßa da melhor forma. Conhe√ßa o grupo de apoio dispon√≠vel nesta comunidade a pessoas diagnosticadas com fibromialgia.

Fonte: http://adoeci.com/blog/viver-com-fibromialgia-10-coisas-evitar

O amor conjugado pelo fogo



Diante de um c√°lice de vinho, pergunto ao fogo: " O que √© isso?" Ele n√£o toca a ta√ßa, mas instantaneamente algo em seu interior come√ßa a se agitar. Talvez ele se recorde de Baco, divindade romana do vinho, e se ponha a filosofar sobre os mitos fascinantes que conhece. (...) Ap√≥s alguns segundos seu esp√≠rito irrequieto j√° fez tantas pontes poss√≠veis entre assuntos aparentemente desconexos, que a minha pergunta inicial parece apenas uma banalidade. Ent√£o, ele me conforta e diz que minha pergunta tem tudo a ver, ao se lembrar de um velho ditado em latim: In vito, veritas ( No vinho est√° a verdade), mas ao mesmo tempo a frase o incomoda: O que √© a verdade? A verdade existe? Come√ßamos uma longa discuss√£o filos√≥fica, (...). Carl Jung atribu√≠a ao fogo a fun√ß√£o ps√≠quica da intui√ß√£o. Uma esp√©cie de sexto sentido capaz de saber coisas sem, para isso, se valer de media√ß√Ķes racionais.(...) O fogo tanto na vida como no amor √© intenso, vive suas rela√ß√Ķes com o sabor de uma incr√≠vel aventura onde adquire li√ß√Ķes e aprendizados. A Astrologia sempre dividiu o elemento fogo em tr√™s signos: ( √Āries, Le√£o e Sagit√°rio). (...) E se voc√™ √© um tipo fogo, talvez precise aprender uma li√ß√£o importante: aceite as limita√ß√Ķes. Achar que a grama do vizinho √© sempre mais verde pode lev√°-lo a desperdi√ßar coisas importantes que j√° conquistou. Voc√™ tende a desvalorizar as suas coisas e seus relacionamentos √† medida que o tempo passa, por puro t√©dio e necessidade de estar sempre conquistando o novo. O pre√ßo a se pagar por isso , no futuro, √© n√£o ter criado nada muito s√≥lido, correndo atr√°s de coisas que s√£o melhores no mundo da fantasia.(...) Lembre-se : um c√°lice de vinho pode ser bonito e evocar muitas ideias criativas, mas beba-o com modera√ß√£o! 

De fato, gosto de mergulho intenso em tudo que faço, não sou morna em nada. Se amo, me entrego pra valer, mas se não sou correspondida perco o entusiasmo, em busca de algo que realmente crie borboletas na barriga, isso é para mim viver apaixonada, por tudo a cada dia. Como leonina me sinto como bicho acuado, cada vez que me podam a liberdade de ser e viver intensamente. A VIDA precisa ser vivida! Mas o que é viver? Cada um sabe a sua melhor forma.

Iracema Correia

Baseado em minhas leituras do Livro Os seis Caminhos do Amor de Alexey Dodswhorth

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Como reagir diante do “c√°lice de vinho”?








Longe de ser uma regra de etiqueta onde se estabelece normas de eleg√Ęncia e refinamento para  quem o observa, este t√≠tulo √© mais uma reflex√£o de como n√≥s vivemos e mais precisamente de como compreendemos o amor. Astrologicamente, somos divididos em tr√™s elementos. O ar ( Aqu√°rio, Libra, G√™meos), Fogo ( √Āries, Le√£o (euzinha,rsrsrs), Sagit√°rio) e por fim o elemento Terra ( Virgem, Capric√≥rnio e Touro). Independente de acreditarem ou n√£o em Astrologia, sempre somos divididos por grupos em qualquer ci√™ncia , pseudoci√™ncia, Teses, etc. Para melhor compreendermos as similaridades e disparidades humanas. Assunto este que me deixa em √™xtase, pois a tamanha complexidade do ser humano, rende muito pano pra manga, pass√≠vel de muitos e exaustivos estudos intergal√°cticos ( para abranger logo tudo). Bom, o elemento Ar ( Aqu√°rio, Libra e G√™meos), ao ser indagado sobre o que √© aquele objeto , no caso o c√°lice de vinho, sorri, meio simp√°tico meio agitado, estimulado pela pergunta. Ser√° um tipo de jogo?Est√£o testando os meus conhecimentos? Inicia assim uma prele√ß√£o sobre c√°lices e suas fun√ß√Ķes variantes de acordo com as formas. Conta que h√° c√°lices mais adequados a alguns tipos de vinhos que outros, etc e tal. Ele n√£o √© especialista em enologia √© s√≥ curioso e aprende tudo. Detalhe: Ele n√£o prova o vinho, apenas fala sobre ele. Intelectualizar a experi√™ncia √© s√≥ uma forma de fuga. O ar √© o elemento da comunica√ß√£o. Tem problemas com a emo√ß√£o, o caos, o imprevis√≠vel e fantasia obter a chave secreta do universo que vai lhe permitir domar o indom√°vel ( as emo√ß√Ķes), doce engano. Pode dizer, por exemplo que n√£o tem raiva nenhuma de voc√™ e pisar no seu p√© tr√™s vezes em um mesmo dia- √© o acidente expressando o que a mente n√£o quer assumir. Quem sufoca a paix√£o a atrai como inimiga. √Č preciso sutileza  e paci√™ncia na arte de alcan√ßar seus verdadeiros sentimentos. Com o tempo, ele aprende que conhecer todos os vinhos do mundo e saber tudo sobre c√°lices de cristal n√£o se compara a silenciar a mente e se entregar √† doce experi√™ncia fisiol√≥gica de ousar provar o vinho - coisa que n√£o fez quando lhe apresentado ao c√°lice pela primeira vez. Cada elemento e a sua vis√£o de mundo. Como ser√° o elemento fogo? 

Próximas postagens ;)
Baseado em minhas leituras do livro Os seis Caminhos do Amor de Alexey Dodswhorth .

Iracema Correia

s√°bado, 6 de fevereiro de 2016

ENERGIA SEXUAL por Selma Flavio



A energia sexual desempenha um papel importantíssimo no nosso bem-estar mental, emocional e físico. E para as pessoas empenhadas em seguir um caminho espiritual, a compreensão do que significa energia sexual e o ato de fazer amor é mais preciosa ainda, pois eles são recursos de que dispomos para elevar nossa consciência e avançar para níveis mais altos de energia.

Se estamos com algu√©m que amamos, o ato de fazer amor e o orgasmo provocam uma expans√£o de energia nos nossos campos energ√©ticos e a energia sexual se funde com a energia mais profunda do amor. Essas duas energias se tornam ent√£o uma s√≥ energia, poderosa, criativa, transformadora, que pode operar a cura, a renova√ß√£o e, se for conduzida at√© um n√≠vel suficientemente elevado, o que alguns chamam de “milagres”.

Mas o que acontece quando usamos a for√ßa vital e a energia sexual num relacionamento √≠ntimo em que n√£o existe amor?Simplesmente os nossos centros de energia ficam bloqueados e a energia “n√£o flui”. Isso acontece porque a intimidade sexual, quando n√£o existe amor, cria o que poderia ser descrito como “impress√Ķes negativas” nos nossos centros de energia,bloqueando o movimento e o fluxo energ√©tico.

Essas impress√Ķes negativas e os bloqueios podem ser sentidos energeticamente e alterar as nossas atitudes e os nossos comportamentos. Elas podem nos fazer sentir “travados” sexualmente causando em n√≥s uma perda de vitalidade sexual ou ent√£o podem disparar um anseio compulsivo por sexo, num esfor√ßo inconsciente para desbloquear as energias sexuais.

Se as nossas energias sexuais n√£o est√£o ligadas ao amor, elas podem como c√©lulas cancer√≠genas, adquirir “vida pr√≥pria” e acabar nos afastando do amor. E em nossas tentativas de satisfazer nossos impulsos sexuais, acabamos ferindo a n√≥s mesmos e a outras pessoas. Atos meramente sexuais nunca s√£o inofensivos. As energias sexuais s√£o for√ßas poderosas!

Quando utilizadas com amor, elas promovem a nossa expans√£o como seres humanos. Quando usadas sem amor, elas causam o ac√ļmulo de impress√Ķes e energias “escuras” e negativas na nossa aura, que nos mant√™m em n√≠veis baixos de percep√ß√£o, ofuscam a nossa perspectiva mental e s√≥ criam obst√°culos √† nossa experi√™ncia da felicidade. Esse √© um pre√ßo muito alto a pagar por um prazer moment√Ęneo.



Outro efeito da troca de energias sexuais sem amor √© o que poderia ser descrito como “buracos ou perfura√ß√Ķes” no campo energ√©tico dos parceiros. Sem a energia vital do amor, a troca de energias cria lacunas que enfraquecem a aura. Quando, ao contr√°rio, o amor est√° presente, a mistura ou fus√£o das energias fortalece o campo energ√©tico, porque, nesse caso, mais amor e mais energia s√£o produzidos no ato de fazer amor.

Isso é igualmente verdadeiro para casais casados e não-casados. Não se trata aqui de uma questão moral. Pessoas casadas que não se amam e fazem sexo estão causando prejuízos uma a outra da mesma maneira que casais não casados, quando se entregam ao sexo sem amor.

Quando existe intimidade sexual entre duas pessoas, ocorrem as trocas de energia entre elas. Quando temos intimidade sexual, n√≥s, por habito, nos abrimos energeticamente de uma maneira muito profunda, que permite a cada parceiro carregar a energia do outro. Desse modo, quando somos sexualmente √≠ntimos a algu√©m, carregamos a “vibra√ß√£o energ√©tica” do campo e dos centros de energia da outra pessoa.

Essa vibra√ß√£o inclui, num grau maior ou menor, os pensamentos e emo√ß√Ķes do parceiro, que podem ser positivos ou negativos. Por exemplo, se estamos zangados ou tristes, a vibra√ß√£o de nossa raiva ou de nossa tristeza pode ser transferida para o nosso parceiro sexual juntamente com a troca de outras energias, e o parceiro receptor ir√° adquirir essa energia de raiva ou tristeza.

O grau em que somos afetados pela energia do parceirodepende da for√ßa de nosso pr√≥prio campo energ√©tico e da intensidade vibracional dos pensamentos e emo√ß√Ķes do parceiro. √Äs vezes, depois de fazer amor com algu√©m que n√£o amamos, sentimos como se estiv√©ssemos carregando alguma coisa “suja” ou que na realidade n√£o √© nossa. Podemos at√© sentir a necessidade de tomar banho – uma experi√™ncia de purifica√ß√£o ritual – para nos livrar dessa sensa√ß√£o.

Por outro lado, quando a experiência é de amor, cada parceiro se sente banhado na energia do amor e no brilho remanescente do ato de fazer amor, e quer conservar esses sentimentos durante o máximo de tempo possível. Os parceiros geralmente carregam as energias um do outro por seis meses ou mais. Na verdade, eles podem carregar essas energias indefinidamente, a menos que se limpem e se libertem delas.

Visualiza√ß√Ķes, ora√ß√Ķes, rituais podem ser utilizados, isolada ou conjuntamente, para este prop√≥sito. Pessoas sexualmente ativas, portanto, transferem suas pr√≥prias energias e a de todos parceiros anteriores e atuais a qualquer novo parceiro.Essa √© uma das raz√Ķes porque elas perdem o senso de identidade.

Quanto mais carregamos as energias de outras pessoas, menos sentimos as energias que s√£o especificamente nossas. N√≥s tamb√©m extra√≠mos e carregamos aspectos da personalidade do parceiro, pois as energias que s√£o trocadas carregam a vibra√ß√£o das emo√ß√Ķes, dos pensamentos e das experi√™ncias das pessoas.

Em outras palavras, n√≥s come√ßamos a sentir a vibra√ß√£o da energia das pessoas como nossa pr√≥pria energia. Quando isso acontece, tamb√©m ficamos mais suscet√≠veis √† for√ßa e personalidade dessa pessoa, particularmente se ela tiver um campo de energia mais forte do que o nosso. Portanto, cada vez que temos rela√ß√Ķes sexuais com algu√©m, estamos criando conseq√ľ√™ncias douradoras que n√≥s nunca t√≠nhamos imaginado para n√≥s mesmos e para as outras pessoas.

As pessoas nunca aprenderam, com os pais, a escola ou quem quer que seja, que a energia sexual √© uma for√ßa poderosa que dever√≠amos usar apenas para manifestar mais plenamente a vida em n√≥s e expandir os nossos campos de energia. Portanto “como” e “com quem” n√≥s usamos essas energias est√£o entre as decis√Ķes mais importantes que podemos tomar na vida.


Compilado do livro: Sexo: Verdadeiro ou Falso?
De Michelle Rios Rice Hennelly e R. Keven Hennelly

Selma Fl√°vio √© terapeuta Naturista, formada em Pedagogia, e educa√ß√£o Transdisciplinar. Al√©m de ser especializada em Terapia Floral. Proporciona atendimentos terap√™uticos, individual e em grupo, cursos e workshops. Escritora do livro Os florais e as Deusas, e de muitos outros artigos. Apaixonada pelo que faz, cada vez mais conhece esse universo terap√™utico, reunindo v√°rias t√©cnicas para o aux√≠lio ao desenvolvimento humano. E tem como frase “Conhece-te e Cura-te a ti mesmo” - Delfos aos antigos gregos.

Compartilhado do Blogger: http://robertacarrilho-div.blogspot.com.br/2016/02/energia-sexual-por-selma-flavio.html