sábado, 26 de março de 2016

Filme os Vingadores...só acho ( pra descontrair)





Hulk só resolve as paradas quando tá nervoso, segura por vinte dias a pressão ( parece mulher na TPM... depois estoura, dá dois gritos e eis a solução) Arregaçou com Loki, " Eu sou Deus!."..Tchimbum deu dois saculejo e disse...deus fraco) Eita bicho brabo...xonei <3 .
Gavião Arqueiro, olho lindo, todo lindo, parece que tem olho nas costas, xonei também <3

Natasha, só sabe encarar com zoião (cara feia pra mim é fome), mas no primeiro espirro de Hulk , se tremeu toda. Frouxa, rsrsr (SQN)
O Homem de Ferro se acha o √ļltimo biscoito do pacote, cheio de presepada, mas se n√£o √© a armadura, num serve para nada. Presepeiro todo. Ainda achou que hulk o beijou para acord√°-lo. Doente rsrsrsrs.
Capitão América parece um Porta Bandeira de Escola de samba, só serve para exibir a bandeira dos EUA e apresentar os outros vingadores, mandão que só ele, nem "as poliça" levou fé.

Thor e o martelo, o martelo e Thor (ai como eu queria ser aquele martelo), acorda pra vida meu irmão, tanta força e muita inocência. Parece homem que gosta de tomar chifre, brabo que só ele, mas num é que acredita de novo na marvada?
Loki... meu camarada, tu tem um sorriso lindo, "mar num vale nada" , parece esses homens ruim que conquista a mulher pelo sorriso , apronta mil vezes e ela acredita. Neste caso é Thor o irmão. Tão puro tadin, honrado inocente. Resumindo...olha o poder de destruição que a inveja tem?
Minha resenha do filme: Ser√° que tiro nota dez :) ?
Só pra descontrair, rindo muito!
A frase que mais me fez refletir no filme foi a que Loki disse: "A raça humana gosta de ser submissa."
Iracema Correia

quinta-feira, 24 de março de 2016

Proteja-se de pessoas com baixa autoestima.



Proteja-se de pessoas com baixa autoestima. S√£o essas que necessitam reafirmar a sua personalidade com atitudes narcisistas. Fazendo de tudo para manter o outro sob os seus dom√≠nios.  Utilizando de joguinhos infantis. Atraindo e repelindo voc√™ ao mesmo tempo. Se h√° um relacionamento neste n√≠vel e nesta vibe ,fazemos bem em repelir. O que √© bom, sincero e verdadeiro que de fato tem grande valor, n√£o se constr√≥i com ofensas, mentiras ou caprichos. Ningu√©m muda ningu√©m. O que no m√°ximo podemos fazer √© orientar. A mudan√ßa est√° em cada pessoa. E cada um tem o seu tempo de amadurecer ou n√£o. Isso √© uma escolha pessoal. N√£o podemos dar p√©rolas a porcos e esperar que os mesmos valorizem-nas. Da mesma forma, esperar que alguma pessoa compreenda o valor de um sentimento verdadeiro, baseado na sinceridade e dedica√ß√£o, quando ela mesma n√£o reconhece ou valoriza tal situa√ß√£o √© um grande engano. Muitos aborrecimentos evitamos quando n√£o for√ßamos ningu√©m a ser o que n√£o est√° na sua natureza. H√° pessoas que se acostumam com outras formas de demonstra√ß√£o de carinho, se √© que podemos chamar assim. As vezes carinho e aten√ß√£o em excesso incomoda alguns. O que fazer? Se   proteger dos joguinhos. Abrir os olhos pois muitos s√≥  querem ter a certeza de que voc√™ est√° por perto e ter o controle dos seus sentimentos. Isso √© narcisismo, problemas de ego mal resolvido. Autoestima baixa. Fiquemos espertos.

segunda-feira, 21 de março de 2016

√Č importante ser √ļtil, melhor ainda √© ser amado.




√Č muito delicioso de se ouvir: " Senti a tua falta!". Maravilhoso e pleno √© quando sentimos que a nossa falta, de fato , √© sentida. Quem sente falta, procura. Quem tem sede, procura algo para se refrescar, quem tem fome, algo para  se saciar. Para estas duas √ļltimas situa√ß√Ķes, tanto a √°gua quanto a comida foram √ļteis no processo de satisfazer necessidades que s√£o in√ļmeras e cada dia aumentam mais. Penso ent√£o, no quanto somos importantes para algu√©m. Se somos √ļteis ou de fato fazemos falta. √Č uma ben√ß√£o ter amigos e familiares que atendam as nossas necessidades quando estas aparecerem. Possam ser as de divers√£o, aten√ß√£o, financeiras,t√©cnicas,el√©tricas, mec√Ęnicas,  sexuais, etc. Procuramos muitas vezes, nos cercar de "Severinos" ou reis das gambiarras, para quando precisarmos, num estalar de dedos, eles aparecerem. Ou aquele amigo para "todas as horas", que possam nos garantir, divers√Ķes, risos, prazeres, etc. O pai, a m√£e, o irm√£o, namorado ou amigo que sabemos que "sempre ser√£o o nosso suporte" em caso de qualquer necessidade, principalmente a financeira e f√≠sica.√Č muito bom, viver, sabendo que podemos ter sempre com quem contar. Pessoas essas que NUNCA ser√£o capazes de negar ajuda  e NUNCA ser√£o capazes  de passar isso na nossa cara, como uma esp√©cie de vingan√ßa. Queremos de fato, ter algu√©m em quem confiar, algu√©m que nos ame incondicionalmente. Mas nem sempre temos porque as vezes, n√≥s somos este algu√©m para todo mundo. Por vezes √© f√°cil sentirmos-nos √ļteis, acumulamos experi√™ncias de vida, amadurecemos, procuramos desenvolver a praticidade na vida, de forma que conseguimos "desenrolar os n√≥s da vida" sem tamanhas dificuldades. O outro diz que nos ama, que n√£o vive sem a nossa presen√ßa, que somos mais do que especial. E fico eu c√° a me perguntar. Ama o que eu represento na vida desta pessoa no sentido de utilidade ou no sentindo da minha presen√ßa ainda que n√£o t√£o √ļtil assim? Sou uma pessoa √ļtil e devemos ser, afinal, como diz um velho ditado popular " Quem n√£o vive para servir, n√£o serve para viver." Mas porque eu me coloco na condi√ß√£o de algu√©m t√£o √ļtil? Para me sentir uma falsa sensa√ß√£o de ser querido, amado? Ser√° que eu me coloco na vida de uma pessoa de forma t√£o plena, que n√£o deixo que a mesma n√£o sinta falta de nada? Ser√° que a√≠ n√£o esconde um desejo inconsciente de criar uma esp√©cie de  simbiose? Eu te sirvo e voc√™ fica comigo, assim n√£o ficamos s√≥s. N√£o creio que esta rela√ß√£o seja sadia assim. Desejo um amor que mesmo eu n√£o estando √ļtil, me seja dispensado. Que a minha pessoa seja querida, mesmo n√£o servindo tanto assim. Que o amor por mim, venha de um bem querer sincero, de um afeto e o prazer apenas de estar comigo, ainda que eu n√£o esteja servindo aparentemente para nada.Embora aqui, eu  possa entrar em contradi√ß√£o, mas para facilitar, cito o exemplo de uma m√£e que cuida de onze filhos e estes onze filhos n√£o conseguem cuidar de uma m√£e. A m√£e foi √ļtil para todos estes filhos enquanto estava nos seus dias de gozo de uma vida saud√°vel. Por√©m, depois de idosa, cansada e abatida, nem todos os filhos conseguem mensurar a import√Ęncia da presen√ßa da m√£e porque a mesma j√° n√£o lhes √© t√£o √ļtil assim. Sabemos que h√° m√£es e M√ÉES, filhos e FILHOS, CONTEXTOS E CONTEXTOS. N√£o podemos julgar pois cada situa√ß√£o √© √≠mpar. Apenas √© um convite √† reflex√£o na rela√ß√Ķes humanas. Se somos √ļteis ou amados, simplesmente por sermos n√≥s. Sabemos que somos amados ao inv√©s de apenas √ļteis, quando podemos ser n√≥s mesmos, felizes com nossas escolhas, livres e ainda assim, termos o apoio e o carinho daqueles que nos cercam. Aquela m√£e que resolveu conhecer o mundo, depois dos filhos estarem criados e ainda assim, estes mesmos filhos ligarem para ela o tempo todo, para saberem se a mesma est√° bem e feliz. √Č voc√™ estar simplesmente cansado n√£o sendo boa companhia e o outro sentar ali  ao seu lado sem nada dizer, mas estar com voc√™,sem nada exigir. √Č voc√™ ser voc√™ mesmo, com suas escolhas, erros, acertos, problemas f√≠sicos e se sentir  pleno porque ainda assim,  voc√™ se sente querido, daquele jeitinho que chega acalma o cora√ß√£o, um acolhimento para a alma. Eu prefiro amar e sentir ser amada, mesmo um dia n√£o sendo t√£o √ļtil  assim. √Č uma utopia neste momento. Mas gosto de utopias, me fazem bem.

Iracema Correia

sábado, 19 de março de 2016

Para onde vão os dias? Só o tempo dirá.





Que nada sabemos e ficamos sem entender certas coisas. O porqu√™ delas acontecerem conosco ou o porqu√™ de n√£o acontecerem. Acredito que se n√£o foi desta vez, ser√° bem melhor da pr√≥xima. . Tudo na vida tem o seu tempo, e o tempo cura tudo. Cura cicatrizes que no momento parecem ser incur√°veis. Removem situa√ß√Ķes que no momento nos incomodam tanto, parecendo gigantes, s√≥ que quando o tempo passa, pessoas outrora importantes daquele momento, viram apenas recorda√ß√Ķes de dentro de um velho ba√ļ que vez por outra lembramos de abrir e retirar, junto com a poeira acumulada do tempo. O tempo √© o senhor das raz√Ķes. Apenas ele n√£o usa anestesia, e para confiar nele, precisamos desta coragem e PACI√äNCIA. No final de tudo, mesmo que nada aconte√ßa como queiramos, aprendemos uma li√ß√£o. Se n√£o ocorreu, apesar de nossos esfor√ßos √© porque n√£o teria que ser. E o que tiver que ser para o nosso bem, assim o ser√°, desde que vibrarmos nossos desejos mais sinceros do fundo do cora√ß√£o, de tal maneira que ele ecoe para o universo, e este responder√° na medida em que for melhor para n√≥s. Viver √© uma constante espera, podemos esperar se acreditarmos naquilo que queremos, se vale a pena ou n√£o. S√≥ n√≥s saberemos mensurar o n√≠vel de interesse e import√Ęncia do objeto esperado e calcular por quanto tempo devemos esperar. Enfim, embora esperamos, n√£o permitamos que a nossa vida pare. Precisamos fazer acontecer a nossa vida e deixar a roda do tempo girar. Vez ou outra estamos nas cheias, e vez ou outra estamos nas ondas vazias do tempo. O que fazer? Esperar se valer a pena, ou seguir em frente encontrando outro rumo √† seguir. Como uma planta que √© arrancada do seu solo, podemos nos sentir despatriados, perdidos, desprotegidos, mas nos encontramos, com paci√™ncia e disciplina. Apenas precisamos ficar atentos para n√£o deixarmos o tempo levar embora, lentamente, pessoas ou coisas que de fato nos sejam preciosas e, por desaten√ß√£o ou falta de zelo, deixarmos escapar.

Iracema Correia


terça-feira, 15 de março de 2016

Professores!!! Usem e abusem dos livros!




Paralisa√ß√£o Nacional da Educa√ß√£o. A minha filha como aluna da rede p√ļblica, sem aula. Enfim, o que fazer? Eureka!! Estou afastada mas n√£o estou morta! Entre dores, incha√ßos calores, dissabores, t√≠picos de quem bem conhece a Fibromialgia. Entre dores nos bra√ßos sentidas, por  quem tem a S√≠ndrome do T√ļnel do Carpo, vamos √† luta pois a vida √© curta.Entre afazeres do almo√ßo, lanche, preciso garantir √† minha cria mais um dia de aprendizado. E, sinceramente, digo EU, a minha pessoa aqui que vos fala, n√£o sinto muita falta da rede privada. Sinto falta daqueles profissionais que conseguem ir al√©m da lousa, daqueles que n√£o confundem quantidade com qualidade. Que n√£o entopem a lousa de textos e opera√ß√Ķes, com o fim de manter a sala quieta apenas. Se bem que utilizar algumas opera√ß√Ķes matem√°ticas, na lousa enquanto a turma est√° muito inquieta, acho v√°lido!  Afinal, existem contextos e contextos. O problema √© quando isso vira rotina. Quando deixamos de lado a oportunidade de trabalhar de forma interdisciplinar com os alunos. Quando pensamos ou n√£o pensamos que o bastante √© fazer o aluno reproduzir o conte√ļdo "derramado" por n√≥s. A√≠ complica colega! Quando a coisa fica sem sentindo, cansativa, a aprendizagem n√£o rola. Digo isto porque estou em um impasse com um colega, professor de minha filha, impasse no sentido de diverg√™ncias de opini√£o, por√©m, ele √© o professor dela e devo eu respeit√°-lo. Embora n√£o concorde com os seus m√©todos. Quando conversei com a dire√ß√£o sobre o assunto, a mesma, participou para mim que , quem sabe n√£o seria uma nova forma de se educar????????? L√≥gico, senti uma certa precau√ß√£o em n√£o estarmos criticando a pessoa. Mas que mania esta meu Deus de estarmos sempre resistindo a cr√≠ticas em cima do nosso trabalho? Recebemos, se a mesma vem de forma cuidadosa e respeitosa, mas precisamos analisar onde h√° um fundo de verdade. Ser√° que nossos egos inflados ir√£o permitir que deixemos de realizar um trabalho significativo? Acredito que compartilhar √© viver, e o foco aqui √© a aprendizagem fluir e sim, cada pessoa , Pedagogo em particular, tem o seu perfil preferido. Eu particularmente, gosto de turmas com adolescentes, jovens e adultos e quando fiquei com turminhas de tr√™s a sete anos, n√£o me sentia realizada, embora solicitava e recebia constantes orienta√ß√Ķes de colegas que curtiam esta faixa et√°ria. Mas, definitivamente n√£o √© o meu perfil, tenho uma linguagem mais adulta e consigo de forma menos exaustiva trabalhar com adolescentes. De dez anos em diante, at√© cem anos. Bom, voltando ao dia de hoje, aproveitei os livros maravilhosos e suas atividades interdisciplinares para trabalhar com a minha filha : ( matem√°tica) gr√°ficos, tabelas, adi√ß√£o com reserva. Bioma, queimadas, ( geografia). Leitura oral e interpreta√ß√£o textual e de gr√°ficos, produ√ß√£o de frases, uso do dicion√°rio ( L√≠ngua Portuguesa). Desenho livre e pintura ( Arte). Tudo isto em uma pequena atividade sugerida pelo livro. 










Um Gr√°fico onde o aluno tem a oportunidade de interpretar as informa√ß√Ķes ali expostas. Isso √© muito importante onde percebe-se que um dos problemas gritantes nos educandos brasileiros √© sem d√ļvida a quest√£o de Interpreta√ß√£o. Isso se estende at√© √† faculdade e p√≥s. Noto ao ler alguns coment√°rios de pessoas adultas sobre temas variados, e coisas que est√£o ali expl√≠citas , mas n√£o conseguem interpretar. Por isto, a base educacional √© fator crucial para que tais dificuldades possam ser sanadas. O livro apresenta o √≠ndice  da quantidade de queimadas nos diferentes Biomas encontrados no Brasil, apresentando de diferentes formas: gr√°fico de barras simples e tabelas. Com quest√Ķes em que o aluno l√™ , desenvolvendo a leitura oral, e responde, desenvolvendo a escrita e interpreta√ß√£o textual. Primeiro incia com um t√≠tulo assim: N√öMERO DE FOCOS DE QUEIMADAS POR BIOMA.



  • √Č importante destacar √† turma que todo gr√°fico precisa de um t√≠tulo e fonte.E que o mesmo deve explicar a que se refere os n√ļmeros e s√≠mbolos, quer sejam barras simples, m√ļltiplas, linhas, pict√≥ricos, etc.
  • Buscar no dicion√°rio o significado dos termos desconhecidos que, neste caso, seria o termo BIOMA. At√© a etimologia da palavra √© sempre bom considerar.A exemplo: bios=vida e oma=grupo ou massa). S√≥ ai j√° temos muito "pano pra manga".

  • Responder as quest√Ķes propostas pelo livro, no caso deste onde pede que o aluno fa√ßa uma an√°lise onde h√° mais foco de queimadas, onde o n√ļmero √© superior a 1500, onde quase se equaliza, etc.

  • Realizar a opera√ß√£o matem√°tica sugerida pelo livro, e neste caso, deixar que o aluno do quarto ano, identifique qual a opera√ß√£o a utilizar e como realizar√° todos os c√°lculos.

  • A utiliza√ß√£o da Malha Quadriculada para a realiza√ß√£o das opera√ß√Ķes fundamentais, constru√ß√Ķes de gr√°ficos, etc., h√° espa√ßo para incluir a nomenclatura das casas decimais, permitindo um melhor entendimento do c√°lculo realizado. 

  • A Malha Quadriculada √© um recurso muito importante para as atividades matem√°ticas, s√£o infinitas atividades a serem desenvolvidas de maneira mais sistematizada e significativa. Ampliar, reduzir, calcular, construir gr√°ficos,etc., √© s√≥ xerocar normalmente nas √ļltimas folhas de alguns livros que sempre v√™m. Recurso important√≠ssimo que n√£o deveria ser deixado de lado nunca no per√≠odo de estudo.

  • Fazer  uma ponte entre o assunto trabalhado com outra disciplina, o que chamamos de interdisciplinaridade. Neste caso, busquei no livro dela de Geografia alguma fotos dos Biomas brasileiros. Assistimos um v√≠deo no You Tube, para que as imagens fossem melhor captadas e finalizamos com um desenho do Bioma escolhido. O desenho √© livre e permite a livre express√£o art√≠stica da crian√ßa.

Resultado? Ouvi-la estabelecer as rela√ß√Ķes entre as palavras FAUNA E FLORA com o universo dos desenho animados dela. As fadas da Bela adormecida. Citar o desenho de Tinker Bell O Segredos Das Fadas, onde a irm√£ da mesma, vive em outro ambiente, segundo ela, outro bioma e tiveram, em um desenho, grandes dificuldades de se encontrar, porque os seus corpos n√£o estavam acostumados com a diversidade das regi√Ķes em que ambas moravam. Me perguntou qual cor de e tonalidade de azul deveria colocar para representar o r io da Floresta Amaz√īnica, o bioma escolhido por ela, da√≠ olhou bem para a foto e preferiu misturar verde escuro, amarelo e verde claro.E por fim: 

"GOSTEI DE TERMINAR O DEVER COM UM DESENHO". E quem n√£o gosta em?

Sempre priorizei utilizar a interdisciplinaridade nas aulas, nos permite viajar sem fronteiras no campo do conhecimento, tendo pouco ou muito recursos, com turmas de 39 alunos ou 18 alunos. Dificuldades temos, mas nada que nos impe√ßa de transmutar tudo isto e trabalhar com alegria. 

Vídeo acima dos Biomas brasileiros!

Prosperidade e felicidade no atuar colegas!!!!!


Iracema Correia


segunda-feira, 14 de março de 2016

A ciência para ficar rico. Existe?





Tive  a oportunidade de desfrutar de mais  uma obra maravilhosa. A Ci√™ncia Para Ficar Rico. Curiosamente cliquei no You Tube, e um v√≠deo leva ao outro e assim cheguei. Curiosa como sou, gosto de ouvir e ler para s√≥ ent√£o tecer meus coment√°rios a favor ou contra a obra. L√≥gico que o a favor ou contra √© no meu ponto de vista,do que me estimula, do que alimenta as minhas verdades, do que n√£o viola quem sou. A princ√≠pio, escutava outro √°udio que, de imediato me incomodou. Neste, o autor afirmava que para enriquecermos, precisar√≠amos estar disposto a pagar um pre√ßo, como uma esp√©cie de troca. Pensei: " Puxa, vender a alma!" N√£o √© bem isso que encaro como riqueza, afinal, riqueza pra mim √© ter liberdade para realizarmos nossos desejos. Por√©m, quem √© escravo de desejos primitivos, que quer alcan√ßar o topo do poder e da riqueza para manipular os outros, escravizar, humilhar, trapacear, etc., n√£o √© de fato uma pessoa pr√≥spera. E ent√£o comecei a ouvir o audiobook A Ci√™ncia  Para Ficar Rico  escrito por Wallace D. Wattles e maravilhosamente narrado por n√£o sei quem. Mas pela brilhante leitura, certamente contribuiu e muito para prender a minha aten√ß√£o. Entre tantos assuntos abordados que, se n√£o tivermos um m√≠nimo de aten√ß√£o, poderemos rapidamente se dispersar. Algumas coisas que lembro e chamou a minha aten√ß√£o:

O fato de aprendermos culturalmente que a pobreza √© algo positivo e que a riqueza, os bens materiais devem ser repudiados, como empecilhos  para o crescimento espiritual da pessoa me fez lembrar a vis√£o medieval de que a a riqueza era pregada como pecado pela ent√£o Igreja Cat√≥lica, detentora do Poder Pol√≠tico na √©poca. Voltando para o livro o autor salienta que n√£o h√° possibilidades de uma pessoa se realizar plenamente, quando ela n√£o √© f√≠sica, mental e espiritualmente realizada. Concordo muito com isto, pois o nosso corpo foi desenvolvido de uma forma perfeita, onde pud√©ssemos sentir agrad√°veis aromas, onde a pele pudesse desfrutar plenamente de  in√ļmeras sensa√ß√Ķes. A l√≠ngua com a sua capacidade de identificar variados sabores para a nossa satisfa√ß√£o. Nossa vis√£o inteiramente perceptiva as nuances de pequenas diferen√ßas de cores, nosso ouvidos, detectar sons fascinantes, diferenci√°-los e ainda ser capaz de reproduzir, assim como fazem muitas instrumentistas, pessoas que imitam o canto de p√°ssaros, cantores, etc. " Ningu√©m deve ficar satisfeito com o pouco se for capaz de usar e apreciar mais." O autor cita a Lei de causa e efeito e que a posse de dinheiro e da propriedade vem de fazermos a coisa certa. Da√≠ achei interessante notar como em v√°rias frases ele repete que n√£o devemos mentir , roubar, ou procurar qualquer meios escusos para enriquecer e que ainda que muitos consigam isto, com o tempo a pr√≥pria vida se encarrega de puni-los, no entanto, n√£o devemos julg√°-los.Livrar-se da competi√ß√£o e da cobi√ßa, de tornarmos-nos criadores em vez de competidores.De que n√£o devemos fazer negocia√ß√Ķes acirradas. N√£o deixar ningu√©m trabalhar para n√≥s por menos do que j√° ganha. Pois NINGU√ČM TEM NADA DO QUE N√ÉO POSSAMOS TER, SEM TER QUE TOMAR DELE.

Indiv√≠duos que se tornam extremamente ricos, CONSEGUIRAM ISTO PELA SUA EXTRAORDIN√ĀRIA HABILIDADE EM COMPETIR, pela competi√ß√£o Rockefeller, Canergie Morgan, etc., respons√°veis pela sistematiza√ß√£o e organiza√ß√£o da industria produtiva, por√©m foram substitu√≠dos pelos agentes que organizaram o maquin√°rio da distribui√ß√£o.Fizeram a sua parte no processo evolutivo com os r√©pteis da pre-hist√≥ria. Mas o mesmo poder que os elevou tamb√©m os liquidou. Que riquezas baseadas no plano da competi√ß√£o nunca s√£o satisfat√≥rias e permanentes. S√£o suas hoje e amanh√£ ser√£o de outros.


  "Sinto a m√ļsica dentro de mim, mas n√£o consigo fazer as minhas m√£os toc√°-las certas."

O seu desejo é a vontade plena da sua expressão.
Eu quero m√£os para construir estruturas maravilhosas, tocar melodias divinas, l√≠ngua para dizer poderosas verdades, p√©s para perambular por a√≠. Tudo que h√° impossibilidades est√° procurando express√£o nas pessoas. 

Ele cita que o altruísmos extremo não é melhor do que o egoísmo extremo e que podemos ajudar mais os outros sendo generosos conosco.


Cita a subst√Ęncia amorfa existente no universo e que atrav√©s dela tudo pode ser feito. Enfim, este foi o livro , segundo estampa na capa do audiobok, que a autora Rhonda Byrne, se baseou para escrever O Segredo. Mas, confesso que lendo o Segredo, n√£o consegui aceitar certas afirma√ß√Ķes, ainda que concorde que o pensamento cria e transforma muita coisa, mas, no livro A Lei da Atra√ß√£o, j√° sinto como √© poss√≠vel colocarmos certas coisas em pr√°tica. Livros como A Ci√™ncia para ficar rico e O Poder do Subconsciente, fornecem uma filosofia de vida onde devemos pensar positivo e agir em harmonia com estes pensamentos, mostrando-se sempre gratos. H√° quem leia tais obras e procure a forma milagrosa para ficar rico, ou as 10 maneiras, 100 formas, como muito √© usado em audiobook's atuais, uma enche√ß√£o de chouri√ßa terr√≠vel que n√£o leva a lugar algum. H√° quem queira tais formas, porque tem pressa. Noto nesta leitura um incentivo √† desconstru√ß√£o de pensamentos negativos, conformistas de que nascemos pra sofrer, sem mobilidade e ainda de que para termos sucesso na vida precisamos nos sacrificar muito. Esta de fato n√£o √© a minha vis√£o. E livrar-se da culpa de poder usufruir o que honestamente conquistamos. O pr√≥prio autor nos sugere que compartilhemos tais verdades e que para sermos ricos na pr√°tica, precisamos estar gozando plenamente, de todos os aspectos da nossa vida. De fato, n√£o adianta ser rico e ser solit√°rio, mal amado, infeliz. Por outro lado, n√£o adianta ser intelectual, sem recurso para imprimir as suas obras, para expressar a sua capacidade. O √°udio dura em torno de duas horas e quarenta minutos, o livro baixado tem sessenta e sete p√°ginas, mas inevitavelmente estou ouvindo constantemente, e lendo sempre. Um pensamento positivo e pr√°tico em sua aplicabilidade. Existem in√ļmeras coisas no livro. Enfim, convido a quem desejar a desfrutar desta obra maravilhosa. E o melhor, de gra√ßa! 


Iracema Correia

domingo, 13 de março de 2016

Naufragou




Passamos por tantas coisas na vida e por serem tantas, poder√≠amos estar cheios, mas  n√£o, ainda sentimos um vazio louco. Um vazio de :

Afeto, carinho, proteção, compreensão, cumplicidade, empatia, misericórdia,enfim...
√Č muito vazia a mente, √© vazio o cora√ß√£o de quem deseja o outro sofrer. De quem saliva a cada derrota de um desafeto seu. Mas o que seria um desafeto seu? Nem sempre t√£o desafeto assim, mas algu√©m que preferiu viver a vida com as suas verdades, que cala-se diante de agress√Ķes verbais que em nada vale a pena retrucar. Para qu√™? Se o outro est√° t√£o cheio de certezas e conceitos pr√© definidos que a √ļnica coisa que nos resta √© silenciar. O sil√™ncio, o distanciamento tornam-se necess√°rios quando a  mente est√° t√£o cheia de machucados, acusa√ß√Ķes e julgamentos. E o cora√ß√£o vazio de sentimentos trocados. Pois como iremos trocar empatia, amor, carinho, afeto, por quem n√£o sabe receber? Estar√≠amos dando p√©rolas a porcos? As vezes passamos por tantas agress√Ķes e machucados na vida que ficamos assim, parados, como pedras, sem saber como reagir diante de um sorriso , um aparente bem querer. Ser√° que √© verdadeiro ou vem chumbo grosso por a√≠? O cora√ß√£o cansa de apanhar, a alma perde o brilho e a √ļnica coisa l√≥gica que se nos apresenta √© afastar-se de tudo e de todos que n√£o sabem como ler nos nossos olhos, a pureza dos nossos sentimentos. T√£o puros, t√£o puros que de puros demais acabam absorvendo a poeira a sujeira daqueles que lhe fazem mal, e a alma pesa, e ficamos pesados, cansados, desfalecidos. Assim com o ar puro nos regozija, um ambiente bem energizado nos purifica. E fazemos bem em escolhermos com quem conviver, com quem rir, com quem chorar, com quem amar. Fazemos bem, escolher sabiamente a quem pedir ajuda na hora da falta e na hora da dor. Simplesmente a " Dama sorridente" naufragou. E o que lhe resta √© seguir o seu rumo e as suas pr√≥prias leis.

Iracema Correia


"Às vezes parecia
Que de tanto acreditar
Em tudo que ach√°vamos t√£o certo
Teríamos o mundo inteiro
E até um pouco mais
Faríamos floresta do deserto
E diamantes de pedaços de vidro

Mas percebo agora que o teu sorriso
Vem diferente, quase parecendo te ferir
(...)


Eu sei é tudo sem sentido
Quero ter alguém com quem conversar
Alguém que depois não use o que eu disse
Contra mim

Nada mais vai me ferir
√Č que eu j√° me acostumei
Com a estrada errada
Que eu segui e com a minha própria lei

Tenho o que ficou
E tenho sorte até demais
Como sei que tens também"

Andrea Doria
Legi√£o Urbana

sexta-feira, 11 de março de 2016

Como identificar e parar os manipuladores: 8 dicas para mant√™-los √† dist√Ęncia ou se libertar







Manipula√ß√£o psicol√≥gica pode ser definida como o exerc√≠cio de influ√™ncia indevida  atrav√©s da distor√ß√£o mental e explora√ß√£o emocional, com a inten√ß√£o de tomar o poder, controle, benef√≠cios e privil√©gios √†s custas da v√≠tima.

√Č importante distinguir a influ√™ncia social saud√°vel da manipula√ß√£o psicol√≥gica. A influ√™ncia social saud√°vel ocorre entre a maioria das pessoas, e faz parte do dar e receber das rela√ß√Ķes construtivas. Na manipula√ß√£o psicol√≥gica, uma pessoa √© usada para o benef√≠cio de outra. O manipulador deliberadamente cria um desequil√≠brio de poder, e explora a v√≠tima para satisfazer a sua vontade.
A maioria dos manipuladores possui quatro características comuns:
1-Eles sabem como detectar seus pontos fracos.
2-Uma vez encontrado, eles usam suas fraquezas contra você.
3-Por meio das suas astutas maquina√ß√Ķes, eles convencem voc√™ a desistir de algo que voc√™ quer, a fim de servir aos interesses dele(a).
4-No trabalho, e situa√ß√Ķes familiares ou sociais, uma vez que o manipulador consegue tirar vantagem de voc√™, ele ou ela provavelmente vai repetir a viola√ß√£o, at√© que voc√™ coloque um fim √† explora√ß√£o.
As causas da manipula√ß√£o cr√īnica s√£o complexas e profundas. Mas independente do que impulsione o indiv√≠duo a ser psicologicamente manipulador, n√£o √© f√°cil quando voc√™ est√° no outro lado, recebendo a agress√£o. Como algu√©m pode gerenciar com sucesso tal situa√ß√£o? Aqui est√£o oito chaves para lidar com pessoas manipuladoras. Nem todas as dicas abaixo podem se aplicar √† sua situa√ß√£o espec√≠fica. Basta usar o que funciona e deixar o resto.
1. Conhe√ßa os seus direitos humanos b√°sicos 
A orientação individual mais importante quando você está lidando com uma pessoa psicologicamente manipuladora é conhecer os seus direitos e reconhecer quando estão sendo violados. Contanto que você não prejudique os outros, você tem o direito de se defender e defender seus direitos. Por outro lado, se você trazer prejuízos para os outros, você pode perder esses direitos. A seguir estão alguns dos nossos direitos humanos básicos:
Você tem o direito de ser tratado com respeito.
Voc√™ tem o direito de expressar seus sentimentos, opini√Ķes e desejos.
Você tem o direito à sua própria lista de prioridades.
Voc√™ tem o direito de dizer “n√£o” sem se sentir culpado.
Você tem o direito de obter o que você paga.
Voc√™ tem o direito de ter opini√Ķes diferentes dos outros.
Você tem o direito de cuidar e se proteger de ameaças físicas, mentais e emocionais.
Você tem o direito de criar a sua própria vida feliz e saudável.
Estes direitos humanos b√°sicos representam as suas fronteiras.
√Č claro que a nossa sociedade est√° cheia de pessoas que n√£o respeitam estes direitos. Manipuladores psicol√≥gicos, em particular, querem priv√°-lo de seus direitos para que eles possam controlar e tirar proveito de voc√™. Mas voc√™ tem o poder moral e leg√≠timo para declarar que √© voc√™, n√£o o manipulador, quem est√° no comando da sua vida.
2. Mantenha dist√Ęncia
Uma forma de detectar um manipulador √© ver se ela age com ´´perfis´´ diferentes na frente de pessoas diferentes e em diferentes situa√ß√Ķes. Enquanto todos n√≥s temos algum grau de diferencia√ß√£o social, os manipuladores psicol√≥gicos tendem a habitar em condi√ß√Ķes extremas, sento altamente educados com uma pessoa e completamente rudes com outra, ou totalmente cuidadosos em um momento e ferozmente agressivos em outro. Quando voc√™ observar este tipo de comportamento a partir de um indiv√≠duo, de modo regular, mantenha uma dist√Ęncia saud√°vel e evite se envolver com a pessoa, a menos que seja absolutamente necess√°rio. Como mencionado anteriormente, as raz√Ķes para a manipula√ß√£o psicol√≥gica cr√īnica s√£o complexas e profundas. N√£o √© seu trabalho alterar ou salv√°-los.
3. Evite a personalização e a auto-culpa
J√° que a agenda do manipulador √© procurar e explorar seus pontos fracos, √© compreens√≠vel que voc√™ se senta inadequado, ou at√© mesmo se culpe por n√£o satisfazer o manipulador. Nestas situa√ß√Ķes √© importante lembrar que voc√™ n√£o √© o problema; voc√™ est√° simplesmente sendo manipulado para se sentir mal, ficando mais suscet√≠vel para entregar os seus poderes e direitos. Considere o seu relacionamento com o manipulador, e fa√ßa as seguintes perguntas:
Estou sendo tratado com respeito genuíno?
As expectativas e demandas dela sobre mim s√£o razo√°veis?
Existe apenas uma, ou as duas pessoas desta relação estão se doando para mantê-la?
Em √ļltima an√°lise, eu me sinto bem comigo mesmo nesta rela√ß√£o?
Suas respostas a estas perguntas lhe dar√£o importantes pistas sobre se o “problema” na rela√ß√£o √© com voc√™ ou com a outra pessoa.
4. Coloque o foco neles, fazendo perguntas de sondagem
Inevitavelmente, manipuladores psicol√≥gicos v√£o fazer pedidos (ou exig√™ncias) de voc√™. Estas “ofertas” muitas vezes fazem voc√™ sair do seu caminho para satisfazer as suas necessidades. Quando voc√™ ouvir uma solicita√ß√£o irracional, √†s vezes √© √ļtil colocar o foco de volta no manipulador, fazendo algumas perguntas de sondagem para ver se ela(e) tem suficiente auto-consci√™ncia para reconhecer a injusti√ßa da sua inten√ß√£o.
Quando você fizer essas perguntas, estará colocando um espelho, de modo que o manipulador possa ver a verdadeira natureza do seu estratagema. Se o manipulador tiver um grau de auto-consciência, ele ou ela provavelmente vai retirar a demanda e recuar.
5. Use tempo a seu favor
Al√©m de pedidos irracionais, o manipulador, muitas vezes, tamb√©m espera uma resposta imediata de voc√™, para maximizar a press√£o e seu controle sobre voc√™ na situa√ß√£o. (Vendedores chamam isso de “fechar o neg√≥cio”.). Nestas situa√ß√Ķes, em vez de responder de imediato ao pedido do manipulador, considere usar o tempo a seu favor, e se distancie da sua influ√™ncia imediata. Voc√™ pode exercer lideran√ßa sobre a situa√ß√£o simplesmente dizendo:
“Eu vou pensar sobre isso.”
Considere o quanto estas palavras s√£o poderosas de um cliente para um vendedor, ou de voc√™ para um manipulador. Aproveite o tempo que voc√™ precisa para avaliar os pr√≥s e os contras da situa√ß√£o, e considerar se voc√™ quer negociar um acordo mais justo, ou se voc√™ ficar√° melhor dizendo “n√£o”, o que nos leva ao nosso pr√≥ximo ponto:
6. Saiba como dizer “n√£o” – diplomaticamente, mas com firmeza
Para dizer “n√£o” diplomaticamente, mas com firmeza, √©  preciso praticar a arte da comunica√ß√£o. Efetivamente articulado, ele permite que voc√™ fique firme, ao mesmo tempo que mant√©m uma rela√ß√£o vi√°vel. Lembre-se de que os seus direitos humanos b√°sicos incluem o direito √† sua pr√≥pria lista de prioridades, o direito de dizer “n√£o” sem se sentir culpado, e o direito de escolher a sua pr√≥pria vida feliz e saud√°vel.
7. Enfrente os bullyings com segurança
Um manipulador psicológico também se torna um bullyinador quando quer intimidar ou magoar outra pessoa.
A coisa mais importante a ter em mente sobre os bullyinadores é que eles escolhem aqueles que eles percebem como mais fracos, por isso, quando você permanece passiva e complacente, tornar-se um alvo. Bullyinadores são covardes. Quando seus alvos começam a mostrar suas garras e lutar por seus direitos, muitas vezes recuam. Isto é verdade nos pátios das escolas, bem como em ambientes domésticos e de escritório.
8. Elenque as consequências
Quando um manipulador psicol√≥gico insiste em violar seus limites e n√£o aceitam um “n√£o” como resposta, fale das conseq√ľ√™ncias.
A capacidade de identificar e afirmar conseq√ľ√™ncias √© uma das habilidades mais importantes que voc√™ pode usar para “se livrar” de uma pessoa dif√≠cil. Efetivamente articulada, a consequ√™ncia d√° uma pausa para manipulador, e o obriga a mudar do tirano ao respeitoso.


Fonte: Psychology Today
http://www.psiconlinews.com/2014/12/como-identificar-e-parar-os.html